notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 16/01/2022

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    perfil

    Sônia Zanchetta é uma da estrelas da revista estilo, da Cia Zaffari

    Sônia Zanchetta, uma das mulheres que amamos

    por Dóris Fialcoff | Estilo | Publicada em 04/04/2017 às 17h37| Atualizada em 04/04/2017 às 17h38

    Radicada em Cachoeirinha, a agitadora cultural Sônia Zanchetta ilustra um dos perfis do Mulheres Que Amamos, assinado pela jornalista Dóris Fialcoff na revista Estilo, da Cia Zaffari. O Seguinte: recomenda e reproduz o artigo

     

    Leitura poderia fazer parte do sobrenome da porto-alegrense Sônia Zanchetta. Jornalista e produtora cultural, há muitos anos compreendeu que os momentos entre os livros na infância alinhavaram o seu futuro. As obras que iniciaram tal encantamento foram itens de destaque no enxoval da mãe: a coleção completa de Monteiro Lobato, de 1930, e a coleção Thesouro da Juventude.

    - Apesar dessa ligação com a literatura ter se estabelecido desde bastante cedo na minha vida, dei muitas voltas antes de, de repente, cair na área da leitura, que é onde eu deveria ter estado sempre - conta Sônia.

    Formada em jornalismo pela PUCRS, em 1979, chegou a trabalhar em assessoria de imprensa, mas por pouco tempo. Já no ano seguinte, aprovada em um concurso do Ministério das Relações Exteriores, fez as malas e foi para o Equador. Faria estágio na área de Comércio Exterior e a ideia era voltar para casa dois anos depois e atuar no segmento. Porém, no final do período ela estava namorando um equatoriano – com quem se casou e teve três filhos –, e quis ficar. A Embaixada, então, a contratou como funcionária local do novo departamento de Promoção Cultural. Para Sônia não poderia ter sido melhor, pois desde que lá chegou esteve ligada ao cenário das artes.

    Nos 17 anos que viveu em solo equatoriano, a gaúcha realizou muitas ações culturais, inclusive como empreendedora. Com uma sócia, também brasileira, teve, por cerca de 11 anos, o Bangalô Salón de Té, um “salão de chá”, que se tornou ponto de encontro de apreciadores de arte.

     Em 1997, quando voltou a Porto Alegre, mesmo com a insistência da família para que atuasse no mercado ascendente do Comércio Exterior, ela não se rendeu. Queria mesmo transitar pela área cultural, de preferência pela da leitura. E realmente não há nada como uma certeza! Mal Sônia tinha chegado ao Brasil e, como ela mesma diz, “aconteceu algo muito interessante”. A convite de um amigo, foi ao lançamento da revista literária Blau, editada pelo escritor Walmor Santos. Como o amigo se atrasou, Sônia olhou em volta e, após tanto tempo fora, não conhecia ninguém. Como é comum em situações assim, ela aceitou um cálice de vinho e ficou dando voltas.

    - De repente, um cidadão se aproximou: ‘Tu estás tão perdida, acho que não és daqui’ - relembra a jornalista.

    Era o escritor Dilan Camargo, e assim que ela disse ser daqui, mas ter ficado anos no Equador levou-a até uma pessoa que sabia também ter estado lá:

    - Júlio, tu estiveste no Equador, não é?.

    Pronto, ela estava conhecendo o então presidente da Câmara Rio-Grandense do Livro, Júlio Zanotta Vieira. E o papo, cheio de felizes coincidências, foi a introdução para os inúmeros capítulos que viriam imprimir o nome Sônia Zanchetta na história de um dos acontecimentos anuais mais aguardados pelos gaúchos: a Feira do Livro de Porto Alegre. Dois dias depois desse encontro, a pedido de Júlio, ela foi à Câmara do Livro ajudá-lo no contato com um importante dramaturgo equatoriano e por lá ficou. Há 20 anos, portanto, integra a comissão executiva do evento e coordena a Área Infantil e Juvenil, a Área Internacional e a programação para professores do Ensino Básico.

    Esta é uma das inúmeras facetas de Sônia, que é incansável no compromisso de promover a cultura por onde quer que passe. A comunidade de Cachoeirinha, na Região Metropolitana de Porto Alegre, sabe bem disso. Desde que se mudou para lá, em 2000, ela já lançou um bom número de projetos de leitura e cidadania, incrementou outros e segue idealizando novidades. O primeiro de todos, e guarda-chuva de tantos outros posteriores, começou na garagem de casa, onde a nova moradora organizou a sua biblioteca. Os mais de mil livros ali expostos chamavam a atenção das pessoas, que eram convidadas a entrar e escolher o que desejassem levar emprestado. E assim nasceu o projeto Quitanda da Leitura, que atualmente abastece outros, como a biblioteca comunitária Ponto da Leitura Sol e Lua, na Praça Telmo da Silveira Dornelles – projeto premiado pelo concurso Mais Cultura/Pontos de Leitura, do Ministério da Cultura, em 2014; o Piquenique da Leitura, criado com a contadora de histórias Rosane Castro, em 2011, para organizar troca-trocas de livros em praças; além de apoiar mais várias iniciativas. O fato é que, muito provavelmente, neste exato instante em que estou escrevendo ou em que você está lendo o Mulheres que Amamos, a Sônia Zanchetta está se mobilizando para que a leitura cumpra mais e mais a sua missão. E qual seria, Sônia?

    - Se eu tivesse que resumir a leitura em uma palavra, diria emancipação.

    • coronavírus
      Por que a GM de Gravataí pode parar em 2022; Perdas na pandemia somaram 50 milhões
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Os números da explosão da covid em Gravataí revelam uma boa notícia; A salvação em 0,5 mL
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens Guilherme Klamt
    • política
      Advogado de Miki explica vídeo onde vereador o flagra com covid e sem máscara na rua; É Cachoeirinha 40 Graus e subindo
      por Rafael Martinelli
    • política
      Cachoeirinha 40 Graus: Advogado flagra reunião e denuncia conspiração: ’Querem cassar Miki e Maurício’; O que faziam juntos vereador-juiz da cassação e candidato derrotado à Prefeitura
      por Rafael Martinelli
    • política
      Miki tem contas invadidas; O que fizeram os hackers em nome do prefeito afastado de Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    • política
      Quem vai comandar novo partido de Bolsonaro em Gravataí; ’Polarização será com Lula, Moro não é adversário’
      por Rafael Martinelli
    • bem-estar animal
      Guarda municipal de Gravataí investigado por matar cão com tiro; Dossiê na Corregedoria, Polícia e MP tem vídeos, áudios e prints
      por Rafael Martinelli
    • política
      Ex-candidato a prefeito de Gravataí deixa partido de Bolsonaro; quem ele apoia em 2022
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Gravataí e Cachoeirinha com transmissão comunitária da ômicron; É motivo para pânico? A ’ideologia da ciência’ responde
      por Rafael Martinelli
    • política
      Começa cassação do prefeito de Cachoeirinha: ’Sérgio Moro de Miki’ é do PT; os Grandes Lances dos Piores Momentos e o que pode anular o processo
      por Rafael Martinelli
    • política
      Legado de Sônia: Alan vai coordenar campanha de Patrícia e Marco Alba; A ’jóia’ não vai para o secretariado de Zaffa
      por Rafael Martinelli
    • política
      Um ano de governo, 1h com Zaffa: balanço e perspectivas; Covid, Rio, investimentos, Zaffari, pauta-bomba da Sogil e outras polêmicas
      por Rafael Martinelli e Roberto Gomes de Gomes | Edição de imagens Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Rodrigo Becker | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.