notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 16/01/2022

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    EXCLUSIVO

    Nadir Rocha, no momento em que saia da sessão de aprovação da cassação, é cumprimentado por Pinto do Rincão, personagem folclórico dos corredores da Câmara

    5 anos do impeachment de Rita: justiça de vereador

    por Rafael Martinelli | Publicada em 21/10/2016 às 16h46| Atualizada em 25/10/2016 às 11h02

    Em 18 de dezembro de 2013, o Congresso Nacional devolveu, simbolicamente, o mandato presidencial de João Goulart, destituído do cargo em 1964.

    A sessão solene, proposta pelos senadores Pedro Simon (PMDB-RS) e Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), anulou a sessão que declarou vago o cargo de presidente da República, que possibilitou o afastamento de Jango.

    O argumento para perda do mandato meses antes de começar o ‘prendo e arrebento’ foi que o presidente havia fugido do país.

    Aqui na aldea, cinco anos depois do impeachment, uma “devolução” do mandato da prefeita Rita Sanco (PT) inscreve-se tão longe como na tenebrosa história nacional.

    A juíza pretora de Gravataí Maria da Graça Olivaes Pereira não aceitou a ação anulatória da cassação de Rita e do vice Cristiano Kingeski. E um recurso ao processo número 015/1.11.0015739-7 aguarda desde abril de 2016 o julgamento no Tribunal de Justiça (TJ) gaúcho, mas não encontra jurisprudência favorável em um rábula do passado sequer, para confrontar com uma ministra Ellen Gracie - afiançadora da sentença de 2015 que preserva a separação entre os três poderes.

     

    MP e o ‘já era’

     

    O Ministério Público, mesmo não processando ou não logrando êxito em qualquer pedido de condenação da prefeita e do vice nas acusações feitas pela CPI do impeachment, deu parecer “pelo reconhecimento da coisa julgada”, ou, fosse outro o entendimento da juíza, “pela improcedência da ação, sustentando que não é da alçada do Poder Judiciário dizer se o conjunto probatório demonstra ou não a materialidade e a autora das infrações politico-administrativas denunciadas”.

     

    Cada um no seu quadrado

     

    Em sua sentença, onde listou os inúmeros recursos jurídicos frustrados, na Justiça local e estadual, para barrar as sessões durante o curso da cassação, a juíza de Gravataí Maria Olivaes sustentou a tese da separação dos poderes em julgamentos de casos como o de Rita e Cristiano.

    - Incumbe ao Poder Judiciário, exclusivamente, o pronunciamento quanto aos aspectos legais e formais do ato emanado da Câmara de Vereadores de Gravataí que culminou com a cassação dos mandatos dos autores – decidiu.

    - Descabe a revisão judicial do referido ato, sob pena de se configurar em ingerência do Poder Judiciário sobre o conteúdo da deliberação da Câmara de Vereadores de Gravataí - concluiu.

     

    Todo poder à Câmara

     

    Enfim, até agora as decisões judiciais confirmam o “todo poder à Câmara”, que estufou peitos no legislativo, e moldava sombras radiantes e obscuras por seus corredores, desde 1º de janeiro de 2011, quando, após o curso de dois anos e um dia de mandato, se poderia escolher um prefeito de forma indireta, sem a necessidade de uma nova eleição com a participação do povo nas urnas.

    - Maquele momento os vereadores mostraram a força que tem – é o mantra repetido por Nadir Rocha (PMDB), presidente do legislativo naquele outubro de 2011, e que como herança da espécie de ‘impeachment paraguaio’ – Fernando Lugo tinha sido ‘impichado’ por motivos exóticos no país vizinho meses antes - sentou na cadeira de prefeito por 15 dias.

     

    Prefeito tampão

     

    Depois de Nadir, em 15 de novembro, Acimar da Silva (PMDB), falecido ano passado, e relator do processo de impeachment, foi escolhido entre os colegas, por 10 votos a 4, o ‘prefeito tampão’ até 31 de dezembro de 2012, quando Marco Alba (PMDB) – que acompanhou o processo de longe, por um Nextel, em férias com a família na Disney - assumiu como eleito pelas urnas.

