notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 18/10/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    o seguinte indica:

    Senador mineiro Aécio Neves, do PSDB

    Aécio preferiu a adrenalina da vida de fora da lei a sua carreira política

    por por Carlos Wagner | Histórias Mal Contadas | Publicada em 22/05/2017 às 11h42| Atualizada em 22/05/2017 às 11h46

    Ao ver nos noticiários o entusiasmo com que falava e o linguajar de mesa de boteco do senador Aécio Neves (PSDB – MG) pedindo propina para o empresário Joesley Batista, da JBS, fiquei com a sensação que já visto e ouvido aquilo antes. O comportamento do senador era totalmente diferente da sua imagem pública: a de um homem educado, de pensamento articulado e de uma imensa riqueza de vocabulário. Algum tempo depois, lembrei onde tinha visto e ouvido um quadro semelhante à conversa do senador – gravada e com o áudio entregue pelo empresário à Procuradoria-Geral da República em delação premiada. Tinha sido nas interceptações telefônicas, autorizadas pela Justiça, entre os quadrilheiros que assaltavam carros-fortes nas estradas gaúchas. Eram assaltos cinematográficos, que rendiam muito dinheiro para os bandidos. Por quase uma década, essas quadrilhas apavoraram. Como repórter, escutei horas e horas das interceptações telefônicas nas delegacias. O meu interesse era no maior bandido de todos, José Carlos dos Santos, o Seco, na época com 26 anos e atualmente cumprindo uma pena de 150 anos na Penitenciária de Segurança Máxima de Charqueadas, Região Metropolitana de Porto Alegre.
    Até os 24 anos, Seco era um jovem de classe média de Candelária, pequeno município agrícola gaúcho. Inteligente, educado e boa pinta, ele fazia sucesso na cidade. O que ninguém sabia é que ele tinha vida dupla, em que era um bem sucedido e respeitado ladrão de carros-fortes. Ele inventou uma tecnologia de assaltar que inovou o ramo no Brasil. Ele protegia o corpo com colchões – esse usados em acampamento – , a cabeça com um capacete de motoqueiro e as mãos com luvas e sentava-se na direção de uma caminhão. O veículo era usado para abalroar e tirar da estrada o carro-forte, que era atacado pelos quadrilheiros – arrombavam as portas com dinamite e usavam armas de grosso calibre na troca de tiros com a tripulação. Ouvi algumas interceptações telefônicas de Seco e de seus quadrilheiros falando com os seus amigos depois de assalto. Descreviam a ação com entusiasmo, era pura adrenalina.
    Na ocasião, para entender o entusiasmo dos bandidos, consultei vários especialistas. De modo geral, eles falaram que o estilo de vida – fugas espetaculares da polícia, enfrentamentos armados com tripulantes de carros-fortes e grandes somas de dinheiro – formavam uma rotina viciante de vida.
    Voltando ao caso do senador Aécio. Mesmo com a força-tarefa da Lava Jato em plena atividade, ele continuou a sua relação clandestina com o empresário da JBS. Não conseguiu cortar os vínculos. E, nas conversas que teve, que foram gravadas, ele não tem papas na língua, fala com entusiasmo. Ele tinha consciência que, se fosse descoberto, toda a sua vida seria virado do avesso. Mas, movido pela adrenalina, ele continuou caminhando no fio da navalha. Lembro que o Seco era o bandido mais procurado no Rio Grande do Sul. Continuou agindo até ser preso, eu estava lá quando aconteceu. Houve um tiroteio, e ele foi baleado na perna. Mesmo sendo exibido como um troféu pela polícia, Seco manteve a altivez. O senador ainda não deu sua versão sobre o que aconteceu.

     

    Carlos Wagner é repórter e o texto foi publicado originalmente em seu imperdível blog Histórias Mal Contadas.

     

    LEIA TAMBÉM

    Carlos Wagner: o dino do jornalismo gaúcho

    • monumento
      A Cruz Missioneira está coberta pela ferrugem
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Um indício de para onde vai o Jô
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      O ’CPF cancelado’ e o pior dia da vida
      por Rafael Martinelli
    • 3º Neurônio | estilo
      Em forma sem mover um músculo
      por Salomé Garcia | El País
    • feira do livro
      O patrono que desenha todos os pequenos leitores
      por Redação
    • opinião
      A ladaia e a fake news no julgamento do STF
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Régis na Saúde seria Dr. Levi com Marco Alba
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Entre mortos e feridos, o Plano Diretor de Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      ’Nereu do Bolsonaro’ é absolvido de caixa 2
      por Rafael Martinelli
    • cachoeirinha
      ’Lei do Táxi’ muda em tempos de Uber e Apps
      por Redação
    • opinião
      PT responde Rosane Bordignon; Irmã Dulce não, né?
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      GM de Gravataí já produz dois novos modelos
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Gravataí ganha 4 mi por calote de empresa das creches
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      PT só tem ladrão e defensor de ladrão, diz Rosane Bordignon
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Rita não esquece os golpistas; a esquerda e a cadeia
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Roger não no Inter, mas Presidente do Brasil!
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      É importante o prefeito na Boa Vista do Cadeado
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.