notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 25/05/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    aniversário

    Município que se desenvolveu a partir da década de 1970 com o distrito industrial, Cachoeirinha se emancipou de Gravataí em 1966

    Programação tímida nos 52 anos da emancipação de Cachoeirinha

    por Silvestre Silva Santos | Publicada em 15/05/2018 às 15h58| Atualizada em 16/05/2018 às 00h13

    Uma cerimônia de Ação de Graças às 20h desta terça-feira (15/5) no auditório da Escola Adventista (rua Antônio Bastos, 291) assinala o transcurso, hoje, dos 52 anos de emancipação do município de Cachoeirinha. Também hoje a assessoria do gabinete do prefeito Miki Breier (PSB) tornou público um vídeo institucional comemorativo à data, que mostra aspectos urbanos, obras realizadas e fala que, aos 52 anos, Cachoeirinha é uma jovem cidade.

    A tímida programação deste ano alusiva ao aniversário do município que se emancipou de Gravataí em 1966, tem no próximo domingo (20/5) a ‘Gincana Cachoeirinha 2018 - 52 anos de Feliz Cidade’. Vai ser das 9h30min até as 18h30min no Parcão de Cachoeirinha, atrás da Brigada Militar e Corpo de Bombeiros, acesso ao Parque da Matriz.

    O ponto alto, porém, está previsto para a noite da quarta da próxima semana (23/5) quando acontecerão palestra e jantar no Salão Rosa dos Ventos (rua Papa Jão XXIII, 1.069). O palestrante vai ser ninguém menos que o fundador da rede de lojas Lebes, Otélio Drebes, que vai abordar “A trajetória, os desafios e os segredos do sucesso”. O ingresso cobrado é um quilo de alimento não perecível para posterior encaminhamento às entidades assistenciais beneficentes da cidade.

     

    Sobre Cachoeirinha

     

    1

    A instalação do município de Cachoeirinha — autorizada pela Lei Municipal 5090/65, de 9 de novembro de 1965 — deu-se em 15 de maio de 1966, data em que se comemora oficialmente sua emancipação política de Gravataí.

     

    2

    O nome Cachoeirinha teve origem em uma pequena queda d'água localizada a cerca de um quilômetro acima da ponte do rio Gravataí, que impedia a navegação, principalmente em épocas de estiagem.

     

    3

    Em 1925 surgiu a ponte de ferro, de sentido único de trânsito, que terminaria virando símbolo da cidade, mesmo depois de desmontada e vendida a um ferro-velho.

     

    4

    Em 1928 o governo estadual ordenou que fosse dinamitada a rocha que formava a queda d'água, em função das obras de dragagem que estavam sendo feitas para facilitar a navegação entre os municípios de Santo Antônio da Patrulha, Gravataí e Porto Alegre.

     

    5

    Cachoeirinha tem uma área de 44 quilômetros quadrados, constituindo-se em um dos menores municípios gaúchos em extensão territorial. No passado, quando ainda era distrito de Gravataí, as terras pertenciam ao coronel João Batista Soares da Silveira e Souza.

     

    6

    Com seu falecimento, em 1923, os herdeiros iniciaram a venda das terras, e começou a expansão do então distrito. Foram abertas as ruas Tamoio, Tabajara, Tapajós e Tupi e a atual Papa João XXIII, formando-se o primeiro loteamento local, a Vila Cachoeirinha.

     

    7

    Em 1959 iniciaram-se as reuniões para a emancipação do município, na casa de José Teixeira, que se tornou, depois, a sede da Aliança Democrática Popular e, mais adiante, dos Correios. Mas essa primeira tentativa de emancipação não teve êxito por falta de apoio da população.

     

    8

    Só em 1965, quando surgiu um terceiro movimento emancipatório, chegou-se à vitória, graças à grande representação política que o distrito tinha, então, em Gravataí, uma vez que três vereadores — José Prior, Osvaldo Correia e Martinho Espíndola — e o vice-prefeito Rui Teixeira, residiam no distrito de Cachoeirinha.

     

    PARA SABER

     

    : Inicialmente, a economia de Cachoeirinha estava baseada no cultivo de hortifrutigranjeiros e na criação de gado, destacando-se, sobretudo, pela produção leiteira, o que a levou a ser reconhecida como "Cidade do Leite".

     

    : Na década de 1970 a economia do município diversificou-se e ganhou força com a instalação do distrito industrial, o que provocou uma ‘onda’ migratória de catarinenses e gaúchos provenientes de regiões como Palmeira das Missões, Santa Maria e Santo Antônio da Patrulha.

     

    : Esse distrito foi significativamente ampliado com a instalação da fábrica da Souza Cruz, a mais importante da empresa na América Latina, que chegou a abrigar também um  parque gráfico transferido do Rio de Janeiro. Atualmente a fábrica está desativada.

    : Localizada a 17 quilômetros do centro de Porto Alegre, Cachoeirinha faz divisa também com Gravataí, Esteio, Alvorada, Canoas e Sapucaia do Sul, o que a transformou em polo logístico que se destaca ainda por sua força nas áreas industrial, comercial e cultural.

     

    Para assistir ao vídeo institucional da Prefeitura sobre os 52 anos de Cachoeirinha, clique na imagem abaixo.

     

     

     

     

    • dia de caos
      Greve deixa Gravataí e Cachoeirinha às moscas
      por Silvestre Silva Santos
    • dias de caos
      OPINIÃO | Sou contra a greve dos patrões dos caminhoneiros
      por Rafael Martinelli
    • dia de caos
      Tudo sobre a crise dos combustíveis
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • dias de caos
      OPINIÃO | Você, a vítima da greve dos caminhoneiros
      por Rafael Martinelli
    • esporte
      Vitória de mão cheia do futebol feminino
      por Eduardo Torres
    • transporte
      Linhas de ônibus mudam horários a partir desta quinta
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • mobilidade
      Seis meses para Prefeitura mudar as calçadas do centro
      por Silvestre Silva Santos
    • no tse
      PMDB recorre de absolvição de Bordignon
      por Rafael Martinelli
    • trânsito seguro
      Se beber... Balada Segura vai às vilas
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • câmara
      Vereadores precisam cuidar com projetos demagógicos
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Caminhoneiros fazem a GM parar a produção
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      E os 17 milhões não eram só para wi-fi nas praças
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      Em ação o Big Brother da segurança de Gravataí
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • rio limpo
      Navegando com pachamama ao futuro do Gravataí
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.