notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 15/11/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    coluna da Sônia

    Chapéus Panamá, que nunca foram fabricados naquele país, mas importados para proteger do sol os construtores do Canal de Panamá.

    Diário de Viagem - La Mitad del Mundo - 13º dia

    por Sônia Zanchetta | Publicada em 11/02/2018 às 18h48| Atualizada em 12/02/2018 às 17h51

    Ontem, acordei por volta das 5, como sempre faço, e as pombas já estavam arrulhando no telhado da casa das minhas filhas aqui em Quito.

    Em vez de saltar para o computador ou de ficar lendo um pouco na cama, fiquei zanzando de lá pra cá, contando os minutos para buscar os óculos, que havia deixado em uma ótica a fim de que trocassem sua armação, em função do acidente ocorrido no dia anterior.

    Logo depois do café, meu filho Bruno e eu saímos em direção ao setor da Av. Amazonas, umas das principais vias comerciais da Zona Norte da cidade, e chegamos à tal ótica exatamente às 10, horário em que supostamente abriria, mas demos com as caras na porta.

    Então, fomos fazer tempo no Mercado Artesanal do bairro La Mariscal, ali perto, aonde eu já fui várias vezes e certamente voltarei algumas mais até segunda-feira, pois não dá para acabar de ver tudo o que se produz, na área do artesanato, neste país.

    Ali, comprei algumas camisetas, um chapéu “Panamá” encomendado por uma amiga e um bordado lindo produzido em um povoado chamado de Hacienda Zuleta, onde grande parte das famílias indígenas se dedicam a este tipo de artesanato.

    A propósito dos chapéus “Panamá”, falei, outro dia, neste diário, que nunca foram produzidos naquele país e, agora, explico esta questão. Estes chapéus sempre foram feitos no Equador, com palha “toquilla”, na provícia de Manabi e, mais recentemente, também na de Azuay.

    Mas acabaram sendo batizados com este nome porque, durante a construção do Canal de Panamá, foram importados milhares deles para que os trabalhadores pudessem suportar o sol que fazia por lá. E, quando o presidente dos Estados Unidos da época, Theodore Roosevelt, visitou o Canal, usou um desses chapéus, o que aumentou sua popularidade.

    Atualmente, esses são considerados os chapéus de palha mais finos do mundo e, conforme o modelo, seu preço pode chegar, no exterior, a US$ 30 mil.

    Um pouco mais tarde, já de óculos e com minha autoestima recuperada, rumamos, sempre caminhando, à feira do bairro Floresta, para comprar frutas, verduras e flores.

    Ao chegar lá, o Bruno me propôs que fizéssemos uma boquinha no Pátio de Comidas do mercado, um lugar super limpo e organizado, onde oferecem várias opções de pratos típicos. E ali compartilhamos um prato de corvina frita, com batatas e “ají” (molho feito com tomate de árvore, pimenta, cebola, coentro, limão, azeite e sal). Uma delícia!

    Eu adoro fazer compras com o Bruno por aqui, pois, para começar, ele conhece muitas “caseras” que atendem nas feiras e nos mercados, às quais chama de “Case” (pronuncia-se casse) enquanto elas o tratam como “Veci”, abreviatura de “vecino” (vizinho).

    Daí, há toda uma negociação para comprar cada produto, pois o “regateo” (pechincha) é um fato no Equador. A “casera” fala um valor, ele propõe outro, ela diz que é muito pouco, e a compra acaba sendo fechada por um terceiro. Nestas alturas, ele fala: “Está bien, Case, pero me dará bien ñapado (com inhapa)”. E, então, se ele comprou um quilo de tomates, ela coloca mais duas ou três unidades em sua sacola.

    Eu vivi aqui 17 anos e nunca aprendi a pechinchar, pois me parecia, que, ao fazer isto, estava tratando de explorar o vendedor, mas, na verdade, todos eles aumentam o valor dos produtos, para haver uma margem de negociação e, se não pechinchas, te olham com um certo desprezo, como se fosses uma pessoa despreparada para fazer compras, o que sempre fui.

    Então, na semana passada, como ia comprar três chapéus de palha “toquilla”, e estava sem o Bruno, pela primeira vez na vida tive coragem de pechinchar, e acabei pagando US$ 13,50 por peça, em vez dos US$ 18,00 pedidos inicialmente. E o vendedor ainda me deu, de inhapa, uma embalagem bem legal, para que cheguem inteiros ao Brasil.

    De tarde, só saí perto das 5h, pois uma amiga brasileira, do tempo em que vivi aqui, havia me convidado para ir a sua casa, onde me recebeu com um monte de delícias e conversamos muitíssimo, como ocorre quando as amizades são verdadeiras e persistem apesar da distância e do tempo.

    Mais tarde, ela e o esposo me deixaram na casa das gurias, onde encontrei a Laura, namorada do Bruno, preparando comida colombiana e "canelazo" (mistura de cachaça com água de rapadura e canela, servida quente em copos cujas bordas são umedecidas com suco de limão e impregnadas com sal). E, como sempre, nesta casa, a mesa estava cheia de jovens, e não faltaram assuntos interessantes e boas risadas.

    Amanhã tem mais.

     

    E o álbum de fotos:

     

     

     

     

     

     

     

    • saúde
      Frente de prefeitos reage a saída de médicos cubanos
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Hoje até vereador comemora médicos indo embora
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Todo sábado é dia para adotar um pet na Sperk
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • meio ambiente
      COM VÍDEO | A nossa lista vermelha da extinção
      por Eduardo Torres
    • trânsito
      Fim da tranqueira no trânsito está mais próximo
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Saída de médicos cubanos é desastre para Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      OPINIÃO | Não façam Bordignon ’Miss Colômbia’ outra vez
      por Rafael Martinelli
    • meio ambiente
      Cobrança pela água do Gravataí pode gerar R$ 9 mi em um ano
      por Eduardo Torres
    • desejo azul
      Gremistas entregam alegria para crianças doentes
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • seu bolso
      OPINIÃO | Silvio Santos é um velho babão
      por Rafael Martinelli
    • cachoeirinha
      Asfalto em 33 ruas é símbolo para governo Miki
      por Rafael Martinelli com assessoria
    • educação
      OPINIÃO | O big brother da escola sem partido em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • história
      A história da Cachoeirinha do primeiro pedágio
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      ‘Jardins do pesadelo’ estão perto do fim?
      por Silvestre Silva Santos
    • política
      OPINIÃO | 25 nomes para prefeitura de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • polícia
      Jovem executado por engano em hospital era de Cachoeirinha
      por Silvestre Silva Santos
    • vereadores
      Quem leva a presidência da câmara de Gravataí?
      por Rafael Martinelli
    • gravataí
      OPINIÃO | Aumento para os vereadores? Não recomenda-se
      por Rafael Martinelli
    • 2020
      OPINIÃO | A sucessão nas mãos de Marco Alba
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.