notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 19/10/2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    3º Neurônio | reportagem

    Lambe-lambes com imagens do ministro Paulo Guedes espalhados pela avenida Faria Lima, na zona oeste de São Paulo, coração do centro financeiro brasileiro

    O ministro Paulo Guedes abre a boca e...

    por Regiane Oliveira, Felipe Betim e Marina Rossi | El País | Publicada em 30/08/2021 às 19h10

    Falas insensíveis do ministro da Economia viraram a tônica de uma política econômica que agrada ao presidente e reproduzem o padrão de uma elite indiferente aos problemas sociais do Brasil. O Seguinte: reproduz o artigo publicado pelo El País

     

    Há um consenso no Brasil de 2021 sobre uma elite econômica no país que perdeu a vergonha de dizer o que pensa intimamente. Feito um fio desencapado, sem medo de ferir. Na linha do “E daí? Quer que eu faça o quê?”, que o presidente Jair Bolsonaro disse quando as mortes por covid-19 já eram contadas aos milhares em abril de 2020. O mandatário acumula centenas de expressões corrosivas que ajudam a fragmentar o senso coletivo brasileiro. Mas diversos ministros seus não ficam atrás. Nem mesmo o titular da Economia, Paulo Guedes. O homem do mercado, fiador do então candidato Bolsonaro, e que, em tese, seria um dos agentes moderadores do presidente. Paulo Guedes tem se destacado ultimamente mais por suas frases caricatas, ou passivo agressivas, do que por sua política econômica. Tantas falas desconectadas o transformaram em protagonista de uma intervenção artística na cidade de São Paulo, neste fim de semana. Artistas visuais e ativistas espalharam lambe-lambes e pôsteres com fotos do ministro e trechos de frases ditas por Guedes ―”Todo mundo quer viver”― e críticas pelas avenidas Faria Lima e Paulista, algumas das vias símbolo do sistema financeiro no Brasil.

    Em dois anos e meio de Governo, Guedes foi perdendo a credibilidade junto a seus pares, e também o respeito diante da falta de sensibilidade para lidar com o cargo e o peso de suas palavras, como relatam as fontes ouvidas por esta reportagem.

    – Qual o problema agora que a energia vai ficar um pouco mais cara porque choveu menos? – questionou na quarta-feira, 25 de agosto, desconsiderando que a alta afeta famílias e produtores.

    – Não adianta ficar sentado chorando – afirmou um dia depois, no Senado.

    Não foram as únicas falas da semana.

    – A inflação está subindo no mundo inteiro. A nossa ser 7% ou 8%, estamos dentro do jogo – afirmou dias antes, na segunda-feira, naturalizando o aumento dos preços que tanto afeta os mais pobres, e que também representa um estouro da meta da inflação do Brasil, de 3,75% —o teto tolerado é de 5,25%.

    A meta de inflação virou um princípio basilar no Brasil desde o plano Real, em 1994, quando os preços finalmente foram domados depois de décadas de descontrole. Se por um lado as declarações de Paulo Guedes chocam pela insensibilidade com quem precisa cozinhar à lenha por causa da alta do gás, espantam também os economistas que viam no ministro a esperança de ter essa cartilha respeitada depois da alta inflacionária registrada nos anos Dilma Rousseff (2011-2016).

    O ministro também foi alvo de críticas pelo tom preconceituoso ao tratar do programa de empréstimos estudantis, o FIES, ao dizer que ele banca a universidade até para filho de porteiro que zerou o vestibular.

    – O porteiro do meu prédio, uma vez, virou para mim e falou assim: ‘Seu Paulo, estou muito preocupado. Meu filho passou na universidade privada’. Ué, está triste por quê? ‘Ele tirou zero na prova – relatou.

    Em outra ocasião, incluiu empregadas domésticas num debate sobre câmbio. Ao dizer que dólar alto era bom, em fevereiro de 2020, afirmou que antes “empregada doméstica estava indo para Disney, uma festa danada”. Houve outra como:

    – Os ricos capitalizam seus recursos. Os pobres consomem tudo – disse em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo no fim de 2019.

    O economista e ex-diretor do Banco Central Alexandre Schwartsman entende Guedes como uma espécie de animador de auditório.

    – No final das contas, foi exatamente o que o qualificou para seu atual emprego – opina.

    Mas para qual auditório ele está falando, já que suas falas causam espanto?

    – Mas ele não sabe disso; acha que está agradando, como agradava quem ia ouvir as baboseiras que falava nas palestras dele antes de virar ministro – diz Schwartsman.

