notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 04/08/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    o seguinte indica:

    Fila de eleitores em um colégio eleitoral em São Paulo, no dia 2 de outubro

    Eleições mostram que é preciso amadurecer a discussão sobre o voto obrigatório, diz CEO do Ibope

    por Marina Novaes | El País | Publicada em 05/10/2016 às 14h20

    Ao EL PAÍS, Marcia Cavallari, CEO do Ibope, explica como o alto índice de desinteressados pela corrida eleitoral contribuiu para os resultados obtidos nas urnas neste ano

     

    Metade dos eleitores de São Paulo e do Rio de Janeiro, os dois principais colégios eleitorais do Brasil, estavam assumidamente desinteressados das eleições municipais de 2016. Às vésperas do primeiro turno, 49% dos eleitores da capital paulista diziam ter pouco (23%) ou nenhum (26%) interesse pela disputa para a prefeitura, percentual semelhante ao do Rio, onde 54% admitiam que não estavam muito aí para o assunto também. O índice, obtido com base nas entrevistas nos últimos três dias antes da votação, chamou a atenção da CEO do Ibope Inteligência, um dos principais institutos de pesquisa do Brasil, Marcia Cavallari.

    Na entrevista ao EL PAÍS, a pesquisadora disse que o alto grau de desinteresse não só ajuda a entender os resultados (e as diferenças nas intenções de voto mostradas antes do pleito), mas também o momento histórico que o Brasil vive: o brasileiro está desiludido e, nesse cenário, ganhou quem convenceu ser pragmático.

    A eleição de 2016 também confirmou uma tendência que os institutos vêm observando desde 2014: o eleitor está mudando de ideia cada vez mais rápido e em cima da hora de votar e, com isso, os levantamentos não estão conseguindo acompanhar o ritmo da volatilidade eleitoral.

    - É a hora de a gente rever e aprimorar os métodos de pesquisa - disse Marcia, que atua há mais de 30 anos no segmento.

    Na entrevista, a pesquisadora fala ainda sobre o fenômeno João Doria (eleito no 1º turno em São Paulo) e o impacto que o tsunami de notícias de 2016 (impeachment, Olimpíada e Lava Jato) teve sobre as urnas.

    O Seguinte: recomenda a leitura da entrevista na íntegra clicando aqui.

    • crise do coronavírus
      Gravataí registra 1 morte a cada 24h em agosto
      por Redação
    • política
      Paz vai à guerra; áudio vazado detona oposição
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Miki cedeu; Cachoeirinha vai abrir até bares, boates e cinemas
      por Rafael Martinelli
    • mundo
      Gravataiense radicado no Líbano está à salvo de explosão em Beirute
      por Redação
    • operação capital
      Como político de Gravataí foi envolvido na ’Lava Jato de Viamão’; Carlito Gandhi de Calcutá
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Gravataí território livre da cloroquina; é fria, prefeito!
      por Rafael Martinelli
    • política
      O post feliz de Dilamar; apoio de Bordignon a Dimas não é
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Gravataí em ’coma’ pela COVID; Mortes crescem 300 por cento e prefeito alerta paradas, interior e Moradas
      por Rafael Martinelli
    • política
      Dimas e Evandro escorregam na poça d´água da política; mais guardas não é prioridade em uma pandemia
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.