notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 18/11/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    meio ambiente

    Cobrança pelo uso da água foi discutida em fórum organizado na Capital | EDUARDO TORRES

    Cobrança pelo uso da água começa pelo Rio Gravataí

    por Eduardo Torres | Publicada em 06/11/2018 às 19h30| Atualizada em 12/11/2018 às 11h36

    Finalmente, vai avançar o projeto piloto para instauração da cobrança pelo uso da água na bacia hidrográfica do Gravataí. Ao menos, no papel. É que nesta terça-feira chegou à direção do Comitê de Gerenciamento do Gravataí a proposta finalizada pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema) para que a comunidade aprove uma revisão do plano de bacia. Na próxima terça, será colocada em pauta na reunião do comitê e a perspectiva é de que, até dezembro, se tenha um esboço de como será a cobrança.

    Além de traçar um raio-x atual do rio e das condições ambientais da região, o plano terá uma lista de projeto —, com obras e ações — prioritários, já orçados, a serem executados para a recuperação do rio. O recurso para estes projetos, é a intenção, sairá justamente do que for arrecadado com a cobrança pelo uso da água. Em uma lógica idêntica a dos condomínios. 

    — Esta é a lógica deste modelo do poluidor-pagador. Quem polui mais, paga mais. Quem age mais em prol da proteção do recurso hídrico, tende a receber mais retornos, e pagar menos. Mas todos pagam pelo benefício comum. A tendência é de que este condomínio, com a melhora do rio, fique mais econômico para todos — explica o presidente do comitê, Sérgio Cardoso.

     

    LEIA TAMBÉM

    Quanto vale a água do Rio Gravataí?

    MP quer limitar aviões pulverizando veneno no Rio Gravataí

     

    Ele foi um dos palestrantes no VIII Fórum Internacional de Gestão Ambiental, promovido pela Associação Rio Grandense de Imprensa (ARI), em Porto Alegre. A gestão da água e a cobrança pelo seu uso foram os temas centrais do encontro.

    — A instauração da cobrança pelo uso da água é uma medida administrativa proposta evista na legislação ambiental, já em plena execução em outros estados, que, há 24 anos está parada no Rio Grande do Sul. Por isso, o Ministério Público tomou a iniciativa de chamar os comitês de gerenciamento para termos, como resultado e proposta de cobrança, um modelo totalmente democrático. Se fôssemos exigir o cumprimento da legislação pelo Estado, provavelmente não avançaríamos — avalia o promotor Eduardo Viegas, principal articulador do encontro.

    Entre todos os comitês gaúchos, o mais avançado para instituir a cobrança é justamente o Gravataí. Mas não bastará que sejam aprovados o plano de bacia e a listagem dos projetos a serem implantados com a verba da cobrança. Ainda é esperada a finalização do modelo de cobrança pelo Departamento de Recursos Hídricos (DRH), da Sema, estabelecendo as proporcionalidades de custo da água para cada setor usuário no Rio Grande do Sul: agricultura, indústria e abastecimento.

     

    : Sérgio Cardoso falou sobre a atual organização do Comitê Gravataí

     

    Pagará quem estiver devidamente cadastrado no sistema de outorgas para uso de água na bacia. Este, também defasado. A estimativa é de que cerca de 300 usuários estão cadastrados. Não é o consumidor de água comum, que tem a torneira em casa, quem será cobrado, mas a Corsan, que é quem capta e devolve a água — boa parte sem tratamento.

    — Fatalmente, a fatia mais pesada desta conta será a do abastecimento público, justamente pelo alto potencial poluidor que a falta de saneamento provoca — diz Cardoso.

     

    Agrotóxicos seguirão pelos ares

     

    Mas, se por um lado, no final do governo José Ivo Sartori (MDB), um ponto da gestão ambiental é acelerado, outro regride. Depois e determinar a proibição da pulverização de agrotóxicos por aviação a partir deste plantio de arroz, o Ministério Público prorrogou por mais um ano o prazo para adaptação aos arrozeiros da região. O motivo: ausência de parâmetros claros sobre o uso de defensivos agrícolas na Área de Preservação Ambiental (APA) do Banhado Grande, onde ficam as áreas irrigáveis.

    Seria ncessário que a região já tivesse um plano de manejo estabelecendo claramente os limites para o licenciamento ambiental naquela área e os usos do solo. O problema é que o conselho de gestão da APA não foi convocado a se reunir, pela Sema, durante o ano inteiro. A única convocação está prevista para a próxima segunda, e lá, acredita-se, estará em pauta uma proposta com diretrizes para os licenciamentos na APA do Banhado Grande. Agora, depois de iniciado o plantio de arroz na região. 

    • mais médicos
      Saída de médicos cubanos preocupa prefeitura
      por Rafael Martinelli
    • pequenas empresas, grandes histórias
      COM VÍDEO | Lentes que retratam vidas
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • saúde
      Frente de prefeitos reage a saída de médicos cubanos
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Hoje até vereador comemora médicos indo embora
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Todo sábado é dia para adotar um pet na Sperk
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • meio ambiente
      COM VÍDEO | A nossa lista vermelha da extinção
      por Eduardo Torres
    • trânsito
      Fim da tranqueira no trânsito está mais próximo
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Saída de médicos cubanos é desastre para Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      OPINIÃO | Não façam Bordignon ’Miss Colômbia’ outra vez
      por Rafael Martinelli
    • meio ambiente
      Cobrança pela água do Gravataí pode gerar R$ 9 mi em um ano
      por Eduardo Torres
    • desejo azul
      Gremistas entregam alegria para crianças doentes
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • seu bolso
      OPINIÃO | Silvio Santos é um velho babão
      por Rafael Martinelli
    • cachoeirinha
      Asfalto em 33 ruas é símbolo para governo Miki
      por Rafael Martinelli com assessoria
    • educação
      OPINIÃO | O big brother da escola sem partido em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • história
      A história da Cachoeirinha do primeiro pedágio
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      ‘Jardins do pesadelo’ estão perto do fim?
      por Silvestre Silva Santos
    • política
      OPINIÃO | 25 nomes para prefeitura de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • polícia
      Jovem executado por engano em hospital era de Cachoeirinha
      por Silvestre Silva Santos
    • vereadores
      Quem leva a presidência da câmara de Gravataí?
      por Rafael Martinelli
    • efeito cascata
      OPINIÃO | Vereadores, não aumentem os salários
      por Rafael Martinelli
    • 2020
      OPINIÃO | A sucessão nas mãos de Marco Alba
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.