notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 14/11/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    luto no esporte

    Com a esposa, Kafão comandou o América por mais de 10 anos

    Morre Kafão, o idealizador do Torneio do América

    por Eduardo Torres | Publicada em 03/05/2018 às 12h24| Atualizada em 09/05/2018 às 19h57

    O esporte de Gravataí amanheceu de luto nesta quinta-feira (3). Cláudio Valério, o Kafão, um dos maiores entusiastas do futebol amador da cidade, não resistiu a um AVC hemorrágico sofrido na última segunda-feira, e morreu no final da noite de quarta, no Hospital Dom João Becker. Ele será sepultado às 17h desta quinta, no Cemitério Municipal, no centro da cidade.

    Aos 60 anos, pai de quatro filhos, Kafão era um dos símbolos do Torneio do América, um dos mais tradicionais do futebol amador do Rio Grande do Sul. Semanas atrás, a 43ª edição havia encerrado, com a conquista do Onze Unidos, de Cachoeirinha.

    — Era impossível ver o Cafão e a esposa dele sem pensar no América. O futebol da cidade perde muito, porque ele era um ícone e realmente dedicava a vida a esta causa — lembra o jornalista Sérgio Lourenço da Rocha, que há 16 anos edita a Revista Bola em Jogo. Praticamente o mesmo tempo em que Kafão e a esposa, Jack Valério, lideram o tradicional clube de Gravataí.

    Na última sexta, o Sérgio conversou pela última vez com o dirigente. O assunto, é claro, foi o América.

    — Ele estava mito bem. Estava entusiasmado com o novo projeto das escolinhas — conta.

    Pelo Facebook do clube, era possível acompanhar a nova formação da escolinha própria do América. Tudo era motivo para movimentar o campo e o esporte amador da cidade.

    — O América sempre esteve na vida dele — resume a filha mais jovem, Mariane Reis Valério, hoje com 18 anos.

    Uma causa que mobilizava a família e criava novos laços. Foi assim com o Ricardo Ramos, atualmente treinador da Amovale. Seis anos atrás, foi o Kafão, que virou o seu padrinho, quem abriu os caminhos do Ramos no amador. Foi revelação comandando o time Sub-15 do Águia Azul.

    Aliás, foi o Kafão quem conseguiu os uniformes para os meninos.

    — Era um dos pilares do futebol amador de Gravataí. Eu considero ele no mesmo nível de nomes como o Rudi, o Bereta e o Irani Teixeira. Hoje o dia amanheceu cinza, muito triste — lamenta o Ricardo.

     

    Kafão (segundo da esquerda para a direita), durante a última edição do Torneio do América

    Tradição do Torneio do América

     

    Neste ano, o Torneio do América chegou à 43ª edição em ritmo de recuperação. Participaram 16 times, quase todos da região de Gravataí e Cachoeirinha. Fazia dois anos que Kafão e a esposa batalhavam para refazer a imagem do tradicional torneio depois do incidente em que não tiveram nenhuma culpa.

    Um ataque criminoso vitimou dois homens que jogavam por uma das equipes de Porto Alegre do lado de fora do América na edição de 2016 do torneio. Era um confronto entre facções criminosas, sem nenhuma relação com a segurança ou a organização do evento.

    — Era uma tristeza que o Kafão tinha, e que estava fazendo um grande esforço para recolocar o torneio no seu espaço, atraindo os times novamente para o América — conta Sérgio Rocha.

    E credibilidade nunca faltou. Vencer o Torneio do América, no mundo do amador, é uma grife. Já foi considerado o maior torneio nestes moldes em todo o Rio Grande do Sul.

    — Pode até não ser mais o maior, mas com certeza é um dos mais importantes. O Kafão teve papel fundamental nisso — garante o jornalista.

    Agora, esta será uma missão da companheira de 32 anos de união, a Jack.

    • meio ambiente
      Cobrança pela água do Gravataí pode gerar R$ 9 mi em um ano
      por Eduardo Torres
    • desejo azul
      Gremistas entregam alegria para crianças doentes
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • seu bolso
      OPINIÃO | Silvio Santos é um velho babão
      por Rafael Martinelli
    • cachoeirinha
      Asfalto em 33 ruas é símbolo para governo Miki
      por Rafael Martinelli com assessoria
    • educação
      OPINIÃO | O big brother da escola sem partido em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • história
      A história da Cachoeirinha do primeiro pedágio
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      ‘Jardins do pesadelo’ estão perto do fim?
      por Silvestre Silva Santos
    • meio ambiente
      Semana para definir rumos da proteção do Rio Gravataí
      por Eduardo Torres
    • política
      OPINIÃO | 25 nomes para prefeitura de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • polícia
      Jovem executado por engano em hospital era de Cachoeirinha
      por Silvestre Silva Santos
    • vereadores
      Quem leva a presidência da câmara de Gravataí?
      por Rafael Martinelli
    • gravataí
      OPINIÃO | Aumento para os vereadores? Não recomenda-se
      por Rafael Martinelli
    • 2020
      OPINIÃO | A sucessão nas mãos de Marco Alba
      por Rafael Martinelli
    • violência no esporte
      O soco que mudou a vida de Régis
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.