notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 18/07/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    meio ambiente

    Barragem de Águas Claras foi vistoriada pela Defesa Civil em 2016 | DIVULGAÇÃO

    Viamão não será uma nova Brumadinho

    por Eduardo Torres | Publicada em 01/02/2019 às 14h02| Atualizada em 11/02/2019 às 12h04

    Não há motivo para pânico. A barragem de Águas Claras, em Viamão, não tem risco de produzir uma tragédia, nem de perto, comparável com a de Brumadinho (MG) em caso de um eventual rompimento. Quem garante são os especialistas e gestores do grande reservatório de água em meio ao Banhado dos Pachecos, nas nascentes do Rio Gravataí, em resposta a uma alarmante entrevista do promotor de justiça Daniel Martini à TV Bandeirantes nesta semana. Na próxima terça, uma reunião sobre o assunto deve acontecer na sede do Assentamento Filhos de Sepé, em Viamão, reunindo os agricultores locais, Ministério Público estadual e federal, INCRA e o Comitê de Gerenciamento da Bacia do Gravataí.

    Coordenador do Centro de Apoio Operacional de Defesa do Meio Ambiente, e agora responsável do MP gaúcho pela segurança de barragens, Martini alertou que, mesmo fora da lista de perigo organizada pela Agência Nacional das Águas (ANA), a barragem de Viamão representaria alto risco de prejuízos ambientais e materiais, como também vidas humanas.

    — É uma barragem com volume maior de água armazenada do que em Brumadinho. Um turbilhão de água, em caso de rompimento, inundaria até a zona norte de Porto Alegre — declarou.

    O principal argumento do promotor baseia-se em um estudo encomendado em 2014 pela Secretaria de Obras Públicas do Estado, que condenou a barragem construída em 1986 para abastecer, na época, somente as lavouras de arroz da região. O estudo apontava para o alto custo que teria a manutenção da barragem e para o desgaste da estrutura atual, propondo a desativação dela e a construção de uma nova, fora da área do Assentamento Filhos de Sepé, que atualmente se beneficia e gerencia aquele reservatório.

     

    LEIA TAMBÉM

    MST produz e preserva mais nas nascentes do Gravataí

    A nossa lista vermelha da extinção

     

    O detalhe, desconsiderado pelo promotor, é que o relatório foi rechaçado pelo Comitê de Gerenciamento da Bacia do Gravataí ainda em 2014. Os técnicos do comitê apontaram uma série de inconsistências nos dados levantados pela empresa contratada, além dos prejuízos ambientais que o fim da barragem causaria a uma das regiões mais sensíveis da bacia.

    — O estudo desconsiderou a importância ambiental daquele local para a mitigação de espécies, manutenção do banhado e a própria sobrevivência do cervo. A barragem foi construída junto da área que hoje abriga o Refúgio de Vida Silvestre Banhado dos Pachecos e, depois de mais de 30 anos, é uma realidade absorvida pelo ecossistema local — diz o presidente do comitê, Sérgio Cardoso.

     

    : Barragem fica entre o assentamento e o refúgio de vida silvestre, nas nascentes do Gravataí

     

    Na época, o comitê aconselhou ao INCRA, responsável pela barragem, que não aprovasse o estudo. Segundo Cardoso, o quadro catastrófico de cheia devastadora até a zona norte da Capital, em caso de ruptura, é puro alarmismo.

    — Isso seria impossível. Trata-se de uma barragem de planície. Se ela rompesse, o maior volume de água seria absorvido pelas várzeas do Rio Gravataí, e ainda teria a RS-118, que serve como um dique, impedindo a passagem da água para o outro lado. Não faz nenhum sentido essa comparação com Brumadinho — critica Cardoso.

    A barragem de Águas Claras reserva maior volume de água do que a barragem rompida em Minas Gerais dias atrás. São 17 milhões de metros cúbicos aqui, enquanto lá, havia 13,9 milhões de metros cúbicos de água e rejeito. Mas a diferença principal é na estrutura. O reservatório de Viamão tem o máximo de 4 metros de profundidade (14 metros em relação ao nível do mar), em uma área alagada de 500 hectares, enquanto em Brumadinho, a área alagada era de apenas 27 hectares, mas a uma profundidade de 87 metros. Logo, o rompimento daquela estrutura representou a liberação de uma energia muito maior do que a acumulada em Viamão.

