notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 31/03/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    coluna da marcilene

    Quanto você ganha para ser simpática?

    por Marcilene Forechi | Publicada em 03/02/2020 às 12h52

    Nos meus mais de vinte anos de vida profissional já atuei em diversos lugares e com pessoas igualmente diferentes. Em um desses, dividia o espaço e os afazeres com uma jornalista que tinha sempre na ponta da língua a máxima: “sou paga para trabalhar e não para ser simpática”.

    A frase era repetida sempre que alguém ousava reclamar do seu costumeiro mau-humor ou comentar as indelicadezas dela no ambiente de trabalho.

    Foi um tempo curto em que trabalhei sob a supervisão dela, mas o suficiente para perceber que uma pessoa mal-humorada cronicamente e que ignora os sentimentos e o bem-estar de seus pares contamina o ambiente e compromete a qualidade do trabalho.

    De fato, se pensarmos literalmente, ninguém é pago para ser simpático, para ser alegre, para ser gente boa, para ser agradável. Somos pagos, quando temos um emprego ou quando nos dedicamos a vender serviços, para fazermos bem-feito o nosso trabalho.

    Mas eu pergunto: o que significa fazer bem aquilo para o qual somos remunerados?

    Bom, eu acredito que “fazer bem-feito” tem um significado bem mais amplo do que apenas o que remete ao ato de executar com maestria e domínio técnico uma tarefa.

    No caso da minha colega, sua competência se limitava a executar tarefas e a resolver problemas técnicos. Nada, além disto. Não havia em seu modo de agir ou em sua personalidade – que ela dizia ser bipolar, com certo orgulho – empatia, traços de solidariedade, de generosidade, de simpatia.

    A essa altura, você já deve estar se perguntando o que pretendo com essa conversa sobre um episódio da minha vida.

    Lembrei-me desse episódio para dizer que somos convocados o tempo todo a exercer tarefas para as quais necessitamos lançar mão de várias habilidades.

    Neste momento, enquanto escrevo esse texto, não preciso ser simpática com ninguém a não ser comigo mesma. Afinal, trabalho sozinha, no meu homeoffice, para um cliente quese encontraa uma distância de 2,2 mil quilômetros.

    Mas caso alguém leia o texto e decida me enviar uma mensagem, minha competência de nada vai servir se eu não tiver a habilidade de lidar com essa pessoa.  

    Posso ser antipática no sossego do meu escritório, às voltas com meus papéis, meus livros, meu caos interior. Mas quando o trabalho envolve equipe, envolve relacionamentos, é preciso simpática e cordial, sim.

    É preciso mais. É preciso colocar em prática a arte da empatia, que vai além da simpatia simplesmente. Não existe trabalho em equipe que funcione com a sombra de alguém prestes a ter um piripaque a qualquer minuto.

    Ou, pior, alguém que já se apresenta com a máxima: “não espere sorrisos, porque eu sou paga para fazer meu trabalho e não para ser simpática”. 

     

    • crise do coronavírus
      Conselheira tutelar é segundo caso de Covid 19 em Gravataí
      por Redação
    • opinião
      O caso do maratonista de Viamão suspeito de COVID-19; atenção, ’marcha da morte’!
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Um ’populista’ segura pressão por adiar eleições e usar fundo eleitoral; Hiii...
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      A real sobre a falta de vacinas em Gravataí; o 6 e 9
      por Rafael Martinelli
    • 3º Neurônio | sociedade
      O mundo real morreu, viva o mundo real
      por Berna Gonzáles Harbour | El País
    • 3º Neurônio | opinião
      De quem é a mão que segurou o ministro Mandetta no governo?
      por Carlos Wagner | Histórias Mal Contadas
    • entrevista
      Gravataí não vai abrir comércio nesta semana; o que Marco Alba vai dizer na live de domingo
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      MC Capella, um voluntário pelas quebradas contra o coronavírus
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Parem Gravataí que eu quero descer!; declaro-me Inimigo do Povo, amigo da vida
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Glorinha cede respirador para Gravataí; agora é 1 para cada 11 mil pessoas
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Gravataí tem só 25 respiradores e 12 leitos de UTI; o serial killer de velhos pobres
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Primeiro caso confirmado em Gravataí, assessora relata como está superando o coronavírus
      por Cristiano Abreu
    • opinião
      A real sobre ’gravataiense com coronavírus’ internada em Canoas; a cobra silenciosa
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Cristiano Abreu | EDITOR | cristiano@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.