    A também economista Ana Carla Abrão, head da consultoria Oliver Wyman no país, ainda lembrou que a agenda liberal prometida por Guedes, e que foi fundamental para a eleição de Bolsonaro em 2018, não saiu do lugar.

    – As reformas não aconteceram, as privatizações não aconteceram, os ganhos de eficiência do Estado não aconteceram. E, sinceramente, não acredito que vão acontecer – disse ela em entrevista a este jornal em agosto.

    Para Débora Freire, economista da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), as últimas falas do ministro não só representam a visão de setores da elite econômica como também indicam “um desespero de quem não está sabendo como lidar com a crise econômica”. Ao dizer que não vê problema no preço da energia mais caro, por exemplo, ele não cita que a alta afeta não somente o orçamento das famílias como também encarece a produção, encarece o produto final e gera ainda mais inflação.

    A estudiosa descreve um Ministério da Economia “totalmente perdido, sem estratégia nem direcionamento contundente”, e sem propostas com bases em estudos.

    – O que vemos é que Paulo Guedes é movido por ideologia. É um técnico com um viés ideológico muito forte – opina.

    E que ideologia é essa? De acordo com Débora Freire, Paulo Guedes e setores da alta sociedade e do mercado financeiro são os herdeiros diretos de uma visão da década de 1970, de ditadura militar, época em que se dizia que o importante é crescer o bolo para depois dividi-lo entre a população —ao invés de crescer a economia ao mesmo tempo em que se distribui renda.

    – Isso é totalmente arcaico. Desigualdade traz uma série de problemas não só sociais, como também econômicos – explica.

    Como a desigualdade também limita o mercado interno, continua a economista, para quem os empresários que produzem vão vender?

    – Crescimento depende da perspectiva de demanda, e se a maioria da população tem renda muito baixa, então a perspectiva é muito ruim.

    As falas revelam uma visão elitista do Brasil mas também a tônica de algumas decisões à frente do Ministério. No ano passado, em meio às discussões da reforma tributária, Guedes e sua equipe propunham desonerar a folha de pagamento de setores da economia. Para não afetar a arrecadação do Governo, defendiam um imposto de transação financeira —a nova CPMF— que afetaria todos os cidadãos e geraria, segundo cálculos do Ministério da Economia, 130 bilhões de reais para os cofres públicos. Em outras palavras, os empresários pagariam menos e o conjunto da sociedade, mais pobres incluídos, pagariam mais.

    O psicanalista Christian Dunker vê em Guedes o desprezo pelos mais pobres como parte de uma estratégia da elite neoliberal amplamente adotada pelo Governo Jair Bolsonaro.

    – Enquanto o liberalismo clássico tinha um pudor, um respeito e até mesmo tentava proteger as pessoas dos excessos de sofrimento (porque isso interferiria na produção e no consumo) os neoliberais descobriram que podem aumentar o sofrimento como forma de extrair mais desempenho e produtividade – afirma.

    – Quem pode desdenhar do aumento da inflação? Só alguém com muito poder e que presume que sua declaração não vai chegar nas pessoas comuns. Ela vai chegar naqueles que têm uma relação com o aumento da opressão – diz.

    É uma estratégia de diálogo entre os iguais que não tem dado frutos. A gestão econômica e falta de jogo político de Guedes conseguiram desagradar até mesmo os aliados do Centrão, que pediram a cabeça do ministro da Economia ao Governo numa antecipação à reforma ministerial prevista para abril de 2022, conforme publicou o Estadão. 

    – Guedes é uma pessoa que vive um impasse subjetivo. Ele tem muito dinheiro e muito poder, mas não é reconhecido por seus pares. Ele não é confirmado como um grande teórico, não tem uma obra, não escreveu coisas relevantes. Vive um pouco o drama daquele que se sabe abaixo das condições para o cargo – analisa Dunker.

    Em entrevista ao EL PAÍS no início de agosto, a economista Elena Landau lembrou que torcia pelas promessas do ministro quando ele chegou ao cargo. Mas os resultados de sua política econômica deixaram muito a desejar.

    – Guedes vai entregar a economia pior do que recebeu, que era inflação dentro da meta e juros baixos.

    Schwartmann vai além, e o vê como um agente dos arroubos autoritários do seu chefe.

    – Não tem nenhuma agenda consistente de reformas. Você vai ver as propostas, e uma não conversa com a outra. O plano é tentar eleger o presidente ou anular a eleição. Não vai além disso – diz o economista, que foi diretor do BC e economista-chefe do banco Santander.

