notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 16/01/2022

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    jeane bordignon

    Vacinada e consciente!

    por Jeane Bordignon | Publicada em 05/10/2021 às 18h16

    Tomei a segunda dose da vacina contra o coronavírus! Que alegria!

    Significa que posso retomar a vida “normal”?

    Claro que não!!!

    A vacina não impede o contágio. Ela “treina” o organismo para se defender do vírus. Diminui as chances de contrair, e caso aconteça, a infecção é mais leve, porque o sistema imunológico já tem os anticorpos necessários.

    Mas se mesmo vacinado a gente pega o vírus, por que tomar a agulhada? Porque Covid mata! E as variantes são muito mais transmissíveis. Porque você pode ter poucos sintomas mesmo sem vacina, mas seu familiar idoso ou com comorbidades pode perder a vida em poucos dias.

    E mesmo com as duas doses, tem que continuar com todos os cuidados: máscara, álcool em gel e distanciamento! Vou repetir: a vacina não impede o contágio. Além disso, tem pessoas que ainda não puderam se vacinar.

    Não é porque tenho saúde que vou ser egoísta, sair pra bater perna na rua e trazer o vírus para meus pais idosos (que só vão tomar a dose de reforço depois de 22 de outubro) ou para meu sobrinho de 10 meses, que ainda não tem previsão de receber vacina. O sobrinho mais velho (15 anos) já tomou a primeira dose, o que nos deixa um pouquinho mais aliviados, mas ainda não tranquilos.

    Enquanto o vírus estiver circulando por aí, tranquilidade é utopia.

    A vacina não dá imunidade ao vírus, o que ela fornece é maior resistência, para que caso pegarmos a doença, tenhamos ela sem gravidade. É assim que a maioria das vacinas funciona. Tomei todas aquelas que uma criança deve tomar, e tive sarampo, caxumba e coqueluche. Mas foram formas brandas das doenças, sem nenhuma complicação.

    Lembro que no sarampo tive bastante febre. Minha mãe trocava meu pijama várias vezes ao dia, de tanto que eu suava. Mas com um simples antitérmico e muito líquido, fiquei boa logo. O que mais me deixou chateada foi ter perdido a festa junina da escola.

    Sabiam que sem a vacina, o sarampo pode ser fatal? Então as vacinas fazem diferença, sim.

    A intenção da vacina também é que possamos criar a imunidade de rebanho para proteger aqueles que não podem se vacinar por alguma questão de saúde. O sarampo tinha sido eliminado no Brasil em 2016. Mas, devido a mitos sobre as vacinas, o vírus voltou a circular, e hoje temos crianças morrendo de uma doença que havia sido erradicada. No mínimo, é um retrocesso.

    No caso da Covid, é cedo para falar em imunidade de rebanho, porque a gente ainda nem sabe direito como funciona, visto tantas notícias de reinfecção. E de pessoas morrendo mesmo tendo tomado as duas doses. Ainda estamos entendendo esse pesadelo chamado coronavírus.

    E entendo que está todo mundo ansioso para sair, passear, ver os amigos. Claro que também estou! Mas não dá para ser inconsequente. Há poucos dias uma amiga aqui de perto enterrou o pai. Umas semanas antes, havia enterrado o irmão, que também era amigo de escola dos meus primos. A pandemia não acabou!

    Tenho muita saudade dos saraus presenciais, de passear na Redenção, na Casa de Cultura Mario Quintana, nos museus do centro de Porto Alegre… mas mais saudade ainda tenho da querida amiga Léris, que nunca mais vou reencontrar nos saraus. E quanta saudade minha cunhada e a irmã têm da mãe delas?

    Realmente não consigo entender quem se aglomera como se não existisse mais coronavírus. Quem consegue esquecer que mais de 500 mil brasileiros morreram de Covid. É no mínimo falta de humanidade.

    A gente tem, sim, que celebrar a vida. Mas com todos os cuidados e protocolos.

    Celebrar a vida com cuidado, para não chorar mais mortes depois.

    Já perdemos gente demais.

    Os hospitais continuam cheios. Não estão mais superlotados como no pico da pandemia, mas nosso sistema de saúde ainda corre contra o tempo.

    Na verdade, essa pandemia deveria nos ensinar a pensar mais no próximo e no que realmente importa na vida. Porque quanto um vírus te ataca, o que faz mais diferença não é quanto você tem no bolso, mas quanto você tem de defesas no corpo.

    E como a gente “aumenta a conta” do organismo? Boa alimentação, atividade, descanso. Não estou falando de comidas “fit” nem de academia, mas de comer frutas e legumes, e caminhar mais. Não estou falando de dormir até o meio dia, mas de não trocar o sono por mais um episódio da série (nisso eu mesma peco). Se a gente puder fazer escolhas melhores, temos que fazer para cuidar da saúde.

    Mas eu disse “se a gente puder”, porque vivemos uma tempos calamitosos no país, onde pessoas disputam ossos de boi. Refugo de açougue que antes ia para o lixo. Quando comida no prato vira artigo de luxo, não se tem escolha. Se você pode optar por alimentos mais saudáveis, você é um privilegiado.

    Ah, e se você tem várias máscaras bonitinhas e de tecido bom para revezar, é um privilegiado também. Qual a desculpa para não usar?

    Continuamos em uma pandemia.

    Usem álcool em gel.

    Mantenham distanciamento.

    Não aglomerem.

    Usem máscara (com o nariz e a boca dentro dela!).

    Fiquem vivos!

    • coronavírus
      Por que a GM de Gravataí pode parar em 2022; Perdas na pandemia somaram 50 milhões
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Os números da explosão da covid em Gravataí revelam uma boa notícia; A salvação em 0,5 mL
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens Guilherme Klamt
    • política
      Advogado de Miki explica vídeo onde vereador o flagra com covid e sem máscara na rua; É Cachoeirinha 40 Graus e subindo
      por Rafael Martinelli
    • política
      Cachoeirinha 40 Graus: Advogado flagra reunião e denuncia conspiração: ’Querem cassar Miki e Maurício’; O que faziam juntos vereador-juiz da cassação e candidato derrotado à Prefeitura
      por Rafael Martinelli
    • política
      Miki tem contas invadidas; O que fizeram os hackers em nome do prefeito afastado de Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    • política
      Quem vai comandar novo partido de Bolsonaro em Gravataí; ’Polarização será com Lula, Moro não é adversário’
      por Rafael Martinelli
    • bem-estar animal
      Guarda municipal de Gravataí investigado por matar cão com tiro; Dossiê na Corregedoria, Polícia e MP tem vídeos, áudios e prints
      por Rafael Martinelli
    • política
      Ex-candidato a prefeito de Gravataí deixa partido de Bolsonaro; quem ele apoia em 2022
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Gravataí e Cachoeirinha com transmissão comunitária da ômicron; É motivo para pânico? A ’ideologia da ciência’ responde
      por Rafael Martinelli
    • política
      Começa cassação do prefeito de Cachoeirinha: ’Sérgio Moro de Miki’ é do PT; os Grandes Lances dos Piores Momentos e o que pode anular o processo
      por Rafael Martinelli
    • política
      Legado de Sônia: Alan vai coordenar campanha de Patrícia e Marco Alba; A ’jóia’ não vai para o secretariado de Zaffa
      por Rafael Martinelli
    • política
      Um ano de governo, 1h com Zaffa: balanço e perspectivas; Covid, Rio, investimentos, Zaffari, pauta-bomba da Sogil e outras polêmicas
      por Rafael Martinelli e Roberto Gomes de Gomes | Edição de imagens Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Rodrigo Becker | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.