notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 04/08/2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    crise do coronavírus

    Caps orienta sobre cuidados com a saúde mental durante a pandemia

    Centro de Atenção Psicossocial orienta sobre cuidados com a saúde mental durante a pandemia

    por Redação | Assessoria | Publicada em 18/03/2021 às 17h07

    O isolamento e até o medo da morte, efeitos da pandemia do coronavírus que estamos vivendo há um ano, tem feito com que as pessoas adoeçam, não só fisicamente, mas também emocionalmente. No início, os idosos que eram considerados como aqueles que corriam mais risco de perder a vida tiveram suas rotinas modificadas e o afastamento de seus familiares como uma triste realidade.

    Assim foi com Tereza Araújo, de 86 anos. A idosa, que mora sozinha, se viu recebendo alimentos e medicamentos por meio das suas grades do apartamento, de onde pelo lado de fora, a filha fazia toda a higienização. Mesmo já tendo tomado as duas doses da vacina contra a covid-19, a espera pelo fim deste tempo difícil é a sua única esperança para retomar o convívio com filhas, netos e bisnetos.

    – No final, a televisão é a única companhia que podemos ter, mas há um bombardeio só de notícia ruim. Ver a doença, as mortes e as pessoas perdendo quem amam acabam deixando a gente ainda mais deprimida e nervosa – lembra a idosa.

    Para pessoas que, assim como Tereza, estão sofrendo com o isolamento e a pandemia, o Centro de Atenção Psicossocial (Caps II) oferece atendimento para adultos a partir de 18 anos, sem dependência química.

    O público-alvo são pacientes com transtorno mental grave (egressos de internação psiquiátrica, psicóticos graves, pessoas com risco de auto e heteroagressão). Devido ao isolamento, a triagem e o acolhimento podem ser feitos on-line. Após esse primeiro contato com o paciente os encaminhamentos são feitos de acordo com a demanda. Dessa forma, eles podem seguir no Caps ou são orientados a procurar uma unidade de saúde de referência.

    A assistente social e coordenadora do Caps II, Alessandra Piá da Rosa, conta que, além dos idosos, há outro público que vem sentindo os efeitos dessa crise.

    – Os impactos das restrições estão se refletindo, em grande escala, nos profissionais de saúde e em adultos jovens. Mesmo em pessoas que nunca tinham apresentado nenhum sintoma relacionado a algum transtorno mental – afirmou.

    Ela ainda lista algumas suposições para esse público ter sido tão impactado: as alterações significativas na rotina, o longo período de distanciamento social, a redução de estímulos, perda de renda pela impossibilidade de trabalhar, falta de perspectiva e de respostas objetivas são algumas delas.


    Fique atento


    Em tempos como esse é comum o desenvolvimento de pensamentos negativos, medos e inseguranças.

    Por isso, a coordenadora do Caps orientou para que a população fique atenta às reações mais comuns que podem se agravar para um quadro de problema psicológico.

    São elas:

    1. O medo de ficar doente e morrer;

    2. Evitar procurar um serviço de saúde por receio de se contaminar;

    3. Preocupação com a obtenção de alimentos, remédios ou suprimentos pessoais;

    4. Medo de perder a fonte de renda, por não poder trabalhar, ou ser demitido;

    5. Alterações do sono, da concentração nas tarefas diárias, ou aparecimento de pensamentos intrusivos;

    6. Sentimentos de desesperança, tédio, solidão e depressão devido ao isolamento;

    7. Raiva, frustração ou irritabilidade pela perda de autonomia e liberdade pessoal.

    Alessandra lembra que é importante procurar um profissional qualificado quando o paciente notar que não está bem. Mas ela dá algumas dicas de como tentar melhorar o dia a dia.

    – Evite ficar o tempo todo com o celular e nas redes sociais. Movimente-se, leia um livro, escute música, aprenda uma receita nova, veja um filme, brinque com as crianças, cuide do jardim ou cultive alguma planta num cantinho do apartamento. Agora, mais do que nunca, ter um hobby é muito importante. Pode ser até ficar com seus animais de estimação – afirmou.

    Por vezes, a pessoa que está passando por esta dificuldade não percebe, por isso a família e os amigos são grandes aliados. Quando alguém próximo percebe que o medo, a irritação e tristeza estão impedindo alguém de se relacionar, raciocinar e dormir, ou se houver choro e irritabilidade na maior parte do seu dia, esse é o momento de buscar ajuda, orienta Alessandra.

    – Há profissionais e serviços disponíveis mesmo à distância. O telefone do Caps, para triagem e orientação é o 3600.7175. Estamos sempre disponíveis – confirmou.

     

    LEIA TAMBÉM

    Gravataiense está restrito em Portugal devido a pandemia

    Morrer de COVID, não de fome: comércio reabrirá no pior mês da pandemia; Março terá metade das mortes de 1 ano

    Não seria hora de um lockdown de verdade, de indústria, supers e ônibus em Gravataí e Cachoeirinha?; O exemplo que funcionou

    6 meses para ’vacina municipal’: no conta gotas atual, 2 anos para imunizar Gravataí e Cachoeirinha

     12.3.2021, dia do colapso na saúde de Gravataí: 500 por cento de ocupação de UTIs e leitos COVID; Enfiem o negacionismo no [email protected]&#!

    Deu na Folha de S. Paulo: Gravataí entre 50 grandes cidades do país com explosão de mortes; ’Não dá para fingir normalidade’ 

    • política
      Adesão de Gravataí a privatização da Corsan não é uma certeza; 4 bi torrados para o selo ’liberal do ano’ de Leite
      por Rafael Martinelli
    • luto
      Tragédia leva Sônia Oliveira, filha de Dorival, secretária da educação e ’rainha’ do MDB de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • operação cidade de deus
      Por que vereador de Cachoeirinha foi preso na operação Cidade de Deus
      por Rafael Martinelli
    • crise no transporte
      Gravataí e Cachoeirinha: estudo mostra ser irreversível subsídio como para Sogil e Transbus
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      39 vidas foram perdidas, mas Gravataí tem menores índices do ano; Por que ainda não é hora da ’festa da covid’
      por Rafael Martinelli
    • política
      Zaffa não gostou do projeto de novo IPTU para Gravataí; ’Não quero aumentar impostos’
      por Rafael Martinelli
    • política
      Cachoeirinha, como Gravataí, indenizou empresa de ônibus por perdas na pandemia; A institucionalização do subsídio
      por Rafael Martinelli
    • política
      Gravataí terá 280 milhões em investimentos: ’Se Marco Alba fez revolução com 80 milhões, imagina o que podemos fazer’, diz Zaffa
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Rodrigo Becker | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.