notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 15/08/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    coluna do Golembiewski

    Filme é uma homenagem ao ator Harry Dean Stanton, veterano da Segunda Guerra, solteirão por opção e ateu convicto. Ou nem tão ateu!

    Lucky

    por Marcos Golembiewski | Publicada em 17/01/2018 às 14h06| Atualizada em 17/01/2018 às 14h32

    No filme “Lucky”, temos duas dimensões sobrepostas. Claro, primeiro a história do filme, que trata de temas difíceis como a morte, a solidão e a velhice. Como o protagonista é ateu, esses assuntos são tratados, digamos, de forma realista, seca, como o deserto que serve de cenário. Não há espaço para sentimentalismo ou visões românticas desta etapa da vida.

     A segunda dimensão é que o filme também é uma homenagem ao ator Harry Dean Stanton, conhecido por “Paris, Texas”, “À Espera de um Milagre” e muitos outros papéis coadjuvantes e marcantes do cinema independente americano. Esse reconhecimento aparece também nas semelhanças entre o ator e o personagem, pois ambos são veteranos da segunda guerra e nunca casaram.  Stanton coincidentemente acabou morrendo no mês de lançamento do filme, em setembro de 2017, aos 91 anos.

    A sinopse informa: “Aos noventa anos, o ateu Lucky parte em uma jornada espiritual pelo deserto habitado por pessoas bem peculiares”. Essa jornada, no entanto, apenas confirma suas convicções, inclusive a da solidão, sendo que o personagem diferencia o ser solitário do ser sozinho. No seu caso, a solidão é uma opção, a escolha de viver só.  

    Lucky enfrenta essa etapa, a finitude no horizonte, de forma sóbria e realista, tendo presente que as pessoas lidam de maneiras diferentes nestes temas. A certa altura diz: “Realismo é uma coisa. As coisas como elas são, porém, as coisas como são para mim é diferente das coisas como são para você”.

    Na sequência ele complementa: “aceitar as coisas como são e lidar adequadamente”. E assim ele segue aceitando as coisas como elas são.  Mas há algumas concessões à frieza do realismo vivido pelo personagem. Após sofrer um desmaio, Lucky sente a proximidade do fim e numa conversa com uma moradora do lugarejo que vai visitá-lo, pede segredo e confessa que está com medo.

    E podemos dizer que há também outra concessão ao frio dos acontecimentos e da realidade, na cena em que Lucky conversa com outro veterano de guerra. Este lembra da invasão americana numa ilha na Ásia e da postura da menina oriental, talvez orientada pela filosofia budista, que na hora fatal estampou um sorriso largo em seu rosto, um sorriso para o destino.

     

     

     

    • entrevista
      Dinheiro tirou Rosane Bordignon da eleição
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Testamos carro o elétrico da GM
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt e Divulgação/GM
    • tá na mesa
      Gestão de Marco Alba não baila com Roberto Carlos
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2018
      Rosane Bordignon decide não concorrer
      por Rafael Martinelli
    • meio ambiente
      O Rio Gravataí é a sala de aula
      por Eduardo Torres
    • nota oficial
      Partido do vereador apoia investigação em caso da maconha
      por Rafael Martinelli
    • delegado confirma
      Vereador será investigado no caso da maconha
      por Rafael Martinelli
    • suspeita
      Saul Sastre é investigado por fraude no Daer
      por Eduardo Torres
    • operação
      Vereador diz que alugava prédio da meia tonelada de maconha
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2018
      Juliano Paz, um pé em Gravataí, outro em Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    • homenagem
      Diretora do Gensa e Facensa recebeu placa em Brasília
      por Silvestre Silva Santos
    • homenagem
      Denise, a Medonha, vai virar nome de biblioteca
      por Eduardo Torres
    • personagens
      COM VÍDEO | O caçador que abraçou um rio
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • coluna do silvestre
      Quem comprou o terreno do prédio mais alto
      por Silvestre Silva Santos
    • eleições 2018
      10 coisas sobre a foto que mexeu com a política local
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      OPINIÃO | Bagunça na Freeway, com Justiça & tudo
      por Silvestre Silva Santos
    • meio ambiente
      O plano que vai definir a cobrança por uso da água do Gravataí
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.