notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 08/08/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    zanzando com kati

    Fotos KATTERINA ZANDONAI

    Que tal zanzar pela terra dos cânions?

    por Katterina Zandonai | Publicada em 20/07/2018 às 14h20| Atualizada em 20/07/2018 às 15h06

    Pouca gente sabe, mas o Rio Grande do Sul abriga alguns dos mais belos cânions do planeta. Distante cerca de 190 quilômetros de Porto Alegre, na charmosa cidadezinha de Cambará do Sul na região dos Campos de Cima da Serra, é lá que ficam os grandiosos e surpreendentes cânions Fortaleza e Itaimbezinho, cujas muralhas atingem 900 metros de altura e chegam a sete quilômetros de extensão.  

     


     

     

    O cânion Fortaleza é o mais alto e fica dentro do Parque Nacional da Serra Geral. Conta com três trilhas: a da Cachoeira do Tigre Preto (3km), da Pedra do Segredo (2,7km) e a trilha do Mirante (3,2km). Já o Itaimbezinho, o mais famoso, está situado no Parque Nacional de Aparados da Serra e tem duas trilhas: a do Cotovelo (6km) e do Vértice (1.5km). Em ambos, as trilhas são acessíveis e o passeio inesquecível. 

     


     

     

    A tranquilidade de estar em uma natureza tão grandiosa, a sensação de estar perto do céu, misturado com o frio na barriga de ver o chão terminar bem pertinho dos nossos pés fica na lembrança para sempre. Mas para apreciar melhor essas paisagens o ideal é chegar cedinho para garantir melhor visibilidade nos mirantes. Entre junho e agosto, o tempo é firme e a possibilidade de admirar toda a vista do cânion e até do litoral é melhor. Já entre novembro e março é comum ter serração e a visibilidade pode ficar prejudicada. 

     


     

     

    Mas você já parou para pensar como surgiu essa paisagem única, que não existe em nenhum outro lugar do mundo? A explicação para toda aquela grandiosidade é que aproximadamente 130 milhões de anos atrás, a América do Sul e África estavam juntas. Então, neste período, houve uma fragmentação destes continentes, e foi havendo extravasamento de lava vulcânica. Houve uma espécie de rachadura na terra, um dos maiores eventos geológicos que aconteceram no planeta terra.

     


     

     

    Não tem desculpa para não conhecer

     

    Esse lucar encantador fica tão perto de Porto Alegre que dá até pra fazer uma viagem bate e volta de fim de semana. Chegando em Cambará do Sul, do centro até o cânion Fortaleza são aproximadamente 15 quilômetros, sendo oito de estrada de chão e cheio de pedras. É preciso ir devagar para não ter nenhum imprevisto no caminho. Até o Itaimbezinho partindo do centro são 18 quilômetros com uma estrada um pouco melhor. 

    É possível também chegar a Cambará de ônibus indo da Capital. Todos os dias sai um ônibus da empresa Citral às 6 horas da Rodoviária e custa cerca de R$ 50. Na internet também é possível encontrar diversas agências de turismo que realizam passeios de um dia de Porto Alegre para lá e o preço varia de uma para outra. Por lá não existe transporte público para os parques e as únicas alternativas são carro próprio ou passeios com agências de turismo que custam em média R$ 90.

     


     

     

    Mas nem só de cânion vive Cambará. A natureza foi generosa e exibe toda sua imponência com lugares de tirar o fôlego com uma infinidade de cachoeiras e rios, além de florestas de mata Atlântica repletas de araucárias que surgem por todos os lados. A cidadezinha tranquila que atrai turistas de todos as partes conta com uma rede hoteleira com pousadas e campings para todos os bolsos e estilos de turistas, assim com uma rica gastronomia campeira que combina lareira, pinhão e vinho.



     

     

    Anote algumas dicas

     

    Os cânions são ideais para uma boa caminhada e para isso é importante estar com calçado confortável. Se você optar por passar o dia, lembre-se de levar seu lanche e água pois não existem restaurantes ou cafeterias pelos parques. Além disso, se for entre junho e agosto não esqueça do casaco, pois o vento lá em cima é muito forte. Em alguns invernos as temperaturas chegam a ser abaixo de zero e também pode nevar. Para os mais conectados, o momento é de ficar 'offline' já que não há sinal de telefone na maior parte da área dos parques.

    Como a região dos cânions é cuidada pelos habitantes através de trabalho voluntário é importante colaborar com a limpeza levando sua sacola plástica, pois não existem lixeiras pelo caminho. Outras informações importantes é que não há banheiros públicos, não são permitidos entrar com animais de estimação, nem fazer churrasco ou fogueiras. 

     


     

     

    Todo o cuidado é essencial

     

    Ao ingressar nos parques os visitantes assinam um termo de conhecimento de riscos. O documento informa que as áreas naturais apresentam riscos como bordas de cânions sem proteção física, neblina forte ou cerração, locais escorregadios, pedras soltas e ou cortantes, risco de entorse e fraturas, animais peçonhentos, plantas espinhosas e urticantes, ataque de animais silvestres e domésticos (bovinos, búfalos e javalis), correntezas, afogamentos, tempestades, raios, queda de galhos de árvores, sendo o visitante o maior responsável por sua segurança. Mas fique calmo não é necessário pânico, somente atenção, principalmente com as crianças. 



     

     

    Ficou com vontade de ir?

     

    Quer conhecer um pouco mais de Cambará do Sul dá uma olhada nesse vídeo produzido pelo pessoal da cidade

     

    No site da Prefeitura, que você acessa clicando aqui, tem tudo que é preciso saber: onde se hospedar, onde comer, passeios, ônibus e muito mais.  
     

    PARTICIPE DA COLUNA

    A ideia desse espaço nas sextas-feiras é falar de tudo um pouco. Participe mandando suas sugestões e dicas de viagens. Além do site do Seguinte:, você me encontra no perfil do Instagram @zanzandocomkati ou no e-mail [email protected].

     

    • 3N | opinião
      Pedro Casaldáliga, o bispo dos esquecidos
      por Juan Arias | El País
    • coronavírus
      Os ’totalmente recuperados’ em Gravataí e Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    • a cadeira assombrada
      A cassação antecipada em Viamão
      por Cristiano Abreu
    • cachoeirinha
      Dona Nadir, 70 anos, teve alta da COVID
      por Redação
    • crise do coronavírus
      Homofóbico não é o Miki, é você; a bandeira rosa
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Morte aos 48; já são 8 em 7 dias
      por Redação
    • gravataí
      TCE reprova contas de Marco Alba; O Josef K. do dia
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Justiça suspende ’decreto do festerê’ em Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Com COVID, Gelson grava vídeo chocante
      por Rafael Martinelli
    • política
      Anabel age conforme prega; sem campanha na rua
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Miki limita horário para bares e festas
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Gravataí libera atividades não-essenciais
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Cachoeirinha vai abrir até bares, boates e cinemas
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.