notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 15/07/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    coluna da marcilene

    Decisões, escolhas e consequências

    por Marcilene Forechi | Publicada em 20/03/2020 às 18h

    Há muitos motivos para que tomemos decisões, para que façamos coisas ou para que deixemos de fazê-las. Às vezes, algo é feito porque é preciso; noutras vezes, porque pode ser feito. Há, ainda, casos em que fazemos porque acreditamos que é a única coisa a ser feita.

    Seja qual for o motivo, a grande questão nas escolhas e nas decisões é que elas nunca são individuais. Claro que todos nós acreditamos que as escolhas são nossas e de mais ninguém e desejamos que seja assim. Mas é importante lembrar que as escolhas que fazemos são sempre escolhas que já foram feitas anteriormente.

    Vivemos em uma rede em que é impossível romper um fio sem que haja consequências no restante da teia. E não falo apenas dessa rede formada e mediada pela tecnologia. Falo das redes que se constituem a partir do momento em que nos vemos no mundo como seres humanos.

    Voltando às escolhas, lembro-me de uma frase dita pelo ex-presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton, após o escândalo envolvendo a estagiária da Casa Branca, Mônica Lewinski, na década de 1990. Questionado sobre o motivo pelo qual se envolveu sexualmente com a estagiária, Clinton afirmou: “Fiz porque podia fazer. E esse é o pior dos motivos”.

    Sim, ele admitiu o envolvimento com a estagiária. E o mais interessante no mea culpa do ex-presidente não foi o fato de ter admitido. O mais significativo, na minha avaliação, foi ele ter mencionado o motivo.

    Talvez, as pessoas esperassem que ele dissesse algo como “me apaixonei por ela”, “pensei que ela queria”. Mas ele disse: “Fiz porque podia fazer”. Uma pessoa investida do mais alto cargo dentro de um dos países mais poderosos do mundo pode fazer coisas apenas por ocupar esse lugar.

    Se pensarmos em nossas vidas, perceberemos que fazemos muitas coisas apenas porque podemos fazer, porque há uma autorização (nem sempre explicita) que nos leva a agir e determinadas maneiras e a fazer escolhas.

    Poderia mencionar várias situações recentes para ilustrar, mas volto um pouco no tempo para pensar nos avisos colocados em frente a casas noturnas e outros estabelecimentos comerciais, na primeira metade do século XX, que avisavam aos negros e “as pessoas de cor” que eles não poderiam entrar. Isso era feito porque era possível e permitido fazer.

    Ainda presenciamos cenas de limitação de acesso a determinados lugares em função da cor de pele, mas não se trata mais de uma questão legal ou moralmente aceita. O preconceito, não se iludam, tem histórica, tem nome, tem sobrenome, tem regras. Nada é por acaso, nenhuma escolha é aleatória ou meramente individual.

    Estamos hoje diante de uma situação nunca vista no Brasil. As recomendações dos órgãos de saúde são para que evitemos aglomerações, reuniões e, se possível, saídas de casa. Usamos a palavra quarentena, mas ela não se aplica de forma absoluta porque ninguém está impedido de sair de casa, a não ser pessoas que possuem suspeita de ter contraído vírus.

    Nós, mesmo diante a eminência de uma pandemia de um vírus mortal, podemos fazer escolhas. Mas vejam bem: eu posso escolher não sair de casa porque é a melhor coisa a fazer ou porque posso fazer. Para algumas pessoas (muitas delas), que não têm o privilégio de poder trabalhar em casa, a melhor escolha será pegar um ônibus e ir para o trabalho do outro lado da cidade.

    Onde quero chegar com isso? Escolhas não são absolutas. O mundo gira em torno do sol e não há um astro rei a girar em torno do nosso próprio eixo. Tudo o que fazemos, tudo o que escolhemos tem consequências não apenas nas nossas vidas.

    Não existem escolhas individuais. Somos seres coletivos e formamos um ecossistema interdependente. Escolher não sair de casa, se essa for uma escolha possível, não diz respeito a você apenas.

     

    • crise do coronavírus
      Decreto libera formas de comércio em Gravataí; entenda como
      por Redação
    • política
      Marco Alba, o exterminador de dívidas; como ficarão as contas de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • saúde
      Nova unidade de saúde da família é a mais moderna de Gravataí e fica aberta das 7h às 19h
      por Redação
    • crise do coronavírus
      Prefeito de Viamão testa positivo para a COVID-19 e está hospitalizado; Caso inspira cuidados, diz secretário
      por Cristiano Abreu
    • crise do coronavírus
      Mortalidade da COVID 19 em Gravataí é maior que média gaúcha, igual a Porto Alegre e próxima a São Paulo; siga os dados
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Em ’Decreto Pilatos’, Leite pode permitir Marco Alba e Miki Breier decidir sobre abrir ou fechar comércio em Gravataí e Cachoeirinha; entre vidas e votos
      por Rafael Martinelli
    • negócios
      Atacado do Zaffari vai abrir ao lado da Havan de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Candidato a prefeito luta contra COVID 19
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Não há ’surto’ da COVID 19 na Clínica Rebelato; a informação liberta
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Gravataí e Cachoeirinha testam para COVID 8 vezes menos do que recomenda OMS
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Em 10 dias, Gravataí e Cachoeirinha tem mais casos do que em 4 meses de pandemia
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.