notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 28/07/2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    crise do coronavírus

    Laboratório de vacina | Foto AGÊNCIA BRASIL

    6 meses para ’vacina municipal’: no conta gotas atual, 2 anos para imunizar Gravataí e Cachoeirinha

    por Rafael Martinelli | Publicada em 15/03/2021 às 16h15| Atualizada em 29/03/2021 às 11h36

    Gravataí e Cachoeirinha assinaram virtualmente nesta segunda o Termo de Operação para a compra de vacinas contra a COVID-19, junto a outros 398 municípios associados ao Consórcio dos Municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre (Granpal), a Federação das Associações de Municípios do Estado (Famurs) e a Associação Gaúcha de Consórcios Públicos (Agconp).

    Quer dizer que teremos mais vacinas amanhã? Não. Dificilmente as teremos antes de 6 meses. A nossa realidade é a vacinação com doses que chegam a conta gotas distribuídas pelo governo federal.

    Explico.

    A redação do termo assinado hoje estabelece apenas um “processo de cooperação operacional, técnica e financeira, entre as entidades e os municípios, para a compra centralizada de vacinas”.

    – Feito isso, vamos ao mercado analisar a disponibilidade de doses, o valor e os prazos de entrega. Com essas informações, cada prefeito tomará a decisão mais adequada diante da realidade da sua comunidade – confirma o próprio presidente da Granpal, Rodrigo Battistella.

    Aí resta o problema: o mercado.

    O Butantan recebeu manifestação de interesse de compra de 3 milhões de doses da CoronaVac pelos municípios consorciados e informou que só conseguiria entregar as vacinas em setembro.

    Até lá, a produção do instituto está comprometida com o Plano Nacional de Imunização do Ministério da Saúde.

    Conforme o diretor do Butantan, Dimas Covas, os primeiros lotes do imunizante estão destinados ao governo federal, que comprou 100 milhões de doses.

    O instituto só tem capacidade de entregar doses antes de seis meses caso o Ministério da Saúde negocie com outros fornecedores de vacinas.

    Na realidade do dia de Gravataí e Cachoeirinha, o balanço da vacinação é de adoecer.

    Não por incompetência dos municípios, que tem aplicado em prazos razoáveis as poucas doses que recebem; e sim pela especialização na logística da incompetência com a qual o governo federal tem (des)tratado a negociação com fabricantes e laboratórios.

    Gravataí, com 71%, tem o melhor desempenho da região e está vacinando idosos com 77. Recebeu 19.632 até a última sexta e vacinou 9.196 com a primeira dose e 4.688 com a segunda, totalizando 13.889 imunizações.

    Cachoeirinha usou 58% das 9.384 vacinas recebidas. Foram 5.435 imunizações, sendo 4.591 com a primeira dose e 844 com a segunda. Está vacinando idosos com 78.

    Acontece que essas pouco mais de 20 mil doses aplicadas da CoronaVac e AstraZeneca não cobrem metade das 50 mil pessoas do grupo inicial de vacinação que inclui profissionais de saúde e idosos.

    A continuar o ritmo dos primeiros 56 dias, as cerca de 300 mil pessoas de Gravataí e Cachoeirinha inclusas nos critérios do Plano Nacional de Imunização demorariam mais de dois anos para receber imunização.

    Mais precisamente 869 dias.

    Ao fim, é uma boa notícia a assinatura do termo de hoje, já que demonstra o interesse dos municípios em comprar a vacina – única salvação das vidas e da economia, como reconheceu até Jair Bolsonaro, semana passada.

    Errado é ofertar aos desesperados a expectativa de conseguir logo ‘doses municipais’.

    O prazo do Butantan é de 6 meses.   

    Acertam nossos prefeitos Luiz Zaffalon e Miki Breier ao tratar o tema com muito cuidado, sem vender falsas esperanças.

    Até porque, além da falta de vacinas no mercado, são alguns os zeros após a vírgula necessários para comprar doses, como já tratei em Vacinas custariam 6 Pontes do Parque para Gravataí e Cachoeirinha; Parabéns, Bolsonaro!.

     

    LEIA TAMBÉM

    Zaffa pede socorro e pacientes com COVID são transferidos; O dia em que o Grupo Santa Casa ’chegou’ a Gravataí

    Deu na Folha de S. Paulo: Gravataí entre 50 grandes cidades do país com explosão de mortes; ’Não dá para fingir normalidade’

     

    Assista live de Miki hoje sobre vacinação

     

     

    LEIA TAMBÉM

    12.3.2021, dia do colapso na saúde de Gravataí: 500 por cento de ocupação de UTIs e leitos COVID; Enfiem o negacionismo no [email protected]&#!

    Não seria hora de um lockdown de verdade, de indústria, supers e ônibus em Gravataí e Cachoeirinha?; O exemplo que funcionou

    • política
      Miki escapa do golpeachment e projeta 80 milhões em obras; ’Faço auto-crítica, mas é preciso pensar em Cachoeirinha, não em eleição’
      por Rafael Martinelli
    • política
      Plano de 4,4 bi para ’Gravataí metrópole’ é aprovado; Oposição é ’fiscal da fome’
      por Rafael Martinelli
    • solidariedade
      Gravataí e Cachoeirinha se preparam para acolher no ’frio do século’; saiba como ajudar
      por Redação | Assessoria
    • política
      PPA de 4,4 bi: Gravataí será ’ilha de investimentos’ nos próximos 4 anos; votação é hoje
      por Rafael Martinelli
    • política
      Vereador mais votado de Gravataí foi machista; Apaga que dá tempo!
      por Rafael Martinelli
    • política
      Um ranking para Zaffa e Marco Alba comemorar em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • política
      Um candidato a Presidência da República não consegue consertar uma escola em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • política
      A Câmara de Gravataí anda muito mi-mi-mi; Ulysses se remexe no fundo do mar
      por Rafael Martinelli
    • justiça
      A partir de optometrista de Gravataí legalidade de atuação é reconhecida pelo TJ
      por Redação | Assessoria
    • coronavírus
      ’Festa da Covid’: Estado adia liberação gradual de eventos até 20 mil pessoas em Gravataí, Cachoeirinha e Grande Porto Alegre
      por Rafael Martinelli
    • política
      Justiça nega cassação de eleição de Miki; O ’Efeito Orloff’ das fake news que estão matando Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Rodrigo Becker | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.