notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 15/10/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    coluna da teresa

    Aos que consideram fácil ser professor

    por Teresa Azambuya | Publicada em 09/10/2018 às 13h02

    Professora de matemática faz alerta a endocrinologista:

    - Seu diagnóstico está equivocado, deveria avaliar melhor os sintomas do paciente.

    Engenheiro é advertido por professor de letras:

    - Seria melhor utilizar outro método de cálculo para obter o resultado pretendido na construção deste prédio.

    Pesquisa econômico-financeira elaborada por economista é questionada por professora de biologia:

    - Seus critérios de amostragem parecem insuficientes.

    Estas são manchetes quase impossíveis. Mas, se invertermos os papeis, lembraremos de várias situações em que professores tiveram suas escolhas pedagógicas e suas atuações questionadas.

    Recentemente, li uma matéria em que se criticava o processo de formação de professores nas universidades brasileiras. De início, estranhei a abertura da reportagem: “Economista critica a maneira como a formação dos professores é conduzida nas faculdades de Educação brasileiras, considera questionável o investimento em programas de alfabetização de adultos e aponta falhas nas políticas de cotas”. Até aí, tudo bem. As pessoas são livres para manifestarem suas opiniões, assim como eu estou fazendo aqui.

    Entretanto, a questão que me parece central é: por que, exatamente, muitas pessoas sentem-se autorizadas a questionar a atuação de professores, enquanto que dificilmente vemos críticas ou questionamentos (pelo menos na mesma medida) à atuação de outros profissionais? E quando falo em atuação, não me refiro à questão ética, porque isso é constantemente alvo de debates, em qualquer área. Trato da questão técnica em si, das escolhas feitas pelos docentes.   

    Isso é reflexo de um contexto social de desvalorização total dos educadores e da educação. O problema refere-se não somente aos baixos salários dos profissionais, que também acarretam a desmotivação dos jovens em seguir essa carreira, mas também à disparidade entre os cursos superiores de formação profissional, na forma como são observados pela sociedade. Dentistas, médicos, engenheiros, arquivistas, advogados e professores são todos profissionais com formação superior. Cada um com sua especificidade, dedicaram muitos anos de estudo para a conquista de um diploma. Mas, pelo senso comum, a carreira de professor é sempre considerada “mais fácil”, “menos trabalhosa”, apesar de, no discurso, todos reconhecerem sua importância.

    O problema é que só o discurso não basta. É necessária uma mudança efetiva de posicionamento. Os governos precisam demonstrar, na prática, que a educação é importante, com recursos destinados no Orçamento. Os pais precisam acreditar no projeto que o professor está propondo para seu filho (já presenciei, por exemplo, um projeto de leitura ser denunciado na Ouvidoria da Prefeitura, simplesmente porque os pais achavam inadequado o trabalho com Contos de Fadas, a despeito do que propunha a Professora de Língua Portuguesa). A sociedade precisa parar de chamar os professores de “vadios”, quando lutam por ou reivindicam melhores condições para desempenharem suas funções.

    Opinar não é um problema em si. O problema é o rebaixamento ou o desmerecimento a que, muitas vezes, é submetida a capacidade técnica dos docentes, tanto na escolha de seus métodos de ensino, dos programas curriculares ou dos projetos a serem implementados.

    É uma questão de bom senso, mesma medida. Se eu não me meto a discutir as estratégias médicas, jornalísticas, advocatícias, publicitárias ou químicas, o que me autorizaria a por em dúvida as estratégias pedagógicas escolhidas por um professor?

    Infelizmente, “mesma medida” é expressão de pouco uso em nossos tempos.

     

     

     

     

    • 7 anos do impeachment
      Sofri um golpe, diz Rita Sanco
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Justiça devolve Freeway à Concepa.
      por Silvestre Silva Santos
    • novidade
      COM VÍDEO | Vizinhança à espera do Breno Garcia
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • tráfico
      LSD e ecstasy saíam de Glorinha para o Brasil
      por Eduardo Torres
    • tráfico
      OPiNIÃO | A Lava-Jato contra as facções
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      Estado promete RS-118 duplicada para este ano
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • eleições 2018
      OPINIÃO | Marco e o MDB apoiam Bolsonaro e filiam Áureo
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • habitação
      Audiência pública debate a regularização da Granja
      por Eduardo Torres
    • ensino superior
      Facensa tem curso com nota máxima no Enade
      por Silvestre Silva Santos
    • eleições 2018
      OPINIÃO | O oportunismo de Cláudio Ávila; e os outros
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.