notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 18/10/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    o seguinte indica:

    Lúcio Flávio Vilar Lyrio, foi marginal famoso na crônica policial brasileira no final da década de 60 e inicio da década de 70

    O que a história do bandido Lúcio Flávio tem a ensinar a Temer e Aécio?

    por Carlos Wagner | Histórias Mal Contadas | Publicada em 25/05/2017 às 17h32| Atualizada em 25/05/2017 às 17h33

    Existem pistas na história do famoso bandido carioca dos anos 70 Lúcio Flávio, para entender as relações entre o presidente da República, Michel Temer (PMDB – SP) e o senador Aécio Neves (PSDB – MG) com os irmãos Joesley e Wesley Batista, donos do JBS. É de cair o queixo a intimidade entre Temer, Aécio e os empresários revelada na delação premiada dos irmãos à Lava Jato. Intimidade semelhante existia entre o bandido carioca e os policiais que corrompia para permanecer em liberdade – a história é contada no filme “Lúcio Flávio, o Passageiro da Agonia, de Hector Babenco, em inúmeros livros e em teses de mestrado. Dono de um QI acima da média e de uma aparência elegante, Lúcio Flávio cunhou a seguinte frase quando descobriu que os policiais corruptos iriam se livrar dele para não serem delatados (ele foi morto na prisão):
    – Polícia é polícia, bandido é bandido.

    A frase de Lúcio Flávio é uma das leis no mundo do crime: é cada um por si quando a casa cai, como se refere o jargão dos investigadores policiais para descrever o momento em que o bandido é preso. Escutando, lendo e vendo as declarações do presidente Temer e dos aliados do senador, tem-se a ideia que eles acreditavam que os irmãos Batista iriam para a cadeia e não abririam a boca. Entre todos os delatores da Operação Lava Jato, os irmãos foram os que entregaram as duas cabeças mais valiosas: a de um presidente e a de um senador símbolo da oposição ao PT. A cabeça deles foi muito valorizada quando tiveram sucesso na conspiração que resultou no impeachment da presidente da República Dilma Rousseff (PT – RS), de quem Temer era vice.

    Nessa conspiração, era aliado deles o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB – RJ), que, com as suas pautas-bomba – projetos que resultariam em grandes gastos para o governo federal – ajudou detonar a já frágil economia do país. Cunha foi cassado e condenado pelo juiz Sérgio Moro, da Operação Lava Jato, e cumpre pena na Região Metropolitana de Curitiba (PR). As delações dos empresários mostram como essa aliança foi irrigada pelo dinheiro ilegal. Mais ainda: orientados por investigadores da força-tarefa da Lava Jato, os irmãos seguiram um roteiro estarrecedor de coleta de provas contra os dois políticos.

    Aqui, eu gostaria de refletir com os meus colegas repórteres, principalmente os novatos, sobre a delação dos irmãos. O grupo político do Temer e o de Aécio é formado por pessoas experientes e muito bem articuladas. Eles têm olhos e ouvidos em toda a máquina administrativa do governo federal. A pergunta é a seguinte: como não se deram conta do que os donos do JBS estavam armando para eles? Ou descobriram e estão perdendo os anéis para não perderem os dedos?

     

    Carlos Wagner é repórter e o texto foi publicado originalmente em seu imperdível blog Histórias Mal Contadas.

    • monumento
      A Cruz Missioneira está coberta pela ferrugem
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Um indício de para onde vai o Jô
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      O ’CPF cancelado’ e o pior dia da vida
      por Rafael Martinelli
    • 3º Neurônio | estilo
      Em forma sem mover um músculo
      por Salomé Garcia | El País
    • feira do livro
      O patrono que desenha todos os pequenos leitores
      por Redação
    • opinião
      A ladaia e a fake news no julgamento do STF
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Régis na Saúde seria Dr. Levi com Marco Alba
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Entre mortos e feridos, o Plano Diretor de Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      ’Nereu do Bolsonaro’ é absolvido de caixa 2
      por Rafael Martinelli
    • cachoeirinha
      ’Lei do Táxi’ muda em tempos de Uber e Apps
      por Redação
    • opinião
      PT responde Rosane Bordignon; Irmã Dulce não, né?
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      GM de Gravataí já produz dois novos modelos
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Gravataí ganha 4 mi por calote de empresa das creches
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      PT só tem ladrão e defensor de ladrão, diz Rosane Bordignon
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Rita não esquece os golpistas; a esquerda e a cadeia
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Roger não no Inter, mas Presidente do Brasil!
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      É importante o prefeito na Boa Vista do Cadeado
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.