notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 22/06/2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    duplicação

    Rodovia foi inaugurada em 23 de dezembro de 2020 e beneficia 2 milhões de pessoas | Foto FELIPE DALLA VALLE | Palácio Piratini

    Pedágio após 400 milhões em obras na RS-118: empresários criam movimento contra; O bode de Leite

    por Cristiano Abreu | Publicada em 25/05/2021 às 17h15| Atualizada em 01/06/2021 às 11h51

    Ao custo de R$ 400 milhões para o contribuinte e prestes a ser entregue à iniciativa privada, a RS-118 (Mário Quintana) está no centro de uma batalha contra o pedágio. E a conclusão da duplicação, que parou em Gravataí, também é motivo de reivindicações pela Região Metropolitana.

    Empresários de Gravataí, Cachoeirinha, Esteio, Sapucaia do Sul, Nova Santa Rita, São Leopoldo e Alvorada, criaram, na última semana, o Movimento RS-118 Sem Pedágio. A iniciativa corre contra o tempo, já que a concessão é plano do governo Eduardo Leite, como o Seguinte: tratou em Após 400 milhões de dinheiro público, ERS-118 será concedida para pedágio; 040 e 020 também.

    O presidente da Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Sapucaia do Sul (Acis) concedeu entrevista ao repórter Jocimar Farina, de GZH, nesta terça-feira (25). Rudinei Leite entende que a exploração tarifária na rodovia irá afastar empreendimentos interessados em se estabelecer na região.

    – A Região Metropolitana, que é cortada pela RS-118, está se tornando um polo de logística. Tem muito potencial para isso. No momento da instalação de pedágio tu começa a cercear essa oportunidade que a gente tem de explorar a rodovia – destaca o presidente da Acis a GZH.

    Dessa forma, o movimento não quer a inclusão da Mário Quintana no pacote de privatizações de Eduardo Leite. Uma alternativa, de acordo com os empresários, seria a instalação de pedágio na RS-010, rodovia que ainda será construída.

    Não é a melhor alternativa, contudo, a futura estrada, ao que tudo indica, surgirá de dinheiro privado. No caso da RS-118, o Estado pagou 22 quilômetros da duplicação, e a entregaria toda a rodovia, sem custo, para ser pedagiada em troca da conclusão das obras.

    Na visão do presidente da Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Viamão (Acivi), o pedagiamento em região urbana é prejudicial ao desenvolvimento econômico. E Luiz Antônio Pereira acredita que o caso da RS-118 merece ainda mais cuidado.

    – A questão é um pouco mais complexa do que ser a favor ou contra. Especialmente no caso da 118, que favorece o desenvolvimento dos municípios do entorno de Porto Alegre – disse Pereira.

    O presidente da Acivi garantiu que, mesmo não tendo assinado o manifesto inicial das entidades metropolitanas, a associação que representa a Velha Capital participa do movimento contra o pedágio.

     

    Tarifa de R$ 7,37 na ida e na volta

     

    A proposta do governo do Estado é conceder RS-118 e RS-040 para empresas privadas. As duas rodovias constam no estudo de viabilidade encomendado pelo Palácio Piratini, já em fase de conclusão.

    Para a Mário Quintana, a intenção do governo é que o vencedor do leilão se responsabilize pela manutenção da estrada. A duplicação entre Gravataí e Viamão, neste caso, seria obrigatória e ocorreria até o quinto ano do contrato.

    Se a proposta avançar, haverá ao menos uma praça de cobrança, com tarifa calculada em até R$ 7,37 por trecho (cobrança nos dois sentidos). Dois locais são estudados para a instalação, porém o governo ainda não revela a localização.

    No caso da Rodovia Tapir Rocha, as cancelas sairiam de Águas Claras e iriam para o limite com Capivari do Sul, ou até mesmo para o município vizinho. Deste modo, Viamão deixaria de arrecadar o ICMS.

     

    O que diz o governo do Estado

     

    O secretário extraordinário de parcerias do governo gaúcho afirmou ao site GZH que pedagiar a RS-118 é uma proposta que pode não ser seguida se a rejeição popular aumentar. Contudo, Leonardo Busatto sugeriu que a rodovia ficará sem investimentos públicos futuros, e, mesmo que de forma velada, deu a entender que a obra executada entre Sapucaia e Gravataí é de baixa qualidade.

    – A proposta é pedágio na 118. A alternativa é tirar a 118 das concessões e não ter investimentos pelos próximos 30 anos. Demorou quase 30 anos pra duplicar. Em pouco tempo, voltará a ficar cheia de buracos e mal sinalizada, se não estiver na concessão. Mas é uma escolha – disse Busatto a GZH.

    É o tal bode na sala pra meter medo...

     

    • coronavírus
      Por que vereador de Gravataí foi vacinado contra COVID aos 31 anos
      por Rafael Martinelli
    • negócios
      Com ’milhares de empregos’, Lojas Americanas projeta ampliação de centro de distribuição em Gravataí
      por Redação
    • emprego
      A GM de Gravataí está contratando; Saiba como se cadastrar
      por Redação
    • saúde
      Parceria Zaffa & Marco Alba confirma ampliação da UTI de Gravataí: Prefeitura banca metade do investimento no Becker; O acerto Santa Casa
      por Rafael Martinelli | Assessoria
    • operação proximidade
      Cachoeirinha: O que intriga no ’caso SKM’ que agora apreendeu dinheiro do prefeito e de empresários
      por Rafael Martinelli
    • pedagiaço
      A Gravataí que não engole pedágio: ’Depois de 14 anos pagando a duplicação ninguém merece’; O país do faturo
      por Rafael Martinelli
    • negócios
      Os milhões que Gravataí já perdeu com a GM parada; Aguente firme, Dominic!
      por Rafael Martinelli
    • política
      Ação judicial pede anulação da Reforma da Previdência de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • pedagiaço
      Gravataí dos 3 pedágios: Leite confirma cobrança na 118 e 020 em Gravataí; Não era ’fake news’
      por Rafael Martinelli
    • política
      Vereadores querem mexer com 276 mil cada por ano; Cachoeirinha e o pior do Brasil
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      A ’despiora’ da COVID: platô é de 3 vidas perdidas por dia em Gravataí; São mortes com rosto, como os Denicol ou a profe Maura
      por Rafael Martinelli
    • ppp da corsan
      Falta de água e esgoto em Gravataí: Corsan anuncia meio bilhão e reservatório nas Moradas; Grito de Zaffa deu resultado
      por Rafael Martinelli | Assessoria
    • política
      O gravataiense que come a la minuta com Bolsonaro em Brasília
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Rodrigo Becker | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.