notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 19/01/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    o livro e o choro

    Fiódor Mikhailovitch Dostoiévski foi um escritor, filósofo e jornalista do império russo

    Humilhados e ofendidos

    por Sônia Zanchetta | Publicada em 15/12/2017 às 13h55| Atualizada em 15/12/2017 às 14h15

    Estou convencida de que a leitura literária pode contribuir de forma decisiva para a aprendizagem da empatia e da compaixão.

    Observo a escalada de ódio e de intolerância que se verifica, nos últimos tempos, no País, e penso que, que além dos mecanismos legais que podem ser acionados para freá-la, deveríamos tratar de facilitar o acesso dos brasileiros à leitura de livros de literatura. 

    Lá pelos meus 15 anos, mergulhei de cabeça nos clássicos russos e me apaixonei perdidamente por Fiódor Dostoiévski, de quem acabo de reler, com a mesma emoção, Humilhados e ofendidos.

    Como é possível que um livro escrito há mais de 150 anos, na longínqua Rússia, tenha me feito chorar naquela época e me toque tanto, de novo, agora? O que faz um livro perdurar através dos séculos e tornar-se um clássico da Literatura Universal? 

    Dostoiévski me revelou o lado obscuro da sociedade russa do século XIX, e me doeu perceber que as coisas não eram tão diferentes no Brasil do meu tempo.

    E, com personagens construídos com uma profundidade psicológica que ainda não havia encontrado em outros autores, fez que me sentisse na pele dos mais sofridos, dentre eles:

    A esposa que anda pisando em ovos e escolhendo as palavras, para não despertar a ira do marido...

    A amante, que, por amar errado e demais, abre mão de seus próprios princípios...

    A menina órfã que cai em mãos de uma exploradora de menores...

    Um escritor sonhador que não consegue se sustentar com seu trabalho...

    Gente que tem receio de entrar em certos locais, onde, por sua condição social, pode ser barrada ou hostilizada... 

    Gente que não tem voz...

    Gente faminta...

    Gente quase invisível...

    Todos estes personagens, que nos parecem tão familiares, estão no livro que acabo de ler. E é por isto que Dostoievski é um clássico: ele fala de conflitos que são permanentes e que precisamos conhecer para nos tornarmos mais humanos.

     

     

     

    • coluna do silvestre
      GM diz que pode fechar fábrica de Gravataí
      por Silvestre Silva Santos
    • segurança
      Fotógrafo foi morto por dívida em Cachoeirinha
      por Eduardo Torres
    • em Brasília
      Marco Alba trata do Complexo de Educação Especial
      por Redação
    • coluna do silvestre
      Pedágio volta dia 15 mais caro do que o anunciado
      por Silvestre Silva Santos
    • meio ambiente
      O último ano dos canudos plásticos em Gravataí
      por Eduardo Torres
    • 2020
      ’Bolsonaro da Aldeia’ na briga pela Prefeitura
      por Rafael Martinelli
    • carnaval
      Corte de dinheiro para Carnaval é aprovado; exceto por petistas
      por Rafael Martinelli
    • governo bolsonaro
      Marco Alba em Brasília; sem embaixador
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Moro foi bem na GloboNews; já é um político
      por Rafael Martinelli
    • carnaval
      Gravataí não vai liberar dinheiro para escola de samba
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      Uma em cada quatro armas legais é roubada no RS
      por Eduardo Torres
    • rs
      Ninguém de Gravataí no governo Leite
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      O que será feito para salvar Ubers da violência
      por Eduardo Torres
    • segurança
      O debate fetichista sobre a redução da maioridade
      por Rafael Martinelli
    • educação
      Ulbra Gravataí demite um quinto dos professores
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      App leva profissionais da beleza até você
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • habitação
      Moradores querem financiar casas da Granja em 35 anos
      por Eduardo Torres
    • polêmica
      Gravataí e Cachoeirinha podem ter armas liberadas
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Farda não garante santidade; promoção, talvez
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      RETRÔ 2018 | Sem guerra das facções, na mira dos grandões
      por Eduardo Torres
    • economia
      RETRÔ 2018 | A volta dos investimentos na região
      por Eduardo Torres
    • meio ambiente
      RETRÔ 2018 | O preço do futuro preservado
      por Eduardo Torres
    • política
      RETRÔ 2018 | Do limão eleitoral à limonada política
      por Eduardo Torres
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.