notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 16/02/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    histórias da bola

    Num pequeno espaço entre rochas vulcânicas, um campo de futebol na Islândia

    É um sonho morar no país do futebol: a Islândia

    por Cláudio Dienstmann | Publicada em 11/12/2017 às 12h14| Atualizada em 11/12/2017 às 12h14

    “Não se precisa de material caro, dá para jogar futebol até com uma bola feita com as meias da mãe: é o único esporte coletivo imprevisível, em que o mais fraco pode ganhar do mais forte” (Carlos Alberto Parreira, técnico).

     

    Entre os 32 países que estarão na 21ª. Copa do Mundo, no próximo ano, na Rússia, apenas dois nunca estiveram antes no mundial: o Panamá e a Islândia.

    Os panamenhos conseguiram a sua vaga eliminando os Estados Unidos, e os islandeses a Holanda – não é pouca coisa!

    Quem mora no Rio Grande do Sul, exposto seguidamente a calor de derreter e frio de congelar fora de época, alguns dias com até as quatro estações, este poderia ser um belo sonho: morar na Islândia. Lá tem frio e umidade todo dia mas então ao menos já se sabe, e não tem erro: o tempo é ruim SEMPRE (parece que o verão cai sempre em 25 de julho – nas 9h às 11h: acordou depois disso, perdeu ...). E quem gosta de futebol descobriu mais um motivo para querer morar na Islândia, uma gelada ilha vulcânica, sem sol, terreno rochoso, alguns dias com 20 horas de escuridão: A ISLÂNDIA SIM É QUE É O PAÍS DE FUTEBOL!

    No ano passado, em seu primeiro jogo no campeonato das nações da Europa, na França, em Saint-Etienne, 7 mil torcedores islandeses (incluindo o presidente, professor Guoni Thorlacius Johanesson) viajaram ao Estádio Geoffroy Guichard e assistiram emocionados o imprevisível empate de 1x1 com Portugal. Depois de passar da primeira fase, nas oitas-de-final ainda eliminou ninguém menos do que a Inglaterra, sempre mantendo a sua média de público. Considerando que a Islândia tem apenas 320 mil habitantes – pouquinho mais do que Gravataí –, significa que 2,2% da população saiu do país e esteve num estádio em cada jogo.

    Esse número é uma enormidade transportado para o futebol do Brasil: 2,2% da população do país, 206 milhões de habitantes, daria 4,5 milhões de torcedores num único jogo no exterior – uns 60 Maracanãs lotados, ou 100 vezes a Arena do Grêmio ou o Beira-Rio, por aí. Considerando ainda que o campeonato brasileiro da primeira divisão tem registrado uma média de público de 17 mil espectadores por partida, seriam necessários 266 dos 380 jogos do brasileirão (exatos 70% de todo o campeonato) para igualar os islandeses numa única tarde em Saint-Etienne. E eles (e elas) estavam lá só torcendo, cantando e berrando “uh uh uh uh uh uh ...”, sem quebrar banheiro, sem apedrejar ônibus, sem espancar ninguém.

    Os jogadores da seleção islandesa estão espalhados por clubes da Inglaterra, Dinamarca, Suécia, Noruega, Israel, Grécia, Alemanha, Bélgica, Espanha.

    Este ano um deles, o meia Gylfi Sigurösson, 28 anos, 1m88, foi vendido pelo Swansea ao Everton por 50 milhões de euros.

    Não existe plano privado de saúde na Islândia, todos os hospitais são públicos, e há 3,7 médicos para cada mil habitantes. No Brasil, onde o total de cirurgias atrasadas no sistema público passa do milhão, a média chega à metade, dois, mas a distribuição é brutalmente desigual: no Maranhão cai para apenas 0,8 médicos por mil habitantes.

    O ensino islandês está dividido em quatro níveis: até os seis anos, dos seis aos 16 obrigatório, dos 16 até os 20, e depois o universitário. O governo paga todos.

    Apenas 1,1% dos islandeses se declara como classe alta, mas também só 1,5% é classe baixa, e a absoluta maioria classe média, 97,4%. O salário médio, com pequenas diferenças entre um pintor de paredes e um deputado sem regalias, é de 3 mil euros – 12 mil reais. Dá para viajar bastante!