     

    Decreto da ditadura

     

    - Usaram um decreto lei de 1967, do governo do ditador Castello Branco, para abrir um processo kafkiano – sempre alerta a ex-prefeita Rita Sanco, para identificar o embasamento para a aberta da Comissão Processante, no dicionário da política, a ‘CPI na Câmara’.

     

    Cidadãos calados

     

    O advogado Cláudio Ávila e o professor Marcos Monteiro, autores do impeachment em 9 de julho de 2011, e que, como Dilma Rousseff teve os seus cidadãos proponentes, foram  ‘Miguel Reales Jrs’ e ‘Janaínas Paschoais’ de Rita na época, preferem não comentar o assunto.

     

    É golpe!

     

    - Foi golpe! – aponta Ataídes Lemos da Costa, hoje advogado do processo e, à época, procurador-geral da Prefeitura envolvido nas denúncias por uma nunca provada relação sua com o escritório de advocacia da filha da prefeita.

    - O Judiciário simplesmente lava as mãos. E mais uma injustiça fica encravada na história – lamenta.

     

    Nenhuma condenação

     

    O advogado recita por mais de uma vez que nenhuma das denúncias feitas pela CPI levou a condenações.

    - A única ação civil pública aberta foi para investigar a retenção do ICMS para pagar dívida com a Corsan. O Ministério Público considerava irregular. A Justiça de Gravataí considerou legal. O MP recorreu e o Tribunal de Justiça manteve a absolvição – informa.

    - Nesse golpe político armado pela Câmara, todos os itens apontados pela acusação, pelos golpistas, ou o MP entendeu que não ocorreram, e não abriu processos, ou aqueles em que abriu ao fim ou ao cabo dos inquéritos foram arquivados, porque não houve prova – argumenta.

     

    Aquela dívida

     

    Ataídes inclui na lista a renegociação de uma dívida da Prefeitura como a CEEE que tinha como intermediário o Banrisul, e foi sempre colocada no centro do debate do impeachment, por representar uma conta parcelada de mais de R$ 100 milhões.

    - Quando renegociamos, era necessário. A gestão Rita foi notificada extrajudicialmente pelo Banrisul para fazer o pagamento. Conseguimos um abatimento tão bom que o MP investigou, abriu inquérito civil, e emitiu laudo pelos seus próprios técnicos atestando que era benéfico para o município, porque o prazo de pagamento não estava prescrito.

    - Tanto a dívida não estava prescrita, que os governos golpistas pagaram parcelas. Depois, o banco errou e houve a prescrição.

     

    Ditadura da maioria

     

    O ex-procurador insiste numa obsessão dos vereadores em tomar o poder.

    - Se você lembrar, no período de um ano antes do impeachment, tivemos que derrubar com adins (ações diretas de inconstitucionalidade) quase uma dezena de projetos que a Câmara aprovava que não eram de sua competência e a geravam custos para a Prefeitura.

    - Queriam forçar um parlamentarismo, não respeitavam um governo eleito pelas urnas. Vivíamos uma ditadura da maioria.

     

    O custo dos votos

     

    Ataídes encerra atirando ao tempo:

    - Sabe se lá quanto custaram a cada um os votos para o impeachment.

     

