notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 26/05/2022

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    EXCLUSIVO

    Julio e Rita com o neto Davi

    Cinco anos após o impeachment, o marido pivô

    por Rafael Martinelli | Publicada em 17/10/2016 às 16h41| Atualizada em 19/10/2016 às 17h01

    Nos cinco anos do impeachment da prefeita Rita Sanco (PT), o Seguinte: relembra histórias do lado B da trama, que nunca foram contadas.

    No domingo, trouxemos com exclusividade a revelação do vice-prefeito Cristiano Kingeski, que diz ter recebido dos mentores da cassação a proposta de sacrificar Rita e assumir como prefeito.

    Hoje, ouvimos Julio Lima, marido da ex-prefeita, que é apontado por Vail Correa como um dos responsáveis na decisão que teve de votar a favor do afastamento da prima do poder.

    - Fui chamado de corrupto, insultado e ameaçado pelo Julio, que disse que eu ganharia dinheiro para cassar a Rita. Disse na frente da minha família e de um monte de gente. Ali falei à minha esposa: meu voto está decidido e é a favor da cassação – é a versão que o ex-vereador Vail Correa conta desde a época, sobre a rusga testemunhada por muitos em um jantar às vésperas da votação do impeachment, durante o Chef na Cozinha, uma promoção do Sindilojas realizada no Paladino Tênis Clube.

    Para quem não lembra, Rita foi afastada por 10 votos a quatro. Se tivesse revertido um voto, teria livrado a cabeça da guilhotina política que lhe custou o poder sem ter até agora, 1825 dias depois, nenhuma denúncia feita pelo Ministério Público ou qualquer condenação pelo Judiciário – onde uma ação corre desde a época, no 1º grau, na Justiça de Gravataí, ainda sem sentença.

    Julio não se arrepende do que fez.

    - O cara quando quer arrumar uma desculpa para tentar convencer aos outros que não cometeu uma injustiça, diz qualquer coisa – argumenta o empresário do ramo imobiliário.

    - Acho que ele repete isso em voz alta para convencer a si próprio.

     

    Sempre Cláudio Ávila

     

    Julio conta que, naquela noite, participava do evento quando Cláudio Ávila, mentor do impeachment, passou por ele e lhe deu um esbarrão.

    - Nem lembro o que ele disse, fazem cinco anos. E é das coisas que procurei apagar da mente porque são lembranças que remetem a pessoas tóxicas, coisas que fazem mal para gente. Sei que ele não apenas debochou, tocou flauta sobre a inevitabilidade da cassação. Ele falou da minha família – rememora, lembrando que Raquel, advogada filha da prefeita e de Julio, também foi envolvida nas denúncias que embasavam a cassação por um suposto relacionamento e sociedade de seu escritório com o procurador-geral do município, Ataídes Lemos da Costa.  

    - O que vou te dizer... Fui atrás do Cláudio, ele estava na banca com o Vail, e aí sobrou para todos mesmo. Defendi minha família. Faria tudo outra vez. Não sou de briga, mas quem sabe hoje faria até pior.

    Julio faz questão de tratar a polêmica de forma emocional, não política.

    - Nunca me envolvi politicamente. Sempre apoiei a Rita, que era a política da casa. Mas nunca pedi emprego para amigo na Prefeitura ou envolvi meus negócios privados com o poder público. Quem nos conhece, sabe.

    Cláudio Ávila já informou ao Seguinte: que não falará sobre episódios do impeachment.

     

    O dia da caça

     

    Hoje, é Julio quem encerra com uma flauta:

    - É como diz aquele ditado: um dia é da caça, outro do caçador. Dos 10 vereadores que cassaram a Rita, só dois estão reeleitos para a próxima legislatura (Nadir Rocha, do PMDB e Roberto Andrade, do PP).

    No caso, seriam cassadores e cassados, com S.

     

    Professora cassada no Dia dos Professores

     

    Para recordar a história, a cassação de Rita aconteceu em 15 de outubro de 2011. Por 10 votos a quatro, a professora foi cassada no Dia dos Professores.

    Era o fim de uma dinastia do PT no poder, iniciada com o primeiro governo de seu maior líder, Daniel Bordignon, em 1997.

    O presidente do legislativo Nadir Rocha (PMDB) assumiu interinamente a Prefeitura e, em 15 de novembro daquele ano, os mesmos dez vereadores escolheram o colega Acimar da Silva (PMDB) como prefeito tampão até 31 de outubro de 2012.

    Nas eleições seguinte, Marco Alba (PMDB), o grande conselheiro no ano e meio em que o gabinete do prefeito teve as plaquinhas com os nomes de Nadir e Acimar, foi eleito prefeito com 51 mil votos e assumiu em 1º de janeiro de 2013.

    Já Bordignon e Cláudio Ávila se uniram no PDT e venceram a eleição deste ano como prefeito e vice. Eles aguardam a validação dos votos pelo TSE, que se não ocorrer pode levar a uma nova eleição, ou à diplomação do segundo colocado, Marco.

     

    LEIA TAMBÉM

    EXCLUSIVO: Cinco anos após o impeachment, uma revelação

    10 semelhanças entre os impeachments de Rita e Dilma

    PERFIL: Nadir Rocha, prefeito por 30 dias

    UM ANO DA MORTE: Acimar, o vereador que virou prefeito

    Rita Sanco e o velho PT das lutas

    • política
      Nova eleição Cachoeirinha: ’Tenho princípios. Não serei vice de um governo que é sequência de Miki’, diz Dr. Rubinho
      por Rafael Martinelli
    • política
      Gravataí vai ao Vale do Silício
      por Rafael Martinelli
    • política
      Patrícia Alba assina documento do Movimento RS 118 Sem Pedágio; O Velho Oeste do Billy the Kid
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Acerta o prefeito Cristian ao retomar máscaras em Cachoeirinha; O ’novo normal’ da covid
      por Rafael Martinelli
    • política
      Em Gravataí, início do fim de uma fake news de 400 milhões; O Vanucci e ’a Áfica é logo ali’
      por Rafael Martinelli
    • política
      IPTU Verde: como Zaffa quer baixar impostos; ‘Gravataí decolou’
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • política
      Nova secretária da Saúde de Cachoeirinha é Breier, mas não é Miki; A Verdadeira História do Paraíso
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Mesmo com casos em escola, Gravataí não vai obrigar máscaras; Os números da covid hoje
      por Rafael Martinelli
    • política
      Mentira sobre baixar combustíveis vai assaltar Gravataí, Cachoeirinha e Viamão em 42 milhões anuais
      por Rafael Martinelli
    • política
      Nova eleição Cachoeirinha: Delegado terá como vice Aline, filha do vereador Deoclécio; Com esposa, Marco Barbosa & tudo
      por Rafael Martinelli
    • política
      Nova eleição em Cachoeirinha: vereador revela estratégia do prefeito Cristian de atrair adversários para vice; Feola, Garrincha e os russos
      por Rafael Martinelli
    • política
      O que a prisão de ex-interventor de Gravataí ensina para o Ministério Público
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Rodrigo Becker | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.