    Os habitantes da Islândia têm 90 mil armas, equivalente a 30% da população, mas a taxa anual de assassinatos fica em 1,8 por 100 mil, ou seis por ano. No Brasil a média é 23, ou 13 vezes maior.

    Para jogar futebol na Islândia, a turma tem que arrumar gramados no meio da rocha vulcânica, treme no frio, forra as botinas com papel de jornal ou perde um dedão no campo, não se importa com neve na cara. Para assistir, leva cobertor e travesseiro térmico ou deixa o traseiro no assento. Com frio e umidade, mesmo assim o pessoal lá ama o futebol.

    Não há dúvidas: o país do futebol é a Islândia. Esses vikings merecem muito estar na Copa.

     

    : A seleção viking emocionou na Taça da Europa, e agora vai pela primeira vez à Copa do Mundo

     

     

    Agenda histórica do futebol gaúcho na semana

     

    10.12, domingo

     

    2016 – Neto de Afonso Paulo Feijó, sobrinho de Marcelo Dihl Feijó e filho de Gilberto Leão Madeiros, ex-presidentes do Inter,  Marcelo Feijó de Medeiros é eleito para a presidência do clube com 94,8% dos votos dos sócios

     

     

    11.12, segunda-feira

     

    1983 – Grêmio campeão do mundo, 2x1 Hamburgo da Alemanha, com prorrogação, em Tóquio, dois gols de Renato

     

     

    12.12, terça-feira

     

    1976 – Inter bi brasileiro, 2x0 Corinthians, no Beira-Rio, 84 mil espectadores

     

     

    13.12, quarta-feira

     

    1992 – Inter campeão da Copa Brasil, 1x0 Fluminense

     

     

    14.12, quinta-feira

     

    1975 – Inter campeão brasileiro, 1x0 Cruzeiro de Belo Horizonte, Beira-Rio, gol de Figueroa

     

     

    15.12, sexta-feira

     

    1996 – Grêmio bi brasileiro, 2x0 Portuguesa, Olímpico

     

     

    16.12, sábado

     

    1934 – Inter campeão gaúcho pela segunda vez, 1x0 no 9º Regimento de

    1992 – Seleção brasileira 3x1 Alemanha no Beira-Rio

     

     

     

     

    • redes sociais
      ’Teoria’ de jornalista de Gravataí vira notícia nacional
      por Redação
    • coluna do silvestre
      Não falta vaga para quem quer trabalhar
      por Silvestre Silva Santos
    • caso da maconha
      180 dias sem dono para droga no terreno do vereador
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      O dono da Havan esteve na região, fazendo o quê?
      por Silvestre Silva Santos
    • personagens
      COM VÍDEO | Márcia Becker e seus 115 filhotes
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      5 conselheiros tutelares cobram gratificações em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • educação
      Por que o estado botou abaixo a Escola Carlos Bina do Xará
      por Silvestre Silva Santos
    • gravataí
      Marco Alba apresenta projeto anticorrupção
      por Redação
    • br-290
      Em vídeo e texto, tudo sobre ’novo’ pedágio da Freeway
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      A polêmica nota do presidente da OAB Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Das cinzas políticas do PD, um candidato a prefeito
      por Rafael Martinelli
    • obras
      Longe do ’SPC’, Prefeitura apresenta máquinas
      por Redação
    • opinião
      Dimas pode pedir licença da Câmara
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Como está a duplicação das pontes do Parque
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • transporte
      Exemplo na integração dos ônibus vem de Gravataí
      por Eduardo Torres
    • segurança
      Bala na Cara mantinha armas e drogas em Gravataí
      por Eduardo Torres
    • opinião
      Boechat e a hipocrisia do morto santo
      por Rafael Martinelli
    • saúde
      HDJB só tem um pediatra; mas número vai aumentar
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Evandro não quer parecer ’total flex’
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      A esquerda que ’só se une na cadeia’ e a laranja do Bolsonaro
      por Rafael Martinelli
    • cachoeirinha
      Maioria aprova governo Miki, diz pesquisa
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      GM confirma bilhão em Gravataí a Marco e Leite
      por Rafael Martinelli
    • refugiados
      A vida dos venezuelanos em Cachoeirinha
      por Eduardo Torres | edição de imagens: Guilherme Klamt
    • transporte
      Um mês para Cachoeirinha ter o seu corredor de ônibus
      por Eduardo Torres
    • opinião
      Leite pode azedar para servidores de Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.