    LEIA TAMBÉM

    EXCLUSIVO: Cinco anos após o impeachment, uma revelação

    EXCLUSIVO: Cinco anos após o impeachment, o marido pivô

    10 semelhanças entre os impeachments de Rita e Dilma

    PERFIL: Nadir Rocha, prefeito por 30 dias

    UM ANO DA MORTE: Acimar, o vereador que virou prefeito

    Rita Sanco e o velho PT das lutas

    • meio ambiente
      Dois anos de espera: Comitê da Bacia cobra 8,5 milhões em projetos contra seca no Rio Gravataí
      por Redação | Assessoria
    • coronavírus
      Os números da explosão da covid em Gravataí revelam uma boa notícia; A salvação em 0,5 mL
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens Guilherme Klamt
    • política
      Advogado de Miki explica vídeo onde vereador o flagra com covid e sem máscara na rua; É Cachoeirinha 40 Graus e subindo
      por Rafael Martinelli
    • política
      Morre ex-prefeito de Cachoeirinha Alécio Goulart; De vendedor de pastéis a idealizador do Distrito Industrial
      por Rafael Martinelli
    • política
      Cachoeirinha 40 Graus: Advogado flagra reunião e denuncia conspiração: ’Querem cassar Miki e Maurício’; O que faziam juntos vereador-juiz da cassação e candidato derrotado à Prefeitura
      por Rafael Martinelli
    • política
      Miki tem contas invadidas; O que fizeram os hackers em nome do prefeito afastado de Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    • política
      Quem vai comandar novo partido de Bolsonaro em Gravataí; ’Polarização será com Lula, Moro não é adversário’
      por Rafael Martinelli
    • bem-estar animal
      Guarda municipal de Gravataí investigado por matar cão com tiro; Dossiê na Corregedoria, Polícia e MP tem vídeos, áudios e prints
      por Rafael Martinelli
    • política
      Ex-candidato a prefeito de Gravataí deixa partido de Bolsonaro; quem ele apoia em 2022
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Gravataí e Cachoeirinha com transmissão comunitária da ômicron; É motivo para pânico? A ’ideologia da ciência’ responde
      por Rafael Martinelli
    • política
      Deputada de Gravataí Patrícia Alba alerta Leite sobre colapso nos hospitais da região metropolitana; Sem bairrismo burro, mas o doce sabor da oposição
      por Rafael Martinelli
    • política
      Começa cassação do prefeito de Cachoeirinha: ’Sérgio Moro de Miki’ é do PT; os Grandes Lances dos Piores Momentos e o que pode anular o processo
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Zaffa e Patrícia Alba tiveram contato com governador em exercício que está com covid
      por Rafael Martinelli
    • política
      Legado de Sônia: Alan vai coordenar campanha de Patrícia e Marco Alba; A ’jóia’ não vai para o secretariado de Zaffa
      por Rafael Martinelli
    • política
      Um ano de governo, 1h com Zaffa: balanço e perspectivas; Covid, Rio, investimentos, Zaffari, pauta-bomba da Sogil e outras polêmicas
      por Rafael Martinelli e Roberto Gomes de Gomes | Edição de imagens Guilherme Klamt
    • política
      Após quase uma década, obras no Tuiuti começam semana que vem em Gravataí; O parabéns e a herança do ’chato’
      por Rafael Martinelli
    • luto
      Morre João Alberto Lessa, um dos maiores artistas da história de Gravataí; do chafariz da praça aos vitrais da matriz e a Zum Zum
      por Rafael Martinelli
    • política
      Deu no JN a seca no Gravataí; ’Nunca vi o Rio assim. Em 2 semanas teremos racionamento’, diz Zaffa
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Ômicron chegou em Gravataí: Infecções por covid triplicam e procura por UPAs explode; Prefeitura amplia testagem
      por Rafael Martinelli
    • negócios
      Dona do Shopping do Vale, de Cachoeirinha, tem continuidade da operação incerta
      por Redação
    • coronavírus
      A covid voltou: Gravataí, Cachoeirinha e RS estão sob Aviso; Soube do vizinho?
      por Rafael Martinelli
    • luto
      Morre em Gravataí aos 83 anos Seu Irno, o ’Senador da Morada do Vale’, pai de Anabel Lorenzi
      por Rafael Martinelli
    • política
      Vídeo mostra socorro a criança baleada em operação que feriu vereador de Gravataí em favela do Rio dominada por milícia
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Zaffa, imite prefeito de NY e obrigue a vacina em Gravataí; A ditadura da vida
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • política
      É preocupante o conceito de corrupção de José Rosa, presidente do Sindilojas de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Rodrigo Becker | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.