notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 18/11/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    habitação

    Moradores lotaram o Plenarinho da Assembleia | DIVULGAÇÃO AL

    Moradores da Granja ganham seis meses para regularização

    por Eduardo Torres | Publicada em 07/11/2018 às 10h07| Atualizada em 12/11/2018 às 12h44

    Os moradores do bairro Granja Esperança, em Cachoeirinha, conquistaram uma vitória, ao menos parcial, nesta semana na luta pela regularização dos imóveis na área ocupada ainda no final dos anos 1980. O prazo para a compra judicial das casas, que encerraria na próxima segunda, foi prorrogado por mais seis meses — até maio —, a pedido da Habitasul Crédito Imobiliário, no processo de alienação que se arrasta desde 1992. A nota da 1ª Vara Cível de Cachoeirinha, confirmando a medida, foi publicada ontem, relatando decisão tomada ainda no dia 30 de outubro.

    O tempo é o ideal para coincidir com o prazo para que a prefeitura de Cachoeirinha encerre o levantamento sócio-econômico das famílias que vivem no bairro e dê os primeiros passos concretos no processo de regularização urbana, pelo REURB. Desta forma, espera a comissão de moradores do bairro, a renda de cada família será considerada no momento de estabelecer as condições para a compra dos imóveis. Famílias de baixa renda teriam ainda condições especiais para a compra, conforme o programa de regularização.

     

    LEIA TAMBÉM

    Em um mês começa a regularização da Granja

    Moradores querem anular cobrança pelas casas da Granja

    Impasse na Granja: tem feirão e tem ação judicial

     

    Até o momento, a Habitasul relata ter concretizado as vendas de apenas 40 casas, em um universo, segundo o levantamento dos moradores, que chega a 1.632 famílias. Até o momento, no entanto, somente 14 destas vendas foram confirmadas na justiça. A Habitasul alega que pediu a prorrogação para as negociações por pelo menos dois motivos: a desinformação da comunidade em relação ao processo de regularização do bairro e a necessidade de aumentar o prazo para negociações de vendas já em andamento. 

    A semana era encarada como decisiva nesta queda de braço. E foi neste clima que os moradores lotaram o Plenarinho da Assembleia Legislativa, na última segunda-feira (5). Era a audiência pública marcada pela Comissão Especial de Regularização do Bairro Granja Esperança, presidida pelo deputado Sérgio Peres (PRB). Além dos moradores, estiveram lá representantes da prefeitura, dos vereadores, do Ministério Público, do Poder Judiciário e da Defensoria Pública.

    — A força política é fundamental neste contexto. O poder público municipal está junto dos moradores, acompanhando de perto a busca de solução no processo e, em um esforço conjunto, viabilizou a instauração do REURB em Cachoeirinha. Esta é uma comunidade que integra a história da cidade — disse o prefeito Miki Breier.

    Sobre a prorrogação do prazo determinado pela Justiça para resolução da questão, o prefeit ponderou:

    — Ajuda, mas é fundamental que não haja acomodação. A perseguição de um desfecho favorável aos moradores exige mobilização ainda mais firme.

    Ele reforçou a necessidade de que todas as 1.632 famílias que ocupam há mais de 30 anos as casas apresentem a documentação necessária para o prosseguimento do REURB.

    Pelas condições estabelecidas na Justiça entre Habitasul e Cooperativa Habitacional São Luiz — que foi quem, na época da construção, recebeu o financiamento para erguer as casas, ocupadas antes da entrega — estabelece prioridade de compra das casas pelos atuais moradores, dentro do prazo agora estendido. É cobrada uma entrada de 10% do valor do imóvel, conforme avaliação da Caixa, com atualização monetária. 

     

     

    Condições da venda judicial

     

    Conforme a comissão de moradores, os valores da entrada variam entre R$ 9 mil e R$ 13 mil, podendo ser parcelados. O saldo pode ser quitado em 180 meses. Finalizado o prazo, a Habitasul poderá negociar as casas com qualquer comprador interessado.

    Os moradores questionam a avaliação das casas. Alegam que, na época da ocupação, muitas casas não tinham portas, janelas, telhados, nem ligação de água e luz. Tudo foi feito após os imóveis estarem ocupados. A comissão de moradores defende que os valores cobrados agora sejam de acordo com a renda de cada família e com a metragem original dos imóveis.

    — O importante é que o resultado final atenda a todos, o que dependerá, em muito, da mobilização, que deve ser de toda a coletividade — defendeu o deputado Tarcísio Zimmermann (PT), que faz parte da comissão especial na Assembleia.

    • mais médicos
      Saída de médicos cubanos preocupa prefeitura
      por Rafael Martinelli
    • pequenas empresas, grandes histórias
      COM VÍDEO | Lentes que retratam vidas
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • saúde
      Frente de prefeitos reage a saída de médicos cubanos
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Hoje até vereador comemora médicos indo embora
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Todo sábado é dia para adotar um pet na Sperk
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • meio ambiente
      COM VÍDEO | A nossa lista vermelha da extinção
      por Eduardo Torres
    • trânsito
      Fim da tranqueira no trânsito está mais próximo
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Saída de médicos cubanos é desastre para Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      OPINIÃO | Não façam Bordignon ’Miss Colômbia’ outra vez
      por Rafael Martinelli
    • meio ambiente
      Cobrança pela água do Gravataí pode gerar R$ 9 mi em um ano
      por Eduardo Torres
    • desejo azul
      Gremistas entregam alegria para crianças doentes
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • seu bolso
      OPINIÃO | Silvio Santos é um velho babão
      por Rafael Martinelli
    • cachoeirinha
      Asfalto em 33 ruas é símbolo para governo Miki
      por Rafael Martinelli com assessoria
    • educação
      OPINIÃO | O big brother da escola sem partido em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • história
      A história da Cachoeirinha do primeiro pedágio
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      ‘Jardins do pesadelo’ estão perto do fim?
      por Silvestre Silva Santos
    • política
      OPINIÃO | 25 nomes para prefeitura de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • polícia
      Jovem executado por engano em hospital era de Cachoeirinha
      por Silvestre Silva Santos
    • vereadores
      Quem leva a presidência da câmara de Gravataí?
      por Rafael Martinelli
    • efeito cascata
      OPINIÃO | Vereadores, não aumentem os salários
      por Rafael Martinelli
    • 2020
      OPINIÃO | A sucessão nas mãos de Marco Alba
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.