notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 18/10/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    cultura

    Jean Fredrick tinha banda em Porto Príncipe e agora tenta a sorte no Brasil

    O som do Haiti que toca em Gravataí

    por Eduardo Torres | Publicada em 27/04/2018 às 14h01| Atualizada em 07/05/2018 às 13h57

    Quem canta, seus males espanta. E quando um destes males é o preconceito, há mais um motivo para que a música quebre barreiras. É pensando assim que a Unisinos, em parceria com a Sigmund Records, de Porto Alegre, vai reunir músicos imigrantes — principalmente haitianos e senegaleses — da Capital e da Região Metropolitana para um novo projeto. A ideia é lançar alguns destes músicos no Brasil e no Exterior. Neste domingo, acontece o primeiro encontro com os talentos imigrantes, uma espécie de jam session para que todos se conheçam. E vai ter participação de Gravataí.

    O haitiano Jean Fredrick Astier, 36 anos, vai apresentar o seu reggae no encontro, que será mais uma oportunidade para ter seu trabalho visto aqui no Brasil. Em Porto Príncipe, capital do Haiti, onde viveu até cerca de cinco anos atrás, ele tinha uma banda, mas a música não rendia o suficiente. Ele dividia o tempo entre a banda e o trabalho como mecânico industrial.

    Os parceiros de banda ficaram lá. Fredrick ainda passou pela República Dominicana antes que o irmão o ajudasse a conseguir um visto para o Brasil. Foi há três anos e meio que ele desembarcou diretamente em Gravataí. Um ano e meio depois, conseguiu trazer a Nancy Fontelmy e o filho Fredrick Junior, hoje com cinco anos. Estabeleceram-se na Cohab B e agora Fredrick já é pai também da Adriana, de um ano e dois meses, nascida no Brasil.

    — Este país é muito legal. Eu trabalho bastante e os amigos me ajudam muito também para que tudo dê certo por aqui — diz o Fredrick.

     

    Confere um pouco do som do Jean Fredrick:

     

    Ele trabalha como barbeiro, mas também com informática e manutenção de equipamentos eletrônicos. E, é claro, compõe seus reggaes. Um amigo gravou dois clipes, que estão no Youtube e até um CD, distribuído entre conhecidos pela cidade.

    — O pessoal gostou do som — garante ele.

    Um dos incentivadores é outro haitiano radicado em Gravataí. O Wensky Archange é vice-presidente da Associação dos Haitianos no Rio Grande do Sul e tem um programa na Rádio Verdes Mares, todo domingo às 17h, para a divulgação da música haitiana. Chama-se  Sopão Cultural.

    — É uma forma de unir os imigrantes e mostrar para o brasileiro a nossa cultura. O programa também mostra muito da música daqui, e essa integração é muito legal — diz.

    Wensky estima que em torno de 15 artistas haitianos vão se apresentar no domingo, em Porto Alegre. E haverá ainda os senegaleses.

    A projeção dos organizadores é de que o projeto vá para a rua em novembro.

    Então, Bonne chance!

     

    LEIA TAMBÉM

    COM VÍDEO | Gravataienses e haitianos driblam o preconceito

    OPINIÃO | Não anda fácil ser haitiano

    • monumento
      A Cruz Missioneira está coberta pela ferrugem
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Um indício de para onde vai o Jô
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      O ’CPF cancelado’ e o pior dia da vida
      por Rafael Martinelli
    • 3º Neurônio | estilo
      Em forma sem mover um músculo
      por Salomé Garcia | El País
    • feira do livro
      O patrono que desenha todos os pequenos leitores
      por Redação
    • opinião
      A ladaia e a fake news no julgamento do STF
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Régis na Saúde seria Dr. Levi com Marco Alba
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Entre mortos e feridos, o Plano Diretor de Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      ’Nereu do Bolsonaro’ é absolvido de caixa 2
      por Rafael Martinelli
    • cachoeirinha
      ’Lei do Táxi’ muda em tempos de Uber e Apps
      por Redação
    • opinião
      PT responde Rosane Bordignon; Irmã Dulce não, né?
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      GM de Gravataí já produz dois novos modelos
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Gravataí ganha 4 mi por calote de empresa das creches
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      PT só tem ladrão e defensor de ladrão, diz Rosane Bordignon
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Rita não esquece os golpistas; a esquerda e a cadeia
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Roger não no Inter, mas Presidente do Brasil!
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      É importante o prefeito na Boa Vista do Cadeado
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.