notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 19/10/2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    crise do coronavírus

    Gravataí e Cachoeirinha: Justiça mantém bandeira preta e suspende poder de prefeitos; Por favor não saque a arma no saloon

    por Rafael Martinelli | Publicada em 20/03/2021 às 09h55| Atualizada em 29/03/2021 às 11h37

    A cogestão está suspensa e a bandeira preta mantida em Gravataí, Cachoeirinha e todo Rio Grande do Sul por decisão de Eugênio Couto Terra, da 10ª Vara da Fazenda Pública do Foro Central de Porto Alegre, no final da noite desta sexta-feira.

    Reputo irrepreensível o despacho porque o juiz negou o pedido de lockdown de 14 dias, para não substituir o poder do governador, mas simplesmente pediu que Eduardo Leite apresente indicadores que permitam a flexibilização em um cenário de caos hospitalar.

    A decisão mantém as regras atuais e proíbe a liberação de atividades no comércio, nos restaurantes e em outras funções, como salões de beleza, anunciadas ontem em live. A Procuradoria Geral do Estado tem 72h para prestar informações que justifiquem uma reabertura de atividades.

    A ação civil pública foi impetrada por vários sindicatos do Estado, como o Cpers-Sindicato, que representa os professores das escolas estaduais, o Sindicato dos Municipários (Simpa), o Sindisaúde, que representa os profissionais de saúde, e centrais sindicais, como a CUT e a Intersindical.

    Além dos dados que mostram a superlotação de leitos e UTIs, os autores da ação usaram como base audiência pública da Comissão de Saúde e Meio Ambiente da Assembleia Legislativa onde gestores presentes – incluindo a Santa Casa – unanimemente alertaram que há muita preocupação, pois “o risco de falta de medicamentos e de oxigênio alarma dirigentes de hospitais do Rio Grande do Sul”.

    O juiz observa que “pela natureza da demanda, é caso de colher informações preliminares ao Governo do Estado para subsidiar uma melhor análise do pedido liminar”, mas “é pública e notória a situação de caos nas redes pública e privada de saúde do nosso Estado, que se encontram sem condições de assegurar um atendimento minimamente adequado à população, seja em relação aos enfermos pela COVID-19, assim como por qualquer outra enfermidade que reclame tratamento hospitalar com brevidade, sob risco de dano à saúde do paciente”.

    O juiz cita dados da sexta que mostram que 239 pessoas aguardam por leito de UTI apenas em Porto Alegre, que se encontra com 114,12% de lotação dos seus leitos de UTI, e, segundo o monitoramento de ocupação de leitos públicos e privados de UTI do Governo do Estado, neste momento, existem no RS 3.606 pacientes internados, mesmo existindo apenas 3.261 leitos de UTI, “ou seja, a taxa de ocupação está em 110,57%”.

    Entende o juiz que na live em que explicou o novo modelo de cogestão, na noite desta sexta, o próprio governador reconheceu que o momento é muito crítico, com risco alto de transmissão do vírus e muita dificuldade no setor hospitalar e relatou que visitou vários hospitais e todos profissionais da área da saúde e dirigentes dos hospitais entendem que manter as restrições de circulação são essenciais e importantes.

    O juiz observa que Leite admitiu, ainda, que do ponto de vista estritamente sanitário, estão os profissionais da área da saúde com toda a razão. Mas, que do ponto de vista da economia, não do grande empresariado, mas da economia das famílias, que já estão exauridas em suas condições de sobrevivência impõe-se o retorno à cogestão com os municípios, para que as prefeituras, em conjunto, atendendo as suas peculiaridades regionais, estabeleçam flexibilizações que sejam menos restritivas do que as estabelecidas na bandeira preta estadual.

    – Ocorre que é sabido, como se vê todos os dias nos meios de comunicação, inúmeros municípios, onde os prefeitos querem privilegiar a economia em detrimento das medidas sanitárias preventivas para a contenção da disseminação do vírus, há grande tolerância com o descumprimento dos protocolos mínimos de prevenção. Negar esta realidade, é fazer de conta que tal não acontece – alertou o juiz, acrescentando:

    – O momento, como dizem todas as autoridades médicas, gestores de hospitalares, infectologistas, sanitaristas e cientistas que estudam e trabalham com a pandemia, exige total foco no combate à disseminação viral. Só assim haverá a diminuição da contaminação e a cessação das mutações do vírus, circunstância que só agrava o quadro de adoecimento da população. Além de ser a única forma de dar alguma condição do sistema de saúde ganhar um fôlego para atender o número de doentes graves que só aumenta.