    Em seu livro Mal-estar, sofrimento e sintoma: uma psicopatologia do Brasil entre muros, Dunker explica como, há anos, as classes média e alta lidam com os conflitos no Brasil: construindo muros e designando síndicos, responsáveis por manter em dia seu status quo. Durante a pandemia, a sociedade brasileira acabou regredindo para uma maneira de ver o mundo, até por conta das medidas sanitárias para tentar conter a covid-19, em que “o mundo é o tamanho do seu condomínio”. O psicanalista explica que Guedes se comporta como o “síndico autoritário” do Governo Bolsonaro.

    – Ele é um síndico regressivo, está nos anos sessenta, setenta, porque a política que ele adota está, no mínimo, em crise teórica, que não percebe que está a serviço dos outros, ele acha que é ele quem está mandando – afirma.

    No papel de síndico de Bolsonaro, Guedes incorpora o que há de pior na aristocracia brasileira, que não aceita ser questionada, dar satisfações ou pedir desculpas pelos seus erros, posturas que o psicanalista compara às adotadas no passado por senhores de escravo, coronéis e latifundiários. A forma de pensar do ministro da Economia é “tão confiante de si, na sua ciência, na renovação que estaria trazendo para a economia”, que ele ignora as regras básicas da política. Fala o que quer, quando quer, doa a quem doer.

    – Guedes é alguém que pratica um cinismo aberto – analisa.

    O problema é que o ministro parece não perceber que está para ser devorado pelo jogo cujas regras ele mesmo ajudou a determinar.

     

    Fiador do negacionismo na pandemia

     

    Paulo Guedes acabou por se tornar também fiador das teses mais desastradas no combate à covid-19. Documentos entregues à CPI da Pandemia mostram que o Ministério da Economia, à revelia do Ministério da Saúde, orientou o Governo erroneamente sobre o fim da pandemia, o que fez com que o combate à crise sanitária não fosse incluído no Projeto de Lei Orçamentária de 2021.

    A ação da pasta capitaneada por Paulo Guedes ficou evidenciada por uma fala do secretário de Política Econômica, Adolfo Sachsida, em entrevista coletiva no dia 17 de novembro do ano passado. Responsável por avaliar os impactos da pandemia e elaborar cenários para dar suporte às decisões do Governo, Sachsida afirmou que a chance de uma segunda onda de contaminações pelo coronavírus era baixa porque o país caminhava para a “imunidade de rebanho”. No entanto, a média móvel em sete dias retroativos a partir daquela data chegava a 490, uma alta de 34% em relação às últimas duas semanas, conforme noticiado pelo consórcio de veículos de imprensa, que acompanham paralelamente os dados da crise. O aumento da média móvel não mostrava uma retração e sim uma aceleração da pandemia.

    À CPI, a pasta explicou que não havia comunicação ou troca de documentos entre o Ministério da Saúde e que a tese de imunidade de rebanho era baseada em estudos da Universidade de São Paulo e da Universidade Federal de Pelotas, que apontavam para a desaceleração da epidemia no Brasil, “com base na análise da presença elevada de anticorpos na população em função de taxas de infecção altas e possivelmente pela presença de imunidade pré-existente”.

    Todas as projeções da equipe de Guedes para a pandemia se mostraram incorretas, mas reverberaram o que era defendido por Bolsonaro. O reflexo disso está no fato de que o combate ao vírus sequer entrou na previsão orçamentária do Governo federal neste ano. Dados do painel de Monitoramento dos Gastos da União com Combate à Covid-19, do Tesouro Nacional, mostram que o Governo Bolsonaro previu gastar, no ano passado, 604,7 bilhões de reais em ações e programas relacionados ao combate à pandemia. Mas gastou, de fato, 524 bilhões de reais, sendo que o auxílio emergencial abocanhou mais da metade desse total.

    Esses recursos foram disponibilizados por meio de crédito extraordinário, instrumento previsto na Constituição para ser usados na cobertura de “despesas imprevisíveis e urgentes”, como é o caso do início de uma pandemia. E não estão dentro da previsão do orçamento anual, feita pelo Governo todo final do ano e aprovada pelo Congresso. Ou seja, o Governo não planejou recursos para o combate à covid-19 porque a equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que a pandemia estaria acabando no Brasil em 2021. A opção foi continuar utilizando o crédito extraordinário, como se as despesas fossem sempre imprevisíveis. Sobre esses assuntos, porém, Paulo Guedes não fala.

    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Rodrigo Becker | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.