notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 20/08/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    coluna do andrio

    O tempo em afastamento por doença conta para requerer a aposentadoria? 

    por Andrio dos Santos | Publicada em 08/03/2019 às 14h12

    Uma leitora enviou uma pergunta sobre a utilização do tempo em gozo de benefícios por incapacidade – auxílio doença ou aposentadoria por invalidez – na contagem de tempo de contribuição para requerer as aposentadorias programáveis do INSS – por idade, tempo de contribuição ou especial. 

    O tema vem ao debate em momento muito oportuno. A operação pente fino, lançada pelo ex-presidente Michel Temer, tinha um simples objetivo: cortar os benefícios daqueles que se encontravam aptos a retornar ao trabalho – e até dos inaptos, mas isto é história para outro dia.  

    Como o INSS não realizava este tipo de operação há anos, muitos segurados estavam recebendo o auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez há muito tempo. Agora, em idade avançada e com dificuldades de retornar ao mercado de trabalho, eles precisam projetar uma nova aposentadoria, por idade ou por tempo de contribuição. Para isto, é essencial utilizar o período em afastamento para contabilizar o tempo de contribuição. 

    Já de antemão adianto que sim, é possível utilizar o este período para fins de contagem de tempo de carência e contribuição, entretanto, após o cumprimento de um requisito. 

    O art. 55, inciso II da Lei de Benefícios do INSS (nº 8.213/1991) permite o uso do período em gozo de benefícios por incapacidade desde que intercalado de contribuições. Significa dizer que, para que o período seja utilizado para contagem de tempo de contribuição e carência, o segurado deverá ter contribuído antes do recebimento do benefício e retornar a contribuir após a alta do INSS. 

    A contribuição pode ser feita com o retorno ao trabalho na condição de empregado, ou, inclusive, na forma de Contribuinte Individual, com pagamento da GPS – Guia da previdência Social, sempre exigindo a contribuição mínima sobre 01 salário-mínimo. Apenas com esta contribuição já será possível considerar o período em afastamento para fins de contagem de tempo de contribuição. 

    Portanto, um segurado homem, maior de 65 anos, que recebia auxílio doença há 10 anos e tinha outros cinco anos de contribuição antes deste benefício, precisará apenas contribuir mais uma vez para a previdência. Assim, seus 10 anos de afastamento serão contabilizados e este alcançará os 15 anos de tempo de contribuição necessários para requerer a sua aposentadoria por idade e não depender mais de perícias médicas junto ao INSS. 

    O Tribunal Regional Federal está para decidir sobre a possibilidade de que o período em gozo de auxílio ou aposentadoria por invalidez intercalado de atividades especiais seja contabilizado como período especial, porém, não há previsão de julgamento. A exceção se dá nos benefícios acidentários de atividades insalubres ou perigosas. Nestes casos, caso comprovada a especialidade da atividade em que ocorreu o acidente, será possível o reconhecimento do período em afastamento como especial, desde que intercalado de contribuição, conforme já dito. 

    Portanto, é possível o uso do período em gozo de auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez para contagem de tempo de contribuição para requerer as demais aposentadorias, desde que haja contribuição antes e depois do tempo em benefício por incapacidade.  

    Para conversar sobre o assunto, trazer dúvidas ou sugestões, envie um e-mail para andrio.dossantos@hotmail.com

     

    • supermercados
      Agas quer vendas de R$ 520 milhões na Expoagas 2019
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • eleição 2019
      A lista de quem pode concorrer ao Conselho Tutelar
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Em recuperação, vereador Nadir ainda evita visitas
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Anabel também vai para trás do muro? Postou e apagou Lula
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Áureo assume Mobilidade; na fila para Prefeitura
      por Rafael Martinelli
    • tecnologia da informação
      AGTI coloca Gravataí na vanguarda
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • cultura
      Falta uma semana para o Festival de Teatro
      por Redação
    • economia
      2 em cada 10 novas vagas são por dia ou horas
      por Heloísa Mendonça | El País
    • av. dos estados
      Um dos maiores problemas de alagamento perto da solução
      por Redação
    • opinião
      Stasinski vs Márcio Souza; quem ganhou o PV de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • duplicação
      Presidente do BNDES elogia ritmo das obras na RS-118
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • panificação
      Uma indústria que só cresce em Gravataí e Cachoeirinha
      por Silvestre Silva Santos
    • coluna do silvestre
      O novo Asun de Gravataí quer expandir a rede
      por Silvestre Silva Santos
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.