notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 21/09/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    a cadeira assombrada

    Justiça afasta prefeito por mais 120 dias; A cassação antecipada e a morte anunciada em Viamão

    por Cristiano Abreu | Publicada em 07/08/2020 às 16h54| Atualizada em 09/08/2020 às 13h16

    Em fevereiro, quando o Rafael Martinelli deu início à cobertura da "Lava Jato de Viamão", ele foi lúcido ao cravar que culpado ou inocente, André Pacheco restaria alijado politicamente da Operação Capital. Não errou.

    As investigações ainda não encerraram, o Ministério Público (MP) sequer ofereceu denúncia e, salvo nova movimentação processual nas próximas horas, os demais suspeitos apontados terão seus afastamentos findados no começo da semana que vem.

    Menos André.

    A decisão do desembargador da Quarta Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do RS (TJ) Julio Cesar Finger nesta tarde (7) em acatar pedido do MP e prorrogar o afastamento do prefeito de Viamão escolhido pelas urnas é, na prática, cassação de mandato antecipada. É a morte política de Pacheco, eis que ao fim do novo prazo, desta vez de 120 dias, terá transcorrido o ano, a eleição e o desgaste da imagem será praticamente irreversível.

    Sem juízo de valor sobre culpa ou inocência, mas o pedido do Ministério Público indica que há mais por apurar. E o aceite da Quarta Câmara do TJ corrobora a tese de que Pacheco segue com muita influência nos bastidores - foi essa a justificativa para mantê-lo longe da Prefeitura até dezembro, conforme o Diário de Viamão/Seguinte: mostrou em Os motivos que levaram o MP a pedir a manutenção do afastamento de André Pacheco. E a hipótese ganha força quando ele é visto em reunião com vereadores de diferentes correntes ideológicas que articulavam o acordão para a mesa diretora da Câmara e a escolha do seu próprio substituto.

    De que adiantariam 22 dias de gestão, no apagar das luzes de 2020, após 300 dias de afastamento? A ironia aqui é que André deveria torcer para que o MP ofereça logo sua denúncia. Marcado na testa, ele já está, por tudo que paira contra si. Assim, poderia tratar de sua defesa e tentar construir uma narrativa que lhe favoreça, o que não conseguiu até agora.

    Tentar provar inocência e voltar logo à cadeira é o pouco que lhe resta.

    E aos defensores que questionam neste momento porque não ventilo um arquivamento do processo, respondo que é chance remota, para não dizer nula. Fosse o contrário, nenhum desembargador de Justiça em sã consciência assinaria uma cautelar que praticamente extingue um mandato.  

    Ao fim, fecho com a frase do Martinelli no primeiro dia do afastamento: "André Nunes Pacheco é um cadáver político sob o risco de, ao fim do processo penal, ou a qualquer momento, ser preso."

     

    O que decidiu o Tribunal de Justiça

     

    O desembargador da Quarta Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do RS (TJ) Julio Cesar Finger acatou nesta tarde (7) o pedido do Minstério Público e prorrogou o afastamento do prefeito de Viamão André Pacheco por mais 120 dias. O político permanece impedido de frequentar as estruturas do Poder Executivo, de contratar com o município ou manter contato com os demais investigados pela Operação Capital até dezembro deste ano.

    A Procuradoria Geral do Município e a Câmara de Vereadores já foram notificadas pelo TJ da decisão. Com isso, Nadim Harfouche permanece no comando da Prefeitura, salvo se as ações judicias e políticas do vereador Evandro Rodrigues (DEM) tenham desfecho favorável ao grupo opositor (MDB, PSB e DEM).

     

    O que diz o prefeito:

    André Pacheco e seus advogados mantém silêncio desde o início da Operação Capital. A coluna oferta espaço para eventuais manifestações.

     

     

    LEIA TAMBÉM

    Como político de Gravataí foi envolvido na ’Lava Jato de Viamão’; Carlito Gandhi de Calcutá

    • coronavírus
      Hospital de Campanha de Gravataí vai fechar
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      Lazzarotto à Prefeitura; ’Renda mínima contra fome’
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      Ávila a vereador evidencia afastamento de Dimas
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      Nadir responde sobre conspiração contra prefeito
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      A vereadora necessária em Gravataí é do PT
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      Leonardo à Prefeitura de Glorinha: ’Contra os mesmos’
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      Coordenador de Dimas é ex-secretário de Marco
      por Rafael Martinelli
    • política
      A mais nova conspiração contra Marco Alba
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      Claiton à Prefeitura; ’Nem governo, nem oposição’
      por Rafael Martinelli
    • justiça
      Caso Dorildes: motorista de app vai a júri, PMs não
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      João Paulo e Adriano, a chapa bolsonarista
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      Fora da coordenação de Dimas, Ávila mira Dr. Levi
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      Anabel: ´candidata de verdade, não de plástico’
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.