notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 22/06/2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    crise do coronavírus

    Brasil encerrou março com 321.886 vidas perdidas em um ano de pandemia | FOTOS PÚBLICAS

    Março de Gravataí teve 4 a cada 10 mortes de 1 ano de pandemia; Última vítima tinha 14 anos

    por Rafael Martinelli | Publicada em 01/04/2021 às 18h26| Atualizada em 11/04/2021 às 14h43

    O pior mês da pandemia em Gravataí encerrou com o assustador número de 4 a cada 10 vidas perdidas em um ano de pandemia. Março registrou 196 mortes das 529 contabilizadas até a quarta-feira, 31. O número de infectados identificados chega a 18.333, ou 6,5% dos 281 mil habitantes. A dimensão da tragédia tratei em Caíram aviões em Gravataí: 500 vidas perdidas até fim da semana; São 2 Airbus, duas boates Kiss e Os números de Zaffa estão certos: Gravataí tem menor média de mortes na Grande Porto Alegre; A oposição e o marxismo atualizado

    O número de internações caiu, mas, mesmo triplicando a capacidade de leitos hospitalares, a rede municipal pública e privada segue em um platô de estabilidade nas alturas do Morro Itacolomi, como já tratei em artigos como Internações caem em Gravataí: ’Mesmo no colapso, ninguém ficou sem atendimento’; Secretário fala sobre leitos, bandeira preta, variante e vacinas e Sem risco de morte: Santa Casa não permite nebulização por cloroquina em Gravataí; Chefe do Becker confirma redução de internaçõesTragédia da Grande Porto Alegre ’deu no New York Times’, Alices; Não chame o síndico! Em vídeo a tragédia da COVID nas UTIs da Grande Porto Alegre; Agonia para ricos - e pobres.

    Se nos primeiros 15 dias do mês, quando foram registrados 113 óbitos, a superlotação atingiu 500%, com até 35 pacientes esperando por leitos e UTIs, nos últimos 15 dias caiu para 10, mas a lotação segue em 100% no Hospital de Campanha, Dom João Becker/Santa Casa, PAM 24 Horas, UPAs da 74 e 020, além dos postos de saúde.

    Com a superlotação e pacientes atendidos em cadeiras, macas ou no chão, aumentam as chances de morte, no início do mês em uma proporção de 7 a cada 10 que precisam de UTI, como revelou o superintendente da Santa Casa de Gravataí, Antônio Weston, em 7 a cada 10 morrem na UTI: ’É preciso reduzir ao máximo a circulação das pessoas nos próximos dias’, diz superintendente do Hospital Dom João Becker.

    – No começo, o Rio Grande do Sul estava muito melhor, mas degringolou rápido de outubro em diante. O erro é técnico, mas motivado por razões políticas: não praticar o isolamento e insistir para reabrir mesmo com cenário epidemiológico desfavorável. Os números estão assim pela nova variante, porque teve muita aglomeração no verão, o que infelizmente continua, pela pressão por flexibilização das medidas, porque o uso de máscara ainda não é universal e porque ainda tem gente que acredita que tomar ivermectina e cloroquina protege – avaliou o epidemiologista Pedro Hallal, professor na Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e integrante do Comitê Científico do Piratini, à reportagem RS ultrapassa 20 mil mortes por coronavírus subindo da 14ª para oitava pior mortalidade do Brasil em duas semanas, de GZH.

    Sobre a polêmica do ‘kit covid’, já tratei em artigos como ’Kit covid’: O risco da incompreensão do ’tratamento precoce’ em Gravataí e Vereador de Gravataí luta pela vida: colega ’medicou-o’; Parem com curandeirismo, por favor!.

    – Relaxamos as medidas de distanciamento. A cepa P1 também tem, definitivamente, um papel. Mas há um impacto das disputas entre prefeitos e governador para ter cogestão. Quando a população vê sinais trocados, é um convite à não adesão de medidas de distanciamento. Sem contar que a vacina passa uma falsa sensação de proteção, porque só estaremos protegidos quando o Estado tiver 80% de pessoas vacinadas – avaliou o médico epidemiologista Ricardo Kuchenbecker, gerente de risco do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), na mesma reportagem.

    – Ao mesmo tempo em que o Rio Grande do Sul serviu de modelo quanto ao protocolo de bandeiras, temos um gestor municipal e um estadual que não se entendem. Essa dificuldade contribui sobremaneira para o aumento no número de casos porque não adianta ter uma orientação diferente da que o Estado orienta – acrescenta o médico infectologista André Luiz Machado da Silva, que atua na linha de frente do tratamento de pacientes infectados no Hospital Conceição.

