notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 11/12/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    a socialdemocracia

    Ex-presidente do Brasil, Fernando Henrique Cardoso

    Uma Apologia de FHC

    por Fernando de Gonçalves | Publicada em 23/11/2017 às 20h

     

    Olhar as coisas com a ponderação que a passagem do tempo permite, torna possível a reavaliação de fatos, acontecimentos e personagens. Um dos personagens centrais da nossa política, que merece ser melhor reconsiderado é o presidente Fernando Henrique Cardoso, o criador do Brasil moderno – e não só devido ao Plano Real, que trouxe nossa economia de volta à realidade, mas por outros aspectos menos mencionados. Obviamente, reconhecer os méritos do governante FHC não é virar as costas para os escândalos de corrupção que jogam o PSDB na lama. Um levantamento recente mostra o PSDB como o terceiro partido mais corrupto, enquanto o seu rival, o PT é, apenas, o nono, com o agravante de que, ao contrário de membros de outros partidos, os tucanos conseguem escapar facilmente da justiça, mesmo quando as provas abundam – como nos mostra o caso recente envolvendo Aécio Neves. Assim, minha defesa não é do partido ao qual FHC pertence, mas do governante que ele foi.

    FHC foi o legítimo criador da socialdemocracia brasileira, depois aprofundada por Lula, antes da retomada do desenvolvimentismo após a crise de 2009. O desenvolvimentismo se caracteriza, especialmente, pela intervenção do Estado na economia produtiva – dando generosos subsídios para empresas amigas (no caso recente, Odebrecht, OAS, JBS, Grupo X, etc.), ao mesmo tempo em que coloca em segundo plano o aspecto social, esfera na qual os países desenvolvidos têm focado a atuação do governo. Lula manteve, em linhas gerais, essas políticas de FHC, até 2009, quando estourou a Crise Mundial do fim da década passada. Em uma crise daquele tamanho, políticas intervencionistas do tipo desenvolvimentista até podem ser úteis, mas elas foram mantidas e aprofundadas mesmo quando a crise já havia passado. Esse desenvolvimentismo de Lula após 2009, aprofundado por Dilma, mais uma vez, nos levou a uma nova década perdida (assim como o desenvolvimentismo da Ditadura Militar nos levou aos terríveis anos 80).

    A socialdemocracia de FHC e de Lula, até 2009, por outro lado, nos levou a um dos períodos de crescimento econômico e progresso social harmonioso nunca antes vivenciado pelo país. FHC implantou e consolidou grande parte da progressivíssima Constituição de 88 (a que, não custa lembrar, o PT votou contra). Ao mesmo tempo em que investe forte no social, esse modelo, procura seguir uma política econômica menos intervencionista e mais “ortodoxa”, como dizem os economistas, tendo por base a austeridade fiscal. Nos anos 1990, nós tivemos:

    1) a consolidação do SUS. Pela primeira vez, os miseráveis brasileiros tiveram acesso à saúde. Lembrem que, antes, apenas os empregados CLT tinham direito a utilizar os hospitais públicos, através do extingo INAMPS.

    2) criação do FUNDEF, que permitiu universalizar a educação fundamental. Pela primeira vez, municípios pobres tinham acesso a recursos para manter suas escolas. Nos anos 90, 4% do PIB ia para educação pública. Nos anos dourados do desenvolvimentismo dos anos 50 a 70, 1,5%.

    3) implantação da aposentadoria rural. Pela primeira vez, os milhões de trabalhadores rurais brasileiros tiveram direito a um fim de vida menos sofrido. Também se criou o LOAS, que garantiu um salário mínimo mensal para idosos pobres, mesmo que nunca tenham contribuído para a previdência, e, também, para pessoas com deficiência.

    4) pela primeira vez, foram criados programas de transferência de renda, como o Bolsa-Escola. O exitoso e meritório Bolsa Família foi uma expansão e unificação desses programas criados por FHC. Esses programas permitiram ao Brasil ter, hoje, uma das menores taxas de insegurança alimentar fora dos países desenvolvidos.

    Se isso não é socialdemocracia em relação ao descaso dos governos desenvolvimentistas aos miseráveis, que então formavam a maior parte da população brasileira, então, eu não sei o que é. Não fosse a crise política, econômica e moral que nos assola atualmente e a qual o desenvolvimentismo nos trouxe, é possível que o Brasil, hoje, estivesse se aproximando, finalmente, do Primeiro Mundo. Isso se tivéssemos nos mantido no virtuoso caminho trilhado entre 1994 e 2009.

     

    • coluna do silvestre
      RS-118 não fica pronta no ano que vem
      por Silvestre Silva Santos
    • rs em crise
      OPINIÃO | Perderemos 32 milhões se baixar ICMS
      por Rafael Martinelli
    • investimento
      Miki fecha o ano com uma boa notícia
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      OPINIÃO | Gravataí ainda não preencheu vagas de médicos
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Shopping vai dar muitos presentes de Natal
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • seca
      Sem chuva, captação no Rio Gravataí pode parar
      por Eduardo Torres
    • redes sociais
      Vereador ganha liminar para excluir post de eleitor
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      OPINIÃO | Inocente bom é inocente vivo
      por Rafael Martinelli
    • crime na saúde
      Empresa levou R$ 500 mil supostamente desviados
      por Eduardo Torres
    • crime na saúde
      Ex-secretária de Gravataí é sócia de empresa no alvo do MP
      por Eduardo Torres
    • crime na saúde
      Empresa de Gravataí envolvida em desvio na saúde
      por Eduardo Torres
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.