notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 03/08/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    tragédia da chape

    Destroços do avião que transportava a Chapecoense e caiu na Colômbia

    É na Balada Segura, o motorista decidindo o bafômetro | Nando Rocha

    por Nando Rocha | Publicada em 30/11/2016 às 16h26

    Quero deixar claro que estou fazendo uma análise leiga e preliminar. Posso estar sendo precipitado e injusto, mas desde ontem, quando começaram a pipocar áudios de outros pilotos - brasileiros e colombianos – comecei a ler bastante sobre as práticas da Lamia - a empresa que levou a Chapecoense - e processos de aviação.

    O avião que levava a Chapecoense seria o único dessa empresa. E levava, preferencialmente, equipes de futebol. Recentemente, levou o próprio Atlético Nacional, equipes da Libertadores, seleções da Bolívia e – pasmem – da Argentina, com Messi e tudo. 
    Esse avião tinha uma autonomia (espécie de limite de voo) de três mil quilômetros. Praticamente a distância exata entre partida e chegada do voo da Chapecoense. Pra economizar combustível, eles abasteciam exatamente o que precisavam pra chegar com o tanque quase vazio ao destino.

    No voo fatídico, a torre teria feito contato com o comandante avisando que um Boeing com problema de escape de combustível estaria fazendo um pouso de emergência. Cinco minutos depois, o piloto notou que estava ficando sem combustível e sondou a torre sobre um pouso de emergência, alegando pane elétrica. Não havia como pousar naquele momento. Num primeiro momento, o piloto teria omitido a informação de que o problema, de fato, era falta de combustível, porque isso acarretaria numa multa que poderia inviabilizar a empresa e, talvez, responsabilizar o próprio piloto pela negligência.

    Não há uma inspeção do órgão de controle de aviação civil, antes de qualquer voo, sobre a relação autonomia de voo / nível de combustível. Essa responsabilidade é do piloto antes de decolar. Pra quem é leigo, como eu, a melhor analogia que encontrei pra explicar é um carro parado numa balada segura com a responsabilidade de analisar o teor alcoólico sendo exclusivamente do condutor do veículo.

    O voo da Chape caiu e não pegou fogo simplesmente porque não tinha mais uma gota de combustível na aeronave. Eles economizaram combustível nos voos anteriores. Tudo estava dando certo. E se conseguissem fazer um pouso de emergência, seguiriam destino e levariam mais dezenas de outras delegações de futebol, como fizera nos últimos anos. Até acontecer um desastre. Como, infelizmente, aconteceu com a Chape. Com quase cem famílias e uma cidade inteira.

    Ainda é a análise imprecisa de um leigo. Mas está claro que houve negligência e alguém precisa pagar por essas vidas.

     

    Nando Rocha, é Administrador e colaborador do Seguinte:

     

    LEIA TAMBÉM:

    Osmar perde o filho no aniversário de 66 anos

    Filipe Machado morre em tragédia da Chapecoense

    Prefeitura lamenta tragédia e morte de Filipe

    As maiores tragédias com jogadores

    • app TEU! Ônibus
      Aplicativo permite saber quando Transcal chega na parada
      por Redação
    • crise do coronavírus
      Gravataí território livre da cloroquina; é fria, prefeito!
      por Rafael Martinelli
    • política
      O post feliz de Dilamar; apoio de Bordignon a Dimas não é
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Estado deixa Gravataí fora de programa de testagem e Prefeitura vai à Justiça; entenda a nova polêmica Marco Alba vs. Eduardo Leite
      por Redação
    • crise do coronavírus
      Miki solta pitbull em Hospital de Campanha sob suspeita
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Gravataí em ’coma’ pela COVID; Mortes crescem 300 por cento e prefeito alerta paradas, interior e Moradas
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Governador quer mais mãos para colorir o mapa da COVID; a lógica do ’Decreto-Pilatos’
      por Rafael Martinelli
    • política
      Dimas e Evandro escorregam na poça d´água da política; mais guardas não é prioridade em uma pandemia
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Vídeo protesto: Associação Comercial faz terraplanismo contra distanciamento social em Cachoeirinha; alerta de cancelamento
      por Rafael Martinelli
    • política
      Em artigo bomba, Marco Alba apela para MDB deixar governo Leite; o ’capitalismo de compadres’
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.