notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 13/05/2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    Jeane Bordignon

    AMEOPOEMA: histórias e alegrias

    por Jeane Bordignon | Publicada em 23/03/2021 às 15h53

    Lembro que era dezembro. Uma noite quente, daquelas que convida a ir para a rua, principalmente quando você mora perto da Lapa, que naquele tempo ainda era o território da boemia carioca.

    O que não recordo é se alguém me convidou ou o Facebook me sugeriu o evento, mas fiquei sabendo de um sarau que aconteceria na calçada em frente a Sala Cecília Meirelles. Sarau Ameopoema. Só por esse nome, já gostei.

    Quando me aproximei do grupinho reunido na calçada, o Rômulo já foi me entregando um livro: “Ó, escolhe um poema aí pra ler”. Assim, sem nem um oi antes. Olhei a capa: Bukowski. Nunca tinha lido nada desse autor, e abri o livro aleatoriamente, como quem abre um oráculo. Meus olhos se depararam com o poema “Devorado por borboletas”.

    Quem me conhece sabe o quanto amo borboletas, me identifico com elas. “É um sinal”, pensei. Empunhei o livro e li aquele poema com vontade. Quando terminei, um rapaz me aborda: “O livro é meu, mas pode continuar lendo, foi muito boa tua leitura”. Era o Conrado. Sabe aquelas pessoas de quem você se sente amigo assim que conhece? Conrado é desses.

    Só sei que continuamos conversando, também troquei umas ideias com o Rômulo e o Nelsinho (figura queridíssima e emblemática da poesia de rua carioca). Naquela noite voltei pra casa com o livro do Bukowski na mochila, emprestado pelo Conrado. E com Ameopoema no coração. Dali em diante, essa “gangue poética” não sairia mais da minha vida.

    Mas a história do Ameopoema começou uns anos antes de eu chegar no Rio. Mais precisamente quando o Rômulo fez uma aventura parecida com a minha e deixou Ouro Preto (MG) para se perder na cidade “da beleza e do caos”. É melhor deixar que o mineirinho mesmo conte:

    “O fanzine AMEOPOEMA, que circula nacionalmente desde junho de 2010, nasceu de uma ida a BH para uma apresentação poética que estava programada dentro do evento Belô Poético. Na época eu estava lançando um livro e queria dar uns fanzines a quem o comprasse, nascia ali o AMEOPOEMA. Um material simples com 4 páginas com poemas e algumas divulgações. Ao retornar ao Rio, e após vários encontros com o pessoal que já vendia poesia nas ruas do Rio, foi-se firmando uma parceria legal, onde a galera sempre mandava seus textos, divulgava, trocava, fazia xerox do material e espalhava. Espalhou tanto que acabamos tendo ideia de fazer um sarau livre. O sarau teve como abrigo o Beco dos Barbeiros (centro do Rio) por cerca de dois anos, e sempre acontecia as primeiras terças de cada mês.”

    Com o tempo, o sarau migrou para a Lapa, ora naquela calçada da Sala Cecília Meirelles, ora na Cinelândia, mais precisamente em frente ao Cine Odeon. Unindo pela poesia pessoas muito diferentes, mas com almas igualmente criativas e libertárias.

    O fanzine foi ficando pequeno para tanta poesia, e Rômulo criou o Suplemento Acre, revista que sai a cada três meses, e também é construída de forma artesanal. Muita gente boa já publicou textos e desenhos na Acre. Tanto a revista quanto o fanzine seguem sendo editados de Ouro Preto, para onde meu amigo mineiro retornou, um pouco antes de eu também voltar para casa.

    Mas quando ainda estávamos no Rio, o Rômulo e o Nelsinho começaram a articular uma grande mostra de fanzines, que teve chamada para envio de publicações de todo o país. Era a Mostra Grampo. Naquela onda colaborativa que guiava o Ameopoema, eles marcaram uma reunião na Praça Tiradentes, para quem quisesse colar junto na produção desse evento.

    Nessa primeira reunião, só eu respondi o chamado. Então nós três, sentados numa mureta da Praça Tiradentes, começamos a desenhar o que seria a Mostra Grampo. É uma memória que guardo com carinho, ter feito parte dessa história.

