notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 22/04/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    coluna do fernando

    E o Aécio?

    por Fernando de Gonçalves | Publicada em 11/04/2018 às 16h04

    Lula não foi o primeiro…

    Pouca gente sabe, mas, pelo menos, outros cinco presidentes brasileiros foram presos antes de Lula. Duas prisões ocorreram ainda na República Velha (Café Filho, que viria a ser presidente nos anos 1950 após o suicídio de Vargas) e Hermes da Fonseca. Washington Luís foi derrubado nos últimos dias de seu mandato pela Revolução de 1930, comandada pelo mesmo Getúlio Vargas, que assumiria o governo pelos próximos 15 anos.

    O ex-presidente Arthur Bernardes seria preso em 1932 por participar da malograda Revolução de 1932, cujo objetivo era derrubar o governo de Vargas. Por fim, Juscelino Kubistchek foi preso durante a Ditadura Militar. Ocorre que todos os presidentes presos até então o foram por motivos políticos (embora acusações de corrupção sempre foram levantadas pelos adversários de Juscelino, inclusive sobre um suposto apartamento...). Lula foi preso após um processo criminal comum, que correu em tempo recorde.

    Não é exatamente raro, porém, ex-presidentes serem presos ou detidos em países democráticos enfrentando acusações de corrupção. Só nos últimos meses, tivemos os casos da presidente da Coreia do Sul, do ex-presidente do Peru, Humala, e do ex-presidente francês Sarkozy. 

     

    A direita nunca tirou a esquerda
    do poder pelo voto no Brasil

     

    No Brasil, sempre que um governo não alinhado com a elite paulista subiu ao poder, houve tentativas de derrubá-lo, apesar dos discursos pró-democráticos vindos das think tanks e jornais financiados pela FIESP, tucanato e agregados. Em 1954, Getúlio Vargas se suicidou na iminência de um golpe militar. Juscelino Kubistchek cumpriu o mandato (na época não havia reeleição), mas teve os direitos políticos cassados pelo golpe militar de 1964 e as eleições de 1965, nas quais ele era franco favorito, nunca ocorreram.

    João Goulart, como se sabe, foi derrubado por esse mesmo golpe militar. Dilma sofreu um impeachment controverso logo após ser reeleita, não por corrupção, mas por violar uma lei orçamentária de 1965, e o governo foi tomado pelo grupo político que perdeu quatro eleições em sequência num período de 12 anos. Lula, que saiu do governo com quase 90% de aprovação popular, acaba de ser preso, está com os direitos políticos suspensos e não poderá concorrer nas eleições deste ano, em que despontava como favorito. Se Lula é corrupto de fato? Provavelmente, tem culpa nos casos do tríplex e do sítio. Mas ele faz parte de uma série de cinco líderes progressistas que foram derrubados, cassados ou levados ao suicídio.

    Nenhum foi derrotado no voto.

    Adoraria viver num país em que “as instituições funcionam”, como afirmaram vários comentaristas da Globo e similares após a prisão de Lula. Desde o fim da República Velha, apenas quatro presidentes foram eleitos pelo voto e terminaram o seu mandato: Dutra, nos anos 1940, Juscelino, nos anos 1950, Fernando Henrique e Lula, já na Nova República.

     

    Mas é a corrupção o que importa?

     

    Eu gostaria de acreditar. Aécio, líder da centro-direita, foi pego negociando um tríplex inteirinho com o maior corruptor nacional, em dinheiro-vivo. José Serra, enfrenta vários inquéritos na mesma Lava-Jato que prendeu Lula. Temer foi o único presidente denunciado pela justiça por crime comum durante o seu mandato e é acusado, oficialmente, pela Procuradoria-Geral da República, de ser o chefe do “quadrilhão do PMDB”.

    Estão todos soltos e sem perspectiva de serem presos. Alguns vão dizer que é o Foro privilegiado que eles detêm. Pode ser, mas Delcídio do Amaral, então senador pelo PT, também tinha foro e foi preso. Sua delação, foi a gota d’água que derrubou o governo Dilma.

     

    Há três ex-governadores tucanos denunciados
    na Lava-Jato sem foro privilegiado
    e à disposição de Moro

     

    Quatro governadores renunciaram nos últimos dias para concorrerem a outros cargos. Alckmin (SP) concorrerá à presidente. Beto Richa (PR) e Marconi Perillo (GO) concorrerão ao Senado. Todos os três tinham foro no Superior Tribunal de Justiça, a terceira instância da justiça brasileira, e apenas um grau abaixo do STF. Com as renúncias, os três voltaram a ser “cidadãos comuns” e podem ser julgados por qualquer juiz de primeira-instância.

    Como os inquéritos da Lava-Jato, em primeira instância, obrigatoriamente passam por Sérgio Moro, ele poderá aceitar a denúncia ou, até mesmo, prender preventivamente qualquer um dos três. Geraldo Alckmin, por exemplo, teria recebido, por meio de seu cunhado, apenas da Odebrecht, mais de 10 milhões de reais, ou seja, o equivalente a 5 tríplex do Lula.

     

    Olhe para a foto lá no alto desta coluna. Você acha que isso vai acontecer? Espero estar enganado.

     

     

     

     

    • feira na Caergs
      Vai ter feira medieval na cidade neste domingo
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • coluna do martinelli
      OPINIÃO | Glorinha é a nova terra das raves
      por Rafael Martinelli
    • sua saúde
      Tudo sobre a vacinação contra gripe em Gravataí
      por Redação
    • políticos
      OPINIÃO | O conto do vigário dos pais de obras feitas
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Teve de tudo no desfile de modas do Sindilojas
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • cachoeirinha
      Tribunal suspende contratação de Área Azul
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • mpf:
      Posts no Face comprometem Bordignons e Peixe
      por Rafael Martinelli
    • festa do divino
      Uma festa do mundo açoriano em Gravataí
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • exclusivo
      Impeachment de Gravataí chega a Brasília
      por Rafael Martinelli
    • entrevista
      Gravataiense casa vizinho da guerra na Síria
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.