notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 23/05/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    oi, filho

    O maior medo de um pai é que seu filho morra

    por Vinicius Ferrari | Publicada em 15/03/2019 às 22h29

    A gente tenta falar sobre coisas legais, mas o momento não é esse. Estamos sem luz na redação, e por isso uma semana em casa, trabalhando home office. Trabalhar em casa é ter mais tempo para ficar com a família, mas também significa que a televisão pode ficar ligada. Ontem, dia 13, alunos de uma escola estadual de São Paulo morreram assassinados por dois jovens. Vocês já sabem disso né? O mundo inteiro sabe disso. As crianças foram para a aula e tiveram suas vidas tiradas por dois assassinos. Pronto, acabou.

    Nesta semana, também, o Brasil, e sobretudo o Rio Grande do Sul está atento observando o julgamento do caso do menino Bernardo. Pra quem não lembra, o pai, a madrasta, a amiga dela e seu irmão, estão sendo acusados de matar o garoto e enterrar. A televisão segue ligada e de tempos em tempos boletins vão atualizando os telespectadores sobre os dois casos. A crueldade de se matar uma criança é ingrediente comum aos dois casos.

    Eu fico pensando o que leva um pai, ou um adulto a querer matar seu próprio filho. Quando eu era menor, minha mãe contava que o meu pai era muito babão quando ela ficou grávida. Comprava carrinhos e brinquedos quando eu ainda estava na barriga. Ela contava também, que as vezes pegava meu pai com o ouvido perto da minha boca, tentando ouvir minha respiração para ver se eu estava bem. Naquela época a cena parecia engraçada, mas depois do Beni fez todo o sentido: o maior medo de um pai é que seu filho morra. 

    A gente não conversa muito sobre isso, nunca é um assunto corrente e talvez você jamais tenha ouvido essa frase assim, de forma tão forte antes, mas é a mais absoluta verdade. Todo o pai tem um medo danado de matar seu filho, principalmente o primeiro. A gente tem medo de dar comida de menos, tem medo de dar demais e ele passar mal. Temos medo de dar comida grande demais e ele engasgar. Qualquer febrezinha já é motivo de preocupação. Aí, quando começam a comer sozinhos e caminhar tudo piora.

    - E se bater a cabeça? E se cair de cara no chão?

    - Menino, já pensou se isso aí pega no teu olho, que perigo?

    Quando a gente é filho, achamos essas lições um saco, puro exagero. Depois que viramos pais entendemos que isso é o nosso sentimento mais primitivo de proteção, porque a vida das mamães do mundo animal - e muitos pais também -  é proteger a sua cria para que ela não morra até se defender sozinha. Elas não pensam no preço do leite Ninho, na conta da Panvel ou no preço da faculdade: o maior medo é que sua cria morra. 

    Esse é, ou pelo menos deveria ser, o nosso instinto. Como mães, como pais, como humanos. É preciso ser muito desumano para matar ou mandar matar uma criança. É preciso ser um monstro para mandar matar seu próprio filho.

    Essa semana, com tanta carga negativa para o brasileiro, sobretudo o gaúcho, vai chegando ao final, mas os casos do massacre em Suzano e da morte de Bernardo nunca serão esquecidos. E que bom.

    Que sirvam para que a gente aprenda a identificar sinais, a meter a colher, a denunciar e a perceber que se o filho do vizinho está passando por problemas é problema meu também. Não tenha medo de meter a colher em lugar algum, afinal não dá para saber quem é humano e quem é um monstro.

    Que Deus confote o coração da mães e pais de Suzano. Que os homens deem a justiça que Bernardo merece. Que nós possamos cuidar e cuidar cada vez mais de nossos filhos. Eles são tudo o que importa. 

     

    • proteção animal
      Hulk, o cãozinho cadeirante que batiza o Cachorródromo
      por Redação
    • opinião
      Por Anabel, Bordignon desistiu de ação para concorrer
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Não é escândalo denúncia envolvendo Jones
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Nem as chuvas param as obras nas pontes
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • rio gravataí
      Conheça o projeto da nova orla do Rio Gravataí
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Vereadores nos tiraram para idiotas
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Pirelli, uma fábrica em depressão
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Gravataí pode ter um Tumelero diferente
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Tem que taxar Uber sim!
      por Rafael Martinelli
    • entrevista
      Não sirvo para poste ou laranja, diz Paulo Silveira
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Mandatos de Marco Alba, Miki e Darci podem ir até 2022
      por Rafael Martinelli
    • gravataí
      Marco Alba financia novo pacotão de obras viárias
      por Redação
    • coluna do silvestre
      Que tal ganhar R$ 8,6 mil por mês? Tem vaga!
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • entrevista
      Passado é passado, olho para frente, diz Anabel
      por Rafael Martinelli
    • lojas havan
      Sindicato exige negociar domingos e feriados
      por Silvestre Silva Santos
    • eleições 2020
      Sônia, filha de Dorival, pode ser lançada a prefeita
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.