    – A manutenção das restrições severas de circulação, é o único meio de obter-se uma melhora sanitária de caráter mais geral – decide.

    CLIQUE AQUI para ver a decisão na íntegra.

    A argumentação é a mesma que usei nesta sexta no artigo Gravataí e Cachoeirinha: comércio que reabre segunda também tem culpa na COVID; Freud explica.

    – Convençam do contrário a mim e aos 71% que, conforme o Datafolha, já defendem um lockdown de verdade para evitar que pessoas queridas morram sufocadas em casa, em ambulâncias ou em cadeiras esperando leitos de UTI – escrevi na tarde de ontem.

    É o que pede o juiz Eugênio Couto Terra, da 10ª Vara da Fazenda Pública do Foro Central de Porto Alegre.

    As palavras a seguir são dele, não minhas:

    – É falso o dilema de que fazer a economia ter uma retomada é o melhor caminho. As pessoas só conseguem sobrevir com um mínimo de dignidade se estiverem vivas ou sem estarem adoecidas e sem condições de trabalhar. Na verdade, a existência de segurança sanitária é que permitirá que os cidadãos refaçam suas vidas, inclusive econômica.

    Ao fim, a ‘ideologia dos números’ é arrasadora e estes inimagináveis tempos são de guerra. Ninguém defende lockdown por gosto.

    Trecho da canção Apenas Um Rapaz Latino-americano, do Belchior, não sai de minha cabeça.

     

    Não me peça que eu lhe faça uma canção como se deve

    Correta, branca, suave, muito limpa, muito leve

    Sons, palavras, são navalhas

    E eu não posso cantar como convém

    Sem querer ferir ninguém

    Mas não se preocupe meu amigo

    Com os horrores que eu lhe digo

    Isso é somente uma canção

    A vida realmente é diferente

    Quer dizer

    Ao vivo é muito pior

    E eu sou apenas um rapaz latino-americano

    Sem dinheiro no banco

    Por favor não saque a arma no saloon

    Eu sou apenas o cantor

    Mas se depois de cantar

    Você ainda quiser me atirar

    Mate-me logo à tarde, às três

    Que à noite tenho um compromisso e não posso faltar

    Por causa de vocês

     

    LEIA TAMBÉM

    Morrer de COVID, não de fome: comércio reabrirá no pior mês da pandemia; Março terá metade das mortes de 1 ano

    Não seria hora de um lockdown de verdade, de indústria, supers e ônibus em Gravataí e Cachoeirinha?; O exemplo que funcionou

    6 meses para ’vacina municipal’: no conta gotas atual, 2 anos para imunizar Gravataí e Cachoeirinha

    Deu na Folha de S. Paulo: Gravataí entre 50 grandes cidades do país com explosão de mortes; ’Não dá para fingir normalidade’ 

    • política
      Chefe da Guarda de Gravataí não pode ser ’segurança’ de pub que deveria fiscalizar
      por Rafael Martinelli
    • política
      Dr. Levi vai doar meio milhão em alimentos com seu salário de vice-prefeito de Gravataí; O bom e o ruim
      por Rafael Martinelli
    • política
      Fernando Deadpool age como um Boca Aberta de Gravataí; Um vereador a cliques da perda do mandato
      por Rafael Martinelli
    • política
      Caso Miki: emergência para lixo nas ruas de Cachoeirinha; O povo é sempre a primeira vítima
      por Rafael Martinelli
    • política
      Viagens de ex-vereadores de Gravataí deixam R$ 150 mil para família do falecido Nadir pagar; A conta do ’CâmaraTur’
      por Rafael Martinelli
    • política
      10 anos do golpeachment: a politicagem e o dinheiro me cassaram, diz Rita, a ’Dilma de Gravataí’
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens Guilherme Klamt
    • política
      Onde Bolsonaro não pode entrar em Gravataí a partir desta segunda; O ’passaporte vacinal’
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Rodrigo Becker | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.