notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 20/01/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    a poesia de manoel de barros

    Esticador de horizontes

    por Marcos Golembiewski | Publicada em 11/11/2017 às 15h31| Atualizada em 11/11/2017 às 21h52

     

    Hoje, deixo os filmes de lado e escrevo sobre poesia. Sobre a poesia do Manoel de Barros (Poesia Completa, Ed. Leya Casa da Palavra), falecido em 2014. Ele deixou uma obra importante e a recomendação para que guardemos nossos instrumentos de trabalho num baú. O conteúdo deste baú, cheio de utensílios aparentemente inúteis, foi descrito num poema, assim: “Guarda num velho baú seus instrumentos de trabalho/ 1 abridor de amanhecer/ 1 prego que farfalha/ 1 encolhedor de rios/1 esticador de horizontes”.

    E assim a cada nova manhã retiro do baú os utensílios inventados pelo poeta. Primeiro o abridor de amanhecer que serve para abrir o dia e lembrar que o abridor será usado indefinidamente. E talvez para lembrar como também disse o poeta que “a gente nasce, cresce, amadurece, envelhece, morre. Pra não morrer, tem que amarrar o tempo no poste. Eis a ciência da poesia: amarrar o tempo no poste”.

    Depois, com cuidado, pego o prego que farfalha. Vou ao dicionário e descubro que farfalha é um pedaço insignificante de qualquer coisa, coisas vãs ou sem importância; bagatelas. Guardo o prego, pois mesmo os objetos sem importância tem sua função. O que não importa são os sentimentos insignificantes que farfalham.

    Com o encolhedor de rios nas mãos não consigo definir sua utilidade. Não consigo definir o que o poeta quis dizer, não consigo perceber a utilidade do utensílio inventado. Talvez não tenha querido dizer nada e o encolhedor não sirva para coisa alguma. Talvez tenha imaginado uma analogia entre o movimento incessante do rio e a vida. O encolhedor de rios seria a possibilidade de encolher nossos caminhos, pegar os atalhos, trilhar o que importa. Sinceramente não sei, desisto e guardo o encolhedor no baú.

    Por último retiro o esticador de horizontes e olho pela janela o horizonte ao fundo. A esta hora não se pode distinguir nada em razão da neblina. Vejo apenas uma linha divisória. Com o alargador é possível ver muito além do horizonte e principalmente como disse Manoel: “Que a importância de uma coisa não se mede com fita métrica nem com balanças nem barômetros etc. Que a importância de uma coisa há que ser medida pelo encantamento que produza em nós”.

    • segurança
      Carros da 99 POP terão câmeras de segurança
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      GM diz que pode fechar fábrica de Gravataí
      por Silvestre Silva Santos
    • segurança
      Fotógrafo foi morto por dívida em Cachoeirinha
      por Eduardo Torres
    • em Brasília
      Marco Alba trata do Complexo de Educação Especial
      por Redação
    • coluna do silvestre
      Pedágio volta dia 15 mais caro do que o anunciado
      por Silvestre Silva Santos
    • meio ambiente
      O último ano dos canudos plásticos em Gravataí
      por Eduardo Torres
    • 2020
      ’Bolsonaro da Aldeia’ na briga pela Prefeitura
      por Rafael Martinelli
    • carnaval
      Corte de dinheiro para Carnaval é aprovado; exceto por petistas
      por Rafael Martinelli
    • governo bolsonaro
      Marco Alba em Brasília; sem embaixador
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Moro foi bem na GloboNews; já é um político
      por Rafael Martinelli
    • carnaval
      Gravataí não vai liberar dinheiro para escola de samba
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      Uma em cada quatro armas legais é roubada no RS
      por Eduardo Torres
    • rs
      Ninguém de Gravataí no governo Leite
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      O que será feito para salvar Ubers da violência
      por Eduardo Torres
    • segurança
      O debate fetichista sobre a redução da maioridade
      por Rafael Martinelli
    • educação
      Ulbra Gravataí demite um quinto dos professores
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      App leva profissionais da beleza até você
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • habitação
      Moradores querem financiar casas da Granja em 35 anos
      por Eduardo Torres
    • polêmica
      Gravataí e Cachoeirinha podem ter armas liberadas
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Farda não garante santidade; promoção, talvez
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      RETRÔ 2018 | Sem guerra das facções, na mira dos grandões
      por Eduardo Torres
    • economia
      RETRÔ 2018 | A volta dos investimentos na região
      por Eduardo Torres
    • meio ambiente
      RETRÔ 2018 | O preço do futuro preservado
      por Eduardo Torres
    • política
      RETRÔ 2018 | Do limão eleitoral à limonada política
      por Eduardo Torres
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.