notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 18/09/2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    3º Neurônio | humor

    Cronometragens

    por Fraga | Publicada em 30/07/2021 às 14h09

    Cronos, o deus do tempo, adora as olimpíadas e outros eventos esportivos. O negócio dele é torcer pela natação e pelo atletismo. Quando não havia ainda os jogos na antiga Grécia, Cronos matava o tempo matando pessoas: fazia todo mundo envelhecer até morrerem, lazer que mantém até hoje. Por medo de ser destronado, Cronos virou um deus canibal: adora comer seus filhos, e prefere almoçar ou jantar recém-nascidos, mais tenros e parecidos com filé mignon. Certo vez, ao se aborrecer com um dia que não passava nunca, criou o cronômetro, só pra se divertir com os décimos, os centésimos e os milésimos de segundo, as fatias mais finas do tempo. Cronos é obcecado por velocidade, é ele quem aperta os prazos no expediente, como um gerente exigente no escritório. Inspirador da humanidade, deve-se a Cronos a ideia do acelerador nos carros, que só funcionavam parados antes dessa invenção. Por Cronos os atletas são capazes de tudo: braçadas e corridas cada vez mais velozes até a linha de chegada, numa infindável bateção de recordes. Cronos também se diverte muito com os amantes platônicos da aceleração: aqueles seres queadmiram recordistas enquanto permanecem imóveis diante das telas.Com inveja da sensação térmica, Cronos inventou a sensaçãotemporal: às vezes parece que o tempo não anda, noutras parece que voa. Colecionador de calendários, Cronos guarda todos em gavetas da eternidade, e nos dá somente um por ano, como uma ração contemporânea. Fora das pistas e das piscinas, Cronos fomenta a pressa entre os mortais, com overdoses diárias de cortisol, a substância que dá conta das distâncias entre um lugar e outro, uma tarefa e outra, um infarto e outro. Somos todos filhos de Cronos e esse nosso pai irá nos engolir a todos, mastigando existências e palitando os seus dentes com os ponteiros de relógios analógicos. Durante as olimpíadas, nos distraímos com a rapidez esportiva, esquecidos da gula de Cronos. Depois do evento, no descanso dos cronômetros, voltaremos àquela provadesmedida: a correria cotidiana. É o nosso cronovírus.

    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Rodrigo Becker | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.