notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 19/10/2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    Novelão Sogal

    Chegou a vez da empresa ceder para ter ajuda e, se não fizer, proposta de compra de passagens pode ser retirada da mesa. Foto: Pablo Reis/PMC

    CANOAS | Porque Sogal resiste ao acordo: a ação milionária e a ’invertida’ na pressão

    por Rodrigo Becker, com informações do Escritório de Comunicação | Publicada em 23/09/2021 às 22h19

    Termina à tarde o prazo para que empresa dê o seu 'ok' formal ao acordo que prevê ainda a licitação do seletivos em troca da compra de R$ 3,6 milhões em passagens


    A pressão, agora, se inverteu. Se antes rodoviários com salários atrasados colocavam em xeque a paciência de passageiros e testavam a determinação do governo sobre o socorro à Sogal, agora os próprios funcionários é que devem pressionar os patrões pelo 'sim' ao Termo de Composião proposto pelo governo nesta quinta-feira, 23, e que o blog antecipou na terça, no post O ’plano-bombeiro’ de JJ: Prefeitura oferece ajuda à Sogal, mas quer licitar seletivos e por fim à alção milionária. Em nova rodada de negociação, Sogal e Sindicato dos Rodoviários não bateram o martelo sobre o pacto e saíram de lá com um ultimado do prefeito Jairo Jorge: 24h para dar o 'ok' por escrito - ou a proposta de nova compra de passagens será retirada da mesa.

    Em outras palavras, agora é a vez da Sogal ceder.

    Sem o socorro de R$ 3,6 milhões, companhia de ônibus não tem como por salários em dia, nem garante que só com a arrecadação das roletas tenha condições de quitar suas obrigações até o final do ano. Trocando em miúdos, depende da ajuda do governo para manter a operação do transporte sem por a mobilidade no município em colapso.

     

    LEIA TAMBÉM

    CANOAS | Como vai ser a vacinação para os 16+ nesta sexta-feira

    CANOAS | Com 7 em cada 10 canoenses vacinados, ocupação das UTIs é a menor do ano - só não dá para bobear

     

    O blog apurou que a empresa resiste especialmente à exigência do governo para que desista de ações milionárias que move contra o município. Em dezembro de 2017, a Sogal cobrava de Canoas o equivalente a R$ 26 milhões a título de desequilíbrio financeiro do contrato assinado em 2008, no final do governo Marcos Ronchetti. A ação foi usada como argumento em dezembro de 2019 quando o contrato foi prorrogado mais uma vez, até final de 2023, em uma barulhenta e inesquecível sessão na Câmara de Vereadores.

    A empresa não fala publicamente sobre o assunto, mas estaria disposta a entregar a concessão dos seletivos se puder manter a primazia sobre o pleito judicial. O blog já classificou esta ação como uma 'poupança' para quando a concessão for encerrada, mas não vê justiça em indenizar a empresa quando há anos o transporte coletivo em Canoas está longe de apresentar qualidade. 

    De parte do sindicato, o presidente da entidade, Marcelo Nunes, já disse que a categoria vê com bons olhos o acordo. "Para nós, o importante é que haja condições de recebermos em dia. Com os repasses, isso está garantido", avalia. Ele também precisa assinar o Termo de Composição que, com todas as partes acordadas, será enviado ao Ministério Público para o acerto de um Termo de Ajustamento de Conduta - TAC, que é o documento em que partes de um inquérito ou ação civil pública se comprometem em fazer algo para superar o litígio. O debate sobre o transporte coletivo está sendo liderado pela promotora Dra. Débora Rezende Cardoso, que já comandou três audiências entre as partes.

    “Tenho o compromisso de fazer uma nova licitação para mais empresas até 2023, quando se encerra o contrato atual, firmado em 2008 e renovado em 2019, pela gestão anterior", disse o prefeito Jairo Jorge por meio de sua assessoria, nesta quinta, 23. "Quando assumi em 1º de janeiro, os rodoviários estavam em greve. Desde lá procurarmos mediar os conflitos e melhorar o transporte coletivo na cidade."

    Agora é a hora da Sogal fazer a sua parte.

     

    O acordo

    No Termo de Compromisso, o governo propôs a compra antecipada de passagens para uso em um novo programa social de combate ao desemprego e retomada do desenvolvimento, que irá beneficiar 10 mil moradores de Canoas. Através delem serão adquiridas 768.750 passagens - um investimento total de R$ 3.690.000,00.

    O pagamento será realizado em cinco parcelas:

    - R$ 1.530.000,00 até 30/09/2021
    - R$ 450.000,00 até o 5º dia útil de outubro
    - R$ 450.000,00 até o 5º dia útil de novembro
    - R$ 450.000,00 até o 5º dia útil de dezembro
    - R$ 810.000,00 até o 5º dia útil de janeiro de 2022.

    Em contrapartida, a empresa Sogal deverá:

    - Desistir da concessão do transporte seletivo - as linhas amarelinhas - sem receber qualquer tipo de indenização e utilizar os 14 veículos usados nesta modalidade no transporte convencional, a fim de aumentar a frota em circulação. A medida é crucial para que a Prefeitura possa, em até 90 dias, abrir licitação para outra empresa operar o sistema seletivo e romper o monopólio dos ônibus na cidade.

    - Melhorar imediatamente a qualidade do serviço prestado com retorno da frota ao patamar anterior à pandemia.

    - Adotar o modelo de cogestão por meio de uma Junta Administrativa e Financeira, para que a Prefeitura possa monitorar os custos e pagamentos da empresa.

    - Desistir das ações judiciais da empresa contra o Município.

    A proposta da Administração Municipal também prevê a contratação de outro sistema de bilhetagem, a fim de gerar mais competitividade e economia ao usuário.

    A Prefeitura ainda lançará o Programa de Financiamento das Gratuidades, em que vai subsidiar e regular as passagens para idosos de 60 a 64 anos, pessoas portadoras de necessidades especiais e estudantes. Será criada uma comissão para avaliar situações pontuais sem prejudicar as pessoas que tiverem mais necessidade.


     

    • política
      Chefe da Guarda de Gravataí não pode ser ’segurança’ de pub que deveria fiscalizar
      por Rafael Martinelli
    • política
      Dr. Levi vai doar meio milhão em alimentos com seu salário de vice-prefeito de Gravataí; O bom e o ruim
      por Rafael Martinelli
    • política
      Fernando Deadpool age como um Boca Aberta de Gravataí; Um vereador a cliques da perda do mandato
      por Rafael Martinelli
    • política
      Caso Miki: emergência para lixo nas ruas de Cachoeirinha; O povo é sempre a primeira vítima
      por Rafael Martinelli
    • política
      Viagens de ex-vereadores de Gravataí deixam R$ 150 mil para família do falecido Nadir pagar; A conta do ’CâmaraTur’
      por Rafael Martinelli
    • política
      10 anos do golpeachment: a politicagem e o dinheiro me cassaram, diz Rita, a ’Dilma de Gravataí’
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens Guilherme Klamt
    • política
      Onde Bolsonaro não pode entrar em Gravataí a partir desta segunda; O ’passaporte vacinal’
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Rodrigo Becker | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.