    Numa outra noite calorenta, nosso pedaço da Cinelândia foi ocupado com varal de zines, telão, microfone e muita poesia. Mesmo com todos os percalços, que incluíram uma caixa de som estourada e um pé quebrado, a Mostra Grampo aconteceu.

    Também foram especiais as noites de Círculo de Leitura de Poemas na Rua, que embora tenha sido uma iniciativa do Conrado, reunia a gangue do Ameopoema para, com a maior naturalidade, sentar nas imediações do Museu do Amanhã, do Theatro Municipal ou da Praça XV e simplesmente ler poesia, trocar ideias…

    Foi numa dessas noites que fizemos a foto acima, todos devidamente carimbados com a logo do Ameopoema. A tinta pode ter saído no banho, mas a energia daquele momento ficou marcada para sempre.

    É difícil explicar o significado dos encontros do Ameopoema, mas descrevi um pouco numa poesia escrita um tempo atrás:

     

    “Ah, você é poeta?

    Já se embriagou de álcool e versos

    fugindo dos chuviscos

    sob as árvores da praça

    iluminando as letras

    com a luz dos postes

    num estado de celebração

    sem solenidades?

    Já levou sua poesia

    para as calçadas

    misturando as palavras

    ao barulho e à fumaça da ruas

    e mesmo assim

    voltando para casa

    de alma lavada?”

     

    E porque estou contando tudo isso? Porque o Rômulo está convidando outros poetas para fazer a curadoria do fanzine, e neste mês, me chamou para essa missão. Como eu sempre penso em divulgar minhas irmãs poetas, sugeri de imediato: “Podemos fazer essa edição só com as mulheres do Nós, as Poetas?”

    Pois o mineiro me deu carta branca, e a proposta deu tão certo que gerou dois fanzines Ameopoema – Especial Nós, as Poetas! Meu coração se encheu de alegria ao ver dois coletivos que amo num mesmo projeto, e que ficou lindo demais.

    Os zines estão nos links abaixo, para quem quiser ler, imprimir, espalhar no mundo:

    https://slideshare.net/romulopherreira/fanzine-ameopoema-076-especial-ns-as-poetas-parte-01

    https://slideshare.net/romulopherreira/fanzine-ameopoema-076-especial-ns-as-poetas-parte-02

    Essa coluna também é pra convidar a todos para o lançamento do novo livro do Rômulo, Pôr do sol nas coisas, que ele está publicando com apoio Lei emergencial Aldir Blanc do estado de Minas Gerais. Chega lá no evento e contribua para fortalecer a poesia independente: https://facebook.com/events/438553857398404/ 

    Poesia sempre!

    • coronavírus
      Em 24h, vacinas para professores: Gravataí e Cachoeirinha iniciam nesta quinta; Tem drive-thru na GM
      por Rafael Martinelli
    • política
      Bordignon fala: PT, Lula, Dimas, Ávila e a ’incompatível história’ com Marco Alba e Bolsonaro
      por Rafael Martinelli
    • pedágio
      Após 400 milhões de dinheiro público, ERS-118 será concedida para pedágio; 040 e 020 também
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Cachoeirinha começa a vacinar professores quinta, Gravataí decide amanhã; Justiça autoriza
      por Rafael Martinelli
    • política
      Prev(s)idência: Anabel, Dila e PDT entram pela porta de Zaffa, os Bordignons saem por outra; Agora tudo é GreNal na política de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Por que Hospital de Campanha de Cachoeirinha fechou e o de Gravataí não; Zaffa acerta como Marco Alba
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Segunda de volta às aulas do 3º, 4º, 5º ano em Gravataí: prefeito e professores divergem; Entre ’aos poucos a normalidade’ e ’o Centro estava um horror’
      por Rafael Martinelli
    • política
      Fernando Deadpool saiu do grupo; Vereador de Gravataí desligou-se de WhatsApp da base de Zaffa
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Sai a ciência, entra a política: Leite passa pincel de colorir mapinha para prefeitos de Gravataí e Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    • contas públicas
      Acerta Zaffa com a reforma da previdência de Gravataí; Uma ’pauta-bomba’ para muitos desarmarem
      por Rafael Martinelli
    • emprego
      Prefeitura de Cachoeirinha vai abrir concurso para 38 cargos
      por Redação | Assessoria
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Rodrigo Becker | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.