notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 19/10/2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    moisés mendes

    Os militares democratas incomodam

    por Moisés Mendes | Publicada em 13/10/2021 às 19h02| Atualizada em 14/10/2021 às 09h24

    Militares comprometidos com a democracia sempre foram um incômodo dentro das Forças Armadas. Muita gente não sabe que, além dos inimigos civis, a ditadura também perseguiu, cassou e matou militares.

    Há bons trabalhos do jornalismo e alguns documentários sobre o assunto. Mas parece pouco, ou bem menos do que o tema merece. Militares também resistiram com bravura à tirania dos que derrubaram Jango.

    O relatório final da Comissão Nacional da Verdade, de 2014, indica que 6.591 militares sofreram represálias de todo tipo depois do golpe de 64, incluindo tortura e morte.

    Os chefes militares perseguiram subalternos de todas as patentes das três armas e também das polícias militares estaduais e até dos bombeiros.

    Militares democratas perderam o trabalho, quando não perderam a vida, porque resistiram ao golpe.

    O relatório informa: “Os militares foram perseguidos de várias formas: mediante expulsão ou reforma, sendo seus integrantes instigados a solicitar passagem para a reserva ou aposentadoria; sendo processados, presos arbitrariamente e torturados; quando inocentados, não sendo reintegrados às suas corporações; se reintegrados, sofrendo discriminação no prosseguimento de suas carreiras. Por fim, alguns foram mortos”.

    O Brasil não teria sido convivente com os criminosos, todos protegidos pela anistia, se tivesse feito o que Argentina e Chile fizeram, enquadrando, julgando e prendendo assassinos por crimes de lesa humanidade cometidos durante as ditaduras.

    Também no Uruguai, mesmo com uma anistia semelhante à brasileira, há um esforço nesse sentido, e muitos torturadores já foram julgados e presos. Cometeram crimes considerados imprescritíveis.

    Aqui, o Supremo blindou os criminosos, e o presidente da República elogia torturadores, muitos ainda vivos e todos em liberdade, sem nenhuma incomodação.

    Por isso é valiosa, mas ainda é insuficiente, a iniciativa do senador Jaques Wagner (PT-BA), que está pedindo explicações ao ministro da Defesa, Braga Netto, sobre denúncias de perseguições a militares da ativa que seriam filiados ao PT.

    A colunista Bela Megale, do Globo, foi a primeira a informar que militares (certamente porque não se alinham à extrema direita) passaram a ser alvos de um Procedimento de Apuração e Transgressão Disciplinar na Força Aérea.

    Só porque seriam filiados ao PT. Bela informa que o senador pede explicações a Braga Netto e cita o artigo 142 da Constituição Federal, que proíbe a filiação de militares da ativa a partidos políticos. Mas por que só investigam os ligados ao PT?

    Dois pontos dessas apurações causam estranheza entre os quadros da FAB. Um deles é exatamente este: não aparecem procedimentos envolvendo filiações a outros partidos.

    A jornalista informa: outra questão é o momento em que a investigação está sendo feita. Algumas das filiações que passaram a ser questionadas estão ativas há mais de 15 anos. Por que só agora?

    Jaques Wagner diz que "é uma oportunidade para o Ministério da Defesa esclarecer e afastar qualquer indício de que as Forças Armadas estejam atuando sob orientação política e ideológica, mas sim, orientados pela Constituição”.

    Se ninguém fizer nada, poderão perseguir militares como fizeram a partir de 64. Não com cassações, mas com represálias que podem comprometer as carreiras de muita gente.

    Há nas Forças Armadas mais gente progressista do que a direita e o fascismo gostariam que existisse.

    São contingentes que precisam ser protegidos, mas não só por pedidos de explicação de senadores do PT.

    As instituições precisam se mexer, para que o país saiba o que as corregedorias estão fazendo para punir militares considerados de esquerda.

    • política
      Chefe da Guarda de Gravataí não pode ser ’segurança’ de pub que deveria fiscalizar
      por Rafael Martinelli
    • política
      Dr. Levi vai doar meio milhão em alimentos com seu salário de vice-prefeito de Gravataí; O bom e o ruim
      por Rafael Martinelli
    • política
      Fernando Deadpool age como um Boca Aberta de Gravataí; Um vereador a cliques da perda do mandato
      por Rafael Martinelli
    • política
      Caso Miki: emergência para lixo nas ruas de Cachoeirinha; O povo é sempre a primeira vítima
      por Rafael Martinelli
    • política
      Viagens de ex-vereadores de Gravataí deixam R$ 150 mil para família do falecido Nadir pagar; A conta do ’CâmaraTur’
      por Rafael Martinelli
    • política
      10 anos do golpeachment: a politicagem e o dinheiro me cassaram, diz Rita, a ’Dilma de Gravataí’
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens Guilherme Klamt
    • política
      Onde Bolsonaro não pode entrar em Gravataí a partir desta segunda; O ’passaporte vacinal’
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Rodrigo Becker | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.