notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 25/05/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    coluna do golembiewski

    Kurt, o rico e bonito que abriu mão da vida, e o contraponto com a sobrevivente da guerra em Ruanda

    A Maçã Envenenada

    por Marcos Golembiewski | Publicada em 28/02/2018 às 12h21| Atualizada em 28/02/2018 às 12h28

    Nesta semana, ao ler a coluna do Ruy Castro na Folha de São Paulo, na qual ele faz reflexões sobre o tempo e diz que fazer 70 anos é melhor do que não fazer, lembrei do livro do Michel Laub, A Maçã Envenenada que também aborda o tempo. Não sei dizer por que temos a sensação de que o tempo passa cada vez mais rápido. O fato é que a passagem do tempo segue inexorável, assim como nossas vidas que a cada dia se enchem de memórias, de passado.

    Vou para o google atrás de um conceito filosófico de tempo. Aparecem conceitos superficiais e improváveis atribuídos a filósofos conhecidos como Kant, Santo Agostinho, Aristóteles e Platão. Garimpo textos sérios, acadêmicos e não entendo nada. Desisto da filosofia, e volto para o livro, A Maçã Envenenada, o qual trata do tempo e sua ligação com a vida.

    No livro o questionamento do protagonista, talvez seja mais eficaz para desvendar os mistérios do tempo do que minha inútil pesquisa na internet. O personagem principal de A Maçã Envenenada narra a história tendo como ponto de partida a noção de tempo em direções contrárias: o tempo que sobra para quem sobrevive e o tempo que falta para quem desiste da vida. O tempo que sobra para quem escapa da morte e o tempo que resta para quem vai de encontro a morte.

    A indagação irônica proposta pelo narrador surge a partir de um depoimento de uma sobrevivente da guerra civil em Ruanda, a qual junto com outras mulheres passa meses dentro de um banheiro num abrigo escondida da brutalidade da guerra civil que matou seus pais e seus irmãos. Esse fato é comparado com o suicídio do ídolo Kurt Cobain, ocorrido um dia antes do início da guerra civil em Ruanda, que entediado com o próprio sucesso, não suporta o peso da fama e suicida-se em 5 de abril de 1994.

    Qual a noção de tempo para quem se agarra a um fio e para quem desiste da vida? O narrador do livro vai contar e rever sua vida a partir destes dois episódios: a história da sobrevivente de uma guerra fratricida que não se desgarra da vida, do tempo e de um mísero segundo e a trágica história do líder do Nirvana, rico e bonito que desiste de tudo.

     

    • dia de caos
      Greve deixa Gravataí e Cachoeirinha às moscas
      por Silvestre Silva Santos
    • dias de caos
      OPINIÃO | Sou contra a greve dos patrões dos caminhoneiros
      por Rafael Martinelli
    • dia de caos
      Tudo sobre a crise dos combustíveis
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • dias de caos
      OPINIÃO | Você, a vítima da greve dos caminhoneiros
      por Rafael Martinelli
    • esporte
      Vitória de mão cheia do futebol feminino
      por Eduardo Torres
    • transporte
      Linhas de ônibus mudam horários a partir desta quinta
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • mobilidade
      Seis meses para Prefeitura mudar as calçadas do centro
      por Silvestre Silva Santos
    • no tse
      PMDB recorre de absolvição de Bordignon
      por Rafael Martinelli
    • trânsito seguro
      Se beber... Balada Segura vai às vilas
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • câmara
      Vereadores precisam cuidar com projetos demagógicos
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Caminhoneiros fazem a GM parar a produção
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      E os 17 milhões não eram só para wi-fi nas praças
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      Em ação o Big Brother da segurança de Gravataí
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • rio limpo
      Navegando com pachamama ao futuro do Gravataí
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.