    — Nossa barragem é de planície, e está sobre um solo de banhado. São características bem diversas daquelas de Brumadinho — complementa o responsável pela gestão de águas do assentamento, Marthin Zang.

     

    Estrutura obsoleta

     

    Isso significa que a barragem de Águas Claras está em perfeitas condições? Não. Trata-se de uma barragem antiga e com formas de controle obsoletas.

    A situação é alvo de inquérito civil aberto em 2014 pelo Ministério Público Federal, ainda em andamento. Depois da negativa do estudo daquele ano, a exigência do MPF é de que a barragem seja adequada à legislação vigente para a segurança deste tipo de reservatório de água. São exigidos um estudo técnico que, principalmente, contraponha aquele apresentado em 2014, a elaboração de um plano de segurança completo para a barragem, além da contratação de um serviço de inspeção especializado. Quem deve cumprir as medidas é o INCRA, mas até hoje, nenhum dos itens foi executado, e a alegação é a falta de recursos do órgão federal.

     

    LEIA TAMBÉM

    EXCLUSIVO | Gravataí terá maior reserva ambiental

    Cervo sobrevive à extinção no Banhado Grande

     

    Conforme a assessoria de comunicação do INCRA, foi solicitado à Justiça Federal a liberação de R$ 2 milhões atualmente depositados em uma conta judicial resultante de um processo envolvendo o assentamento de Viamão. A própria justiça já teria autorizado o uso dos recursos exclusivamente para ações que beneficiem o assentamento. Com este recurso, seria possível atender pelo menos duas das três principais exigências de adequação da barragem.

    A perspectiva do órgão é lançar um edital em março para a contratação do serviço de inspeção daquela estrutura. O promotor Daniel Martini reforçou à TV Bandeirantes que é fundamental uma fiscalização pelo Estado naquela barragem.

    — O Estado hoje não pode confiar apenas no próprio empreendedor, nos laudos produzidos pelo próprio empreendedor — disse.

    Em 2016, houve uma ação de fiscalização estadual, e a Defesa Civil garantiu que não havia risco à população.

    A barragem fica entre o Assentamento Filhos de Sepé e o Refúgio de Vida Silvestre Banhado dos Pachecos. Daquela água, depende a maior área cultiva a de arroz agroecológico da América Latina, e por isso, o gerenciamento da barragem é feito pelos assentados. Em 2013, eles apontaram ao Comitê Gravataí a preocupação com a estrutura. Enquanto o INCRA não atende às exigências do MPF, os próprios agricultores têm garantido a manutenção das instalações.

    — Foi colocada, já entre 2014 e 2015 uma grande quantidade de pedras para reforçar os pontos críticos da barragem, e voltamos a colocar outra carga no ano passado. A pedra tem o papel de proteger a estrutura contra o desgaste provocado pela água — aponta Zang.

    São 16 comportas ao longo da barragem, e duas delas romperam em 2016. Com limitação de recursos, a associação dos agricultores custeou a troca das comportas danificadas.

    — Foi um investimento de R$ 50 mil, mas é como, em uma casa, trocar as torneiras sem mexer no encanamento — diz.

     

    : Estrutura construída em 1986 hoje mantém o equilíbrio ecológico na área de banhados

     

    Importância ecológica

     

    Pensando nisso, entre 2015 e 2016 um projeto para reforma de todas as comportas, com renovação das tubulações, foi elaborado pela cooperativa dos agricultores de assentamentos locais e entregue ao INCRA para captação de R$ 150 mil, via BNDES. O projeto foi aprovado pelo governo, mas até hoje não decolou.

    De acordo com Marthin Zang, o volume de água necessário para o cultivo do arroz reduziu na última lavoura. Foram plantados em torno de 400 hectares a menos em relação ao ano anterior. Foi uma das formas encontradas para reduzir o volume de água acumulada na estrutura da barragem.

    No início de cada inverno, a barragem é esvaziada até a cota 11 (1 metro de profundidade), que é a medida considerada pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema) fundamental para manter as características do banhado e do ecossistema local. Quando inicia o período de chuvas, ela então enche para, entre outubro e março, além de pensar no uso daquela água nas lavouras, os agricultores liberarem diretamente no canal do Rio Gravataí 300 litros por segundo de água que acaba reforçando o abastecimento público em toda a região.

