notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 16/02/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    cultura

    Jean Fredrick tinha banda em Porto Príncipe e agora tenta a sorte no Brasil

    O som do Haiti que toca em Gravataí

    por Eduardo Torres | Publicada em 27/04/2018 às 14h01| Atualizada em 07/05/2018 às 13h57

    Quem canta, seus males espanta. E quando um destes males é o preconceito, há mais um motivo para que a música quebre barreiras. É pensando assim que a Unisinos, em parceria com a Sigmund Records, de Porto Alegre, vai reunir músicos imigrantes — principalmente haitianos e senegaleses — da Capital e da Região Metropolitana para um novo projeto. A ideia é lançar alguns destes músicos no Brasil e no Exterior. Neste domingo, acontece o primeiro encontro com os talentos imigrantes, uma espécie de jam session para que todos se conheçam. E vai ter participação de Gravataí.

    O haitiano Jean Fredrick Astier, 36 anos, vai apresentar o seu reggae no encontro, que será mais uma oportunidade para ter seu trabalho visto aqui no Brasil. Em Porto Príncipe, capital do Haiti, onde viveu até cerca de cinco anos atrás, ele tinha uma banda, mas a música não rendia o suficiente. Ele dividia o tempo entre a banda e o trabalho como mecânico industrial.

    Os parceiros de banda ficaram lá. Fredrick ainda passou pela República Dominicana antes que o irmão o ajudasse a conseguir um visto para o Brasil. Foi há três anos e meio que ele desembarcou diretamente em Gravataí. Um ano e meio depois, conseguiu trazer a Nancy Fontelmy e o filho Fredrick Junior, hoje com cinco anos. Estabeleceram-se na Cohab B e agora Fredrick já é pai também da Adriana, de um ano e dois meses, nascida no Brasil.

    — Este país é muito legal. Eu trabalho bastante e os amigos me ajudam muito também para que tudo dê certo por aqui — diz o Fredrick.

     

    Confere um pouco do som do Jean Fredrick:

     

    Ele trabalha como barbeiro, mas também com informática e manutenção de equipamentos eletrônicos. E, é claro, compõe seus reggaes. Um amigo gravou dois clipes, que estão no Youtube e até um CD, distribuído entre conhecidos pela cidade.

    — O pessoal gostou do som — garante ele.

    Um dos incentivadores é outro haitiano radicado em Gravataí. O Wensky Archange é vice-presidente da Associação dos Haitianos no Rio Grande do Sul e tem um programa na Rádio Verdes Mares, todo domingo às 17h, para a divulgação da música haitiana. Chama-se  Sopão Cultural.

    — É uma forma de unir os imigrantes e mostrar para o brasileiro a nossa cultura. O programa também mostra muito da música daqui, e essa integração é muito legal — diz.

    Wensky estima que em torno de 15 artistas haitianos vão se apresentar no domingo, em Porto Alegre. E haverá ainda os senegaleses.

    A projeção dos organizadores é de que o projeto vá para a rua em novembro.

    Então, Bonne chance!

     

    LEIA TAMBÉM

    COM VÍDEO | Gravataienses e haitianos driblam o preconceito

    OPINIÃO | Não anda fácil ser haitiano

    • opinião
      Gravataí perde com sapos na frigideira; governo e oposição
      por Rafael Martinelli
    • 3º Neurônio | entrevista
      Moneyland, o estado máximo do ultraliberalismo
      por Oliver Bullough em entrevista a Ricardo Dudda, traduzido pelo IHU
    • 3º Neurônio | humor
      Parasitas
      por Fraga
    • 3º Neurônio | crônica
      A vida ao lado de um homem que tem megatons de frustração represados
      por Leila Guerriero | El País
    • opinião
      Avante criado para apoiar Anabel; o partido do Diones
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Todos contra o pedágio de Marchezan!; sorriam empresas de ônibus, vocês terão seu aumento
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Dimas não se escondeu após escândalo que envolveu aliado; a I Eleição das Fake News
      por Rafael Martinelli
    • 3º Neurônio | opinião
      Quanto mais puros em sua fé, mais perigosos
      por Rosa Montero | El País
    • pórtico
      Vândalos atacaram o coração de Gravataí
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • opinião
      Silêncio é pena capital para prefeito afastado em Viamão; o herói incômodo
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Zaffalon, cada vez mais o prefeiturável de Marco Alba
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Pablo Hernandez agora é E-E-Eymael; a tara e o assombro dos ’petralhas’
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Partido do governo desmente versão da CPI sobre acesso a documentos; a zorra é total
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Câmara pede direito de resposta sobre artigo da CPI do Lixo
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Político de Gravataí envolvido em suspeita de corrupção em Viamão
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Questões sobre a CPI do Lixo; do Fantástico ao Zorra Total
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Por que Gravataí ainda não abriu a ’creche de Jornal Nacional’
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.