notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 21/02/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    coluna da sônia

    Inspetora Clouseau

    por Sônia Zanchetta | Publicada em 29/05/2018 às 12h20| Atualizada em 29/05/2018 às 13h39

    Pois é, nunca me senti tão identificada com um personagem de cinema quanto com o Inspetor Closeau, da série A Pantera Cor de Rosa, interpretado pelo Peter Sellers. Ele era todo atrapalhado, não tinha um pingo de coordenação motora, mas era sortudo e, em geral, seus casos acabavam bem, e ele saia ileso.  

    Comigo é bem assim. Esta semana, falei pro meu editor que não estava inspirada e que não ia sair coluna. E ele respondeu: “Fala dos casos do ferro elétrico e da garrafa térmica!”.

    E me pus a pensar em todas as vezes em que me coloquei em risco, por fazer duas ou três coisas ao mesmo tempo ou por não prestar atenção ao que não me parece interessante...

    E me veio à cabeça uma cena que ocorreu comigo lá em Guayaquil, na Costa do Equador, em 1980. Eu havia sido enviada pela Embaixada do Brasil em Quito, onde fazia estágio no Setor de Promoção Comercial, para trabalhar no Pavilhão Brasileiro em uma feira internacional.

    Havia máquinas agroindustriais de todos os tipos possíveis, e eu, encantada, perguntava para que serviam, qual  era sua capacidade de produção, quanto custavam, estas coisas que jornalistas gostam de saber.   

    De repente, eu me aproximei de uma delas e, antes que pudessem me dizer que não devia ultrapassar a faixa amarela, pintada no chão, aquela máquina antropófaga me puxou pela barra do vestido indiano que usava e, não fosse a agilidade do técnico encarregado, teria me debulhado, como a vi, fazer, mais tarde, com vários tipos de grãos. 

    Lembro da gritaria do povo em volta de mim e que, em seguida, me deram uma toalha de mesa para que que usasse como saia,  pois tinham cortado a parte engolida do vestido, e me levaram ao hotel, para trocar de roupa.

    Agora dá pra rir, mas lhes conto que, na hora, não foi nada engraçado.

    Histórias com ferros de passar tenho várias. Mas conto uma só, a pedido do meu editor.

    Sou de uma geração que foi à escola com a camisa do uniforme engomada até que, em 1961, surgiram as benditas Volta ao Mundo, feitas de tecido de fibra de nycron produzido pela Sudamtex. 

    Eu observava a função que era a lavanderia daquela casa cheia de crianças e ficava apavorada. As roupas brancas eram deixadas de molho com anil, fervidas em um fogareiro de carvão, ensaboadas, quaradas (colocadas ao sol), esfregadas e enxaguadas no tanque antes de serem penduradas no varal. 

    Depois, várias peças eram engomadas e outras apenas passadas à ferro. E eu achava aquilo uma tortura chinesa e jurava que, quando tivesse minha própria casa, tudo ia ser diferente.

    Então, faz muitos anos que compro basicamente roupas que não precisam ser passadas. Mas eis que, no último verão, em um dia super quente, decidi pôr uma blusa de algodão que adoro. 

    Então, armei a tábua de passar, esquentei o ferro, passei a blusa no maior capricho e, enquanto a levava até o meu quarto, pensei: “Esta mania de passar roupa pelada ainda vai acabar mal. Qualquer dia queimo a barriga com o ferro.”

    Depois de alguns minutos, voltei à cozinha, para guardá-lo, mas, quando toquei na tábua de passar, ela desmontou, e vi o ferro vindo na minha direção. O que fariam vocês nessas circunstâncias? Eu, instintivamente, levantei a perna direita dobrada e o aparei com a parte dianteira da coxa. 


    E, já que meu editor pediu, conto, rapidinho, para encerrar esta coluna, o caso da garrafa térmica.

    Anos atrás, cheguei na Secretaria de Educação de Cachoeirinha, para participar de uma reunião, e tive de atravessar uma sala onde várias professoras trabalhavam, compartilhando o chimarrão. De repente, uma delas gritou: “Oi, Sônia!”. E eu me virei, rapidamente, para ver quem era, e, com uma bundada, fiz voar a garrafa térmica que estava em uma mesinha alta.

    Depois da reunião, voltei em casa e peguei uma garrafa linda, que havia comprado uns dias antes, no BIG, e ainda não tínhamos usado, e a levei à Smed, para repor a que tinha quebrado.

    E, desde então, vira e mexe tenho de aguentar meu filho Bruno recontando esta história...

     

     

     

    • opinião
      Gravataí e a reforma ’comunista’ de Bolsonaro
      por Rafael Martinelli
    • habitação
      Habitasul não aceita proposta dos moradores da Granja
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      Sua empresa está pronta para o e-Social?
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • gravataí
      Marco anuncia Estrada Municipal e 8 mi em obras
      por Redação
    • estrelado
      Contagem regressiva para inaugurar a arena
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Dilamar seria o novo escolhido do ’Grande Eleitor’?
      por Rafael Martinelli
    • transporte
      STF reconhece legalidade da Lei dos Taxistas
      por Redação
    • opinião
      Prefeito, vice e vereadores não receberão aumento
      por Rafael Martinelli
    • cultura
      COM VÍDEO | Os livros que circulam por Gravataí
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • personagens
      Estrada, Meu humor - o livro do veterano radialista
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Marco Alba dá inflação ao funcionalismo; o que isso significa
      por Rafael Martinelli
    • entrevista
      Jack Ritter quer disputar prévia com Miki
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      O Partido do Bolso; a ação dos conselheiros
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Parem de mentir!; ainda faltam 10 médicos
      por Rafael Martinelli
    • redes sociais
      ’Teoria’ de jornalista de Gravataí vira notícia nacional
      por Redação
    • coluna do silvestre
      Não falta vaga para quem quer trabalhar
      por Silvestre Silva Santos
    • caso da maconha
      180 dias sem dono para droga no terreno do vereador
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      O dono da Havan esteve na região, fazendo o quê?
      por Silvestre Silva Santos
    • personagens
      COM VÍDEO | Márcia Becker e seus 115 filhotes
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      5 conselheiros tutelares cobram gratificações em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • educação
      Por que o estado botou abaixo a Escola Carlos Bina do Xará
      por Silvestre Silva Santos
    • br-290
      Em vídeo e texto, tudo sobre ’novo’ pedágio da Freeway
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      A polêmica nota do presidente da OAB Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Das cinzas políticas do PD, um candidato a prefeito
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Dimas pode pedir licença da Câmara
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Como está a duplicação das pontes do Parque
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • refugiados
      A vida dos venezuelanos em Cachoeirinha
      por Eduardo Torres | edição de imagens: Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.