    — Nós nunca pensamos só na lavoura. O papel desta barragem para a manutenção da flora, fauna e para a recuperação dos banhados originais é fundamental. A barragem concentra água das nascentes das Águas Claras, no pé da Coxilha das Lombas. É um ambiente riquíssimo para a biodiversidade da bacia do Gravataí. Foi construída pelo homem, mas já faz parte do ambiente natural de uma região — argumenta agrônomo.

     

    AS DIFERENÇAS

     

    : A Barragem de Águas Claras concentra um volume de 17 milhões de metros cúbicos de água — é superior a Brumadinho —, mas esta quantidade de água está armazenada em uma área alagada de 500 hectares, com profundidade máxima de 4 metros, em uma região de planície, no Banhado dos Pachecos.

    : A Barragem de Brumadinho concentrava 13,9 milhões de metros cúbicos de água e detritos em uma área alagada de 27 hectares — 18 vezes menor que Águas Claras —, com profundidade de 87 metros — 21 vezes mais profunda que em Águas Claras — e em uma área acima do solo.

    : A Barragem de Águas Claras foi construída em 1986 com a finalidade de armazenar água para o abastecimento de lavouras de arroz em uma grande propriedade que havia naquela região. No final dos anos 1990, a área foi desapropriada e, em 1998, foi criado o Assentamento Filhos de Sepé. Em 2002, foi criado o Refúgio de Vida Silvestre Banhado dos Pachecos, também dentro da antiga propriedade. Hoje, os dois ambientes dependem da barragem, que desde então, nunca recebeu obras significativas na sua estrutura. Ainda assim, não consta na lista de barragens preocupantes no país, conforme a Agência Nacional de Águas (ANA).

    : A Barragem de Brumadinho foi construída em 1976 para ceber rejeitos da produção mineradora da região. Foi incorporada pela Vale e, em 2015, teve a atividade finalizada. Já não recebia novos detritos, e vinha sendo monitorada periódicamente. Era classificada como de baixo risco de rompimento pela ANA.

    : Um eventual rompimento da Barragem de Águas Claras provocaria um dano ambiental significativo, porque, literalmente, secaria uma grande área de banhado, eliminando um importante ponto de mitigação de aves e outras espécies, comprometendo também todo o equilíbrio ecológico da região. Também traria consequências ao abastecimento público da região em período de estiagem. Os danos à população, asseguram os especialistas, seriam mínimos.

    : O rompimento da Barragem de Brumadinho era apontado como de alto risco de poluição pela ANA, em virtude dos detritos armazenados nela. A tragédia, além das mortes, provocou destruição de importante região de Mata Atlântica. Em torno de 270 hectares foram perdidos.

    • coluna do silvestre
      Alta velocidade: O negócio da família Moro
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • cachoeirinha
      Eu Amo, Eu Cuido inaugura novo trecho de calçadas
      por Redação
    • opinião
      As ausências na foto de Marco Alba e seus vereadores
      por Rafael Martinelli
    • meio ambiente
      Sabe o que é Reposição Florestal Obrigatória?
      por Redação
    • opinião
      Só justiça evita perda de 45 médicos em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Filha de Abílio apoiou Marco; prints desmentem
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Flagrado o novo carro da GM de Gravataí
      por Silvestre Silva Santos
    • gravataí
      Em live, Marco Alba dá 45 dias para duplicação na 020
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Autor do golpeachment contra Miki vira político
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Bandidos na TV; Deltan, Moro e a Vaza Jato
      por Rafael Martinelli
    • ex-deputado
      Jones Martins está hospitalizado
      por Rafael Martinelli
    • pontes do parque
      Contagem regressiva para novas pontes do Parque dos Anjos
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Prefeito retira extinção do Ipag Saúde e anuncia novo plano
      por Rafael Martinelli com assessoria
    • opinião
      Procurador de Miki é indicação de Cláudio Ávila
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Um jeito diferente de escolher vereadores em 2020; prós e contras
      por Rafael Martinelli
    • entrevista
      A filha do ’pai dos pobres’; a aposta de Anabel e os Bordignons
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      A real sobre a falta de médicos em Gravataí; em 15 dias, o caos
      por Rafael Martinelli
    • gravataí
      De roupinha e aquecidos no Canil; saiba como adotar e ajudar
      por Redação
    • mobilidade
      Trevo na 103 e acesso ao distrito: por que obras não andam
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      25 mil bolsonaristas descontentes no ’país’ da região
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Não doe agasalhos, você pode apanhar no Facebook
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.