    Conforme a reportagem, as maiores vítimas são idosos de 70 a 79 anos, mas, em meio à retomada das atividades e o crescimento das infecções pela cepa P1, hospitais registram um aumento na internação de pacientes jovens e saudáveis, grávidas e, inclusive, crianças.

    – Deixamos a situação descontrolar, demorou para tomarmos medidas. A P1 chegou aqui um pouco antes do que em outros Estados. Estamos mais adiantados na curva (da pandemia). Os outros Estados, ao verem o exemplo do Rio Grande do Sul, tomaram medidas mais precocemente. Além disso, infelizmente aqui surgiu um movimento contra medidas simples, como máscara e distanciamento – analisou a médica Lucia Pellanda, professora de Epidemiologia na Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) e membro do Comitê Científico do Palácio Piratini, à GZH.

    No podcast do El País Miguel Nicolelis: “Estamos a poucas semanas de um ponto de não retorno na crise da covid-19”, o neurocientista e professor catedrático da universidade Duke (EUA), cujas previsões tratei terça em Pessoas vão morrer da COVID em calçadas de Gravataí?; No container, 9 corpos, projeta marcas de mais de 4.000 e até 5.000 mortes diárias em breve e um total de 500.000 vítimas em julho. Ontem, Brasil bateu um novo recorde, com 3.869 mortes, chegando a 321.886 vidas perdidas e 12.753.258 infectados.

    O cientista está especialmente preocupado com a possibilidade um colapso funerário no país, caso o chamado a um lockdown nacional, com bloqueios de circulação não essencial em aeroportos e estradas, não seja atendido.

    – Se o colapso funerário se instalar neste país, começaremos a ver corpos sendo abandonados pelas ruas, em espaços abertos. Teremos que usar o recurso terrível de usar valas comuns para enterrar centenas de pessoas simultaneamente, sem urnas funerárias, só em saco plásticos, o que vai acelerar o processo de contaminação do solo, do lençol freático, dos alimentos, e com isso gerar uma série de outras epidemias bacterianas gravíssimas.

    Ao fim, estamos em guerra. É a realidade, apesar de no Grande Tribunal das Redes Sociais tantos acusarem-se de fazer terrorismo e até me ameaçarem de agressão física.

    As vidas perdidas tem rosto e são cada vez mais conhecidos. No último dia de março, um adolescente de 14 anos perdeu a vida em Gravataí. Há tragédia maior?

     

    LEIA TAMBÉM

    Gravataí não vai abrir comércio no fim de semana: ’Quero manter situação sob controle’, diz Zaffa; Em Porto Alegre, liberou geral

    Gravataí e Cachoeirinha: comércio pode reabrir segunda; As mensagens da diarista que se foi

    Não seria hora de um lockdown de verdade, de indústria, supers e ônibus em Gravataí e Cachoeirinha?; O exemplo que funcionou

    6 meses para ’vacina municipal’: no conta gotas atual, 2 anos para imunizar Gravataí e Cachoeirinha

    • negócios
      Com ’milhares de empregos’, Lojas Americanas projeta ampliação de centro de distribuição em Gravataí
      por Redação
    • emprego
      A GM de Gravataí está contratando; Saiba como se cadastrar
      por Redação
    • saúde
      Parceria Zaffa & Marco Alba confirma ampliação da UTI de Gravataí: Prefeitura banca metade do investimento no Becker; O acerto Santa Casa
      por Rafael Martinelli | Assessoria
    • operação proximidade
      Cachoeirinha: O que intriga no ’caso SKM’ que agora apreendeu dinheiro do prefeito e de empresários
      por Rafael Martinelli
    • pedagiaço
      A Gravataí que não engole pedágio: ’Depois de 14 anos pagando a duplicação ninguém merece’; O país do faturo
      por Rafael Martinelli
    • negócios
      Os milhões que Gravataí já perdeu com a GM parada; Aguente firme, Dominic!
      por Rafael Martinelli
    • política
      Ação judicial pede anulação da Reforma da Previdência de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • pedagiaço
      Gravataí dos 3 pedágios: Leite confirma cobrança na 118 e 020 em Gravataí; Não era ’fake news’
      por Rafael Martinelli
    • política
      Vereadores querem mexer com 276 mil cada por ano; Cachoeirinha e o pior do Brasil
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      A ’despiora’ da COVID: platô é de 3 vidas perdidas por dia em Gravataí; São mortes com rosto, como os Denicol ou a profe Maura
      por Rafael Martinelli
    • ppp da corsan
      Falta de água e esgoto em Gravataí: Corsan anuncia meio bilhão e reservatório nas Moradas; Grito de Zaffa deu resultado
      por Rafael Martinelli | Assessoria
    • política
      O gravataiense que come a la minuta com Bolsonaro em Brasília
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Rodrigo Becker | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.