notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 19/10/2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    Transporte

    Plano apresentado por JJ hoje ainda precisa do ok formal da empresa e do sindicato para ser levado a efeito. Foto: Arquivo Seguinte

    CANOAS | O ’plano-bombeiro’ de JJ: Prefeitura oferece ajuda à Sogal, mas quer licitar seletivos e por fim à ação milionária

    por Rodrigo Becker | Publicada em 21/09/2021 às 15h31| Atualizada em 21/09/2021 às 17h41

    Plano pode dar a dianteira ao governo na tentativa de abrir licitação para o transporte na cidade, quebrando indiretamente o monopólio da Sogal em Canoas


    Oficialmente, o governo só vai falar sobre o plano para o transporte entre a quarta e a quinta-feira, 23, depois que Sogal e o Sindicato dos Rodoviários derem o aceite formal às medidas. Os principais pontos da ideia, no entanto, o blog antecipa aqui - primeiro com a informação e, em seguinda, o comentário.

     

    1.
    Licitação dos Amarelinhos e novo subsídio

    O primeiro ponto do plano é, na verdade, uma exigência: a de a Sogal devolva a concessão que detém sobre o transporte seletivo - os Amarelinhos. A prefeitura faria, então, uma licitação até o final de 2021, abrindo, quem sabe, a possibilidade de mais de uma empresa explorar o serviço. 

    A medida serviria como uma espécie de 'quebra' indireta do monopólio da Sogal, oferecendo mais opção aos moradores da cidade, embora a empresa ainda ficasse responsável pelo meio mais barato, que é o transporte coletivo.

    Em troca, a Prefeitura faria uma nova compra de passagens no valor de R$ 3,6 milhões pagos em parcelas de setembro a janeiro. As passagens devem ser usadas para alimentar um novo programa de auxílio a moradores do município. O formato e o período do programa ainda não foram divulgados.


    2.
    Gratuidades

    A Prefeitura ainda propõe o pagamento das gratuidades - os idosos entre 60 e 65 anos, deficientes e acompanhantes. O plano é limitar a 20 o número de passagens para que não seja preciso eliminar o benefício. Em caso de necessidade comprovada de mais passagens, a Prefeitura faria uma análise caso a caso.

     

    3.
    Ação milionária

    A Sogal também teria que desistir de um processo aberto em 2017 que cobra R$ 26 milhões da Prefeitura a título de 'desequilíbrio financeiro'. O valor, que ainda pode ser corrigido, é referente ao contrato encerrado em dezembro de 2018 e esteve entre as razões para que o Ministério Público recomendasse a ampliação do contrato naquele fatídico dia de dezembro em que os rodoviários pararam a cidade para pressionar pelo 'sim' dos vereadores à prorrogação na Câmara.


    4. 
    Junta e bilhetagem eletrônica

    A prefeitura ainda quer um 'ok' formal da empresa para contratação de um novo serviço de bilhetagem eletrônica e a manutenção da Junta Governativa junto à gestão da empresa.


    Comento.

    Jairo Jorge foi bombeiro: o plano do prefeito é um 'apaga o incêndio' vivido pela Sogal há mais de um ano - mas se mostra capaz de manter o transporte funcionando, os salários voltarão a ficar em dia e a operação pára em pé até a licitação definitiva, em 2023. 

    De quebra, a Prefeitura ainda se livraria do risco que representa a ação indenizatória que a Sogal move contra o município e que é uma espécie de 'poupança de ouro' dos acionistas da empresa para quando a concessão for encerrada. Seria cômico não fosse trágico os canoenses terem que indenizar a concessionária depois de anos amargando um transporte de baixa qualidade e que, vez ou outra, não vem.

    Jairo ainda traz à baila o tema das gratuidades/subsídios, tão questionados publicamente, mas que farão parte do diálogo sobre transporte daqui para frente com maior frequência. Sem torcida nem secação, transporte custeado apenas pela tarifa é impraticável em qualquer lugar do mundo - mas só no Brasil é que se insiste em negar isso.

    O respeito ao bolso dos contribuintes, nesse caso, é um serviço que funcione. O socorro do governo ao transporte não deve ser visto como um beneplácito à Sogal, mas apesar dela, para que essa fase passe o mais breve possível.

    Chega logo 2023.


     

    • política
      Chefe da Guarda de Gravataí não pode ser ’segurança’ de pub que deveria fiscalizar
      por Rafael Martinelli
    • política
      Dr. Levi vai doar meio milhão em alimentos com seu salário de vice-prefeito de Gravataí; O bom e o ruim
      por Rafael Martinelli
    • política
      Fernando Deadpool age como um Boca Aberta de Gravataí; Um vereador a cliques da perda do mandato
      por Rafael Martinelli
    • política
      Caso Miki: emergência para lixo nas ruas de Cachoeirinha; O povo é sempre a primeira vítima
      por Rafael Martinelli
    • política
      Viagens de ex-vereadores de Gravataí deixam R$ 150 mil para família do falecido Nadir pagar; A conta do ’CâmaraTur’
      por Rafael Martinelli
    • política
      10 anos do golpeachment: a politicagem e o dinheiro me cassaram, diz Rita, a ’Dilma de Gravataí’
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens Guilherme Klamt
    • política
      Onde Bolsonaro não pode entrar em Gravataí a partir desta segunda; O ’passaporte vacinal’
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Rodrigo Becker | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.