notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 14/11/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    direto do líbano

    Casados há dez dias, Maribel e Rafaeli estão em lua-de-mel no Brasil

    Deu match! Gravataí e Líbano unidos pela internet

    por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt | Publicada em 25/04/2018 às 16h49| Atualizada em 07/05/2018 às 13h57

    Tudo começou em janeiro de 2014, com um pedido de amizade pelo Facebook. Rafaeli, um auxiliar de enfermagem brasileiro, de Gravataí. E do outro lado deste convite, Maribel, uma bancária libanesa de Jounie, cidade a 20 quilômetros e Beirute. 

    — Olhei aquele convite, vi que não tínhamos amizades ou grupos em comum. Não iria aceitar. Mas ele insistiu, disse que gostava de conhecer pessoas e culturas diferentes. Eu acreditei — conta ela, que desde o dia 15 de abril assina Maribel Marques, como o marido.

    O namoro somente virtual durou um ano e três meses até que o Rafaeli tomasse coragem para visitar o Líbano. Encontou-se com a até então namorada virtual, e com o país que o recebeu. Mas voltou para o Rio Grande do Sul. Depois, Maribel o visitou aqui, e a vontade de encurtarem essa distância só crescia.

    — Decidimos que eu iria para lá, por todos os vínculos que a Maribel tem na sua terra. Pelo bem dela, e pelo bem do nosso amor, fui morar no Líbano — conta o gravataiense.

    Faz sete meses que vive em Jounie e se tornou um dos pelo menos 10 mil brasileiros em terras libanesas. Ele trabalha no restaurante de outra brasileira, mais especificamente, gaúcha de Viamão. É responsabilidade do Rafaeli assar aquele churrasco, pelo menos, parecido com o daqui. 

     

    Em lua-de-mel, Maribel e Rafaeli conversaram com o Seguinte:

     

    Realidade no Líbano

     

    Nesta semana, o casal, em lua-de-mel, veio ao Brasil a passeio. Serviu para conhecerem lugares como o Rio de Janeiro e para a família de Rafaeli, em Gravataí, conhecer a Maribel. Mais do que isso, foi também uma forma de tranquilizar os amigos e familiares sobre a situação no país que faz fronteira com a Síria.

    — Brasileiro se assusta um pouco, porque os caças sobrevoam o país para os ataques na Síria. Mas os libaneses estão tranquilos. É errado pensar que o Oriente Médio vive uma guerra aberta. Viver no Líbano é mais seguro do que no Brasil, por exemplo — comenta ele.

     

    Leia também:

    Gravataiense casa vizinho da guerra na Síria

     

    A viagem do casal aconteceu justamente no período da polêmica envolvendo as senadoras Gleisi Hoffmann (PT) e Ana Amélia Lemos (PP), e uma enorme confusão nas redes sociais, depois de uma entrevista para a rede de televisão Al Jazeera.

    — Confundir Al Jazeera com Al Qaeda é desonestidade. As pessoas deveriam se informar melhor. Essa imagem de que todo o Oriente Médio é cheio de terroristas é um erro. Até mesmo o Hezbollah, que é visto no Ocidente somente como um grupo terrorista, mas no Líbano, eles representam um grupo muito organizado, de pessoas muito bem educadas. Têm uma rede de televisão organizada. São eles que impediram, por exemplo, que o Estado Islâmico entrasse no Líbano — conta o gravataiense.

     

    Rafaeli, o poliglota?


    No final desta semana, Maribel e Rafaeli voltam ao Líbano. E ele já tem uma missão paa os próximos meses: aprender o árabe.

    É uma forma de conviver melhor no país. Entre eles, porém, a linguagem não é um problema. Maribel é poliglota. Fala cinco línguas, algo bem comum no país que tem três línguas consideradas oficiais. Fala-se o árabe, o francês e o inglês. 

    — Eu já me viro no francês — garante o brasileiro.

    Por via das dúvidas, ele domina também a churrasqueira, o que é sempre um excelente cartão de visitas: 

    — Recomendo a picanha, lá no Líbano.

    • meio ambiente
      Cobrança pela água do Gravataí pode gerar R$ 9 mi em um ano
      por Eduardo Torres
    • desejo azul
      Gremistas entregam alegria para crianças doentes
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • seu bolso
      OPINIÃO | Silvio Santos é um velho babão
      por Rafael Martinelli
    • cachoeirinha
      Asfalto em 33 ruas é símbolo para governo Miki
      por Rafael Martinelli com assessoria
    • educação
      OPINIÃO | O big brother da escola sem partido em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • história
      A história da Cachoeirinha do primeiro pedágio
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      ‘Jardins do pesadelo’ estão perto do fim?
      por Silvestre Silva Santos
    • meio ambiente
      Semana para definir rumos da proteção do Rio Gravataí
      por Eduardo Torres
    • política
      OPINIÃO | 25 nomes para prefeitura de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • polícia
      Jovem executado por engano em hospital era de Cachoeirinha
      por Silvestre Silva Santos
    • vereadores
      Quem leva a presidência da câmara de Gravataí?
      por Rafael Martinelli
    • gravataí
      OPINIÃO | Aumento para os vereadores? Não recomenda-se
      por Rafael Martinelli
    • 2020
      OPINIÃO | A sucessão nas mãos de Marco Alba
      por Rafael Martinelli
    • violência no esporte
      O soco que mudou a vida de Régis
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.