notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 22/04/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    as boas de hoje

    A mulher que não fugiu do fim do mundo porque não tinha a grana da passagem

    por Sônia Zanchetta | Publicada em 03/11/2017 às 11h49| Atualizada em 04/11/2017 às 09h38

    Preparadas para morrer

    Eu passei a infância ouvindo falar do Juízo Final, do fim dos tempos e das profecias apocalípticas de Nostradamus e não dava bola a nada disso.

    Mas, lá pelos meus nove anos, a Delma, que trabalhava lá em casa, apareceu toda alarmada, no meu quarto, uma manhã, e disse que tínhamos de ir nos confessar, para estar preparadas para o fim do mundo, anunciado para o dia seguinte por um vidente que aparecera na tevê.

    Se havia dado na tevê, pensei eu, a coisa era séria. E enquanto ela me arrastava para a Igreja Sebastião, do bairro Petrópolis, de Porto Alegre, onde vivíamos na época, eu sentia, além do terror dessa notícia, a dificuldade de inventar ao menos um pecado para contar ao Cônego Alfredo, pois jamais me ocorria algo na hora:  “Será que lhe digo que falei ‘nomes feios’ pros meus irmãos? Será que falo que menti pra mãe?”...

    Mas, para nossa surpresa, o fim do mundo não ocorreu e, já com os corações tranquilos, tratamos de saber alguma coisa a respeito, pelo Repórter Esso, veiculado pela TV Piratini.

    Mas o único que vimos, ali, sobre o assunto, foi um repórter que, no meio da rua, indagava aos passantes se haviam mudado algo em sua rotina em função da previsão do fim do mundo.

    Entre as respostas, ouvimos barbaridades, mas a que mais gostei foi a de uma senhora que disse ter ficado tão assustada que só não fugiu para o Uruguai porque não conseguiu a grana da passagem.

    A partir daquela data, voltei a não dar bola para os profetas e comecei a ter “um pé atrás” com os meios de comunicação.   

     

    Aprendendo a comprar

     

    Quando meus filhos eram pequenos, eu lhes dizia que quem sabe vender não passa fome em lugar algum do mundo e que, independentemente do caminho que escolhessem para suas vidas, naquela casa todo mundo teria de aprender a vender.

    E, ao mesmo tempo, tratava de ensiná-los a comprar, para que se tornassem menos dependentes e não se deixassem engabelar por comerciantes vivaldinos.

    Um dia, estávamos na piscina do clube que frequentávamos lá em Quito, no Equador, onde vivíamos, e a Nanda, que tinha uns seis anos de idade, pediu-me dinheiro para comprar um sorvete e lá se foi, toda pimpante, em direção ao bar.

    Mas o balcão do bar era muito alto e sua dona não a via ou fingia não vê-la. Depois de algum tempo, a Nanda já estava contrariada, pois só os adultos eram atendidos e nunca chegava sua vez. Daí, começou a dar saltinhos, diante do balcão, com o braço esquerdo (ela é canhota) estendido e mostrando o dinheiro, enquanto exclamava: “Fabiolita, dame un helado! Fabiolitaaaa, dame un helado!”.

    Mas a tal Fabiolita continuava a ignorá-la. Eu a observava  de longe, mas comecei a me aproximar, devagarinho, para o caso de ter de intervir, esperando, ainda, que tivesse uma reação mais efetiva. Foi aí que a vi dar vários passos para trás, a fim de ficar visível, e pôr a boca no trombone: “Fabiolita, qué pása? A ti no te gustan los niños?”.

    E, em dois minutos, estava com seu sorvete de amora na mão e eu, ali, cheia de orgulho da cria.

     

    Paciência com os professores

     

    Um dia, quando tinha uns nove ou dez anos, minha filha Carla chegou toda agitada da escola, lá no Equador, onde vivíamos: "Mami, el maestro dijo que todos los ecuatorianos son católicos, pero esto no es verdad, no?"

    Eu lhe expliquei que o professor estava equivocado e mencionei várias pessoas conhecidas que eram de outras religiões. E lhe disse que não havia nada de mal em discordar do professor, desde que fizesse isto de forma delicada.

    No dia seguinte, ela retomou o assunto: "Mami, yo le expliqué al maestro, con mucha paciencia, que ni todos los ecuatorianos son católicos y que tu conoces varias excepciones". Quando lhe perguntei o que o professor havia respondido, ela contou: "Él dijo: sí Carlita, tienes razón: hay unas poquitísimas excepciones, poquitísimas!!!"

    • feira na Caergs
      Vai ter feira medieval na cidade neste domingo
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • coluna do martinelli
      OPINIÃO | Glorinha é a nova terra das raves
      por Rafael Martinelli
    • sua saúde
      Tudo sobre a vacinação contra gripe em Gravataí
      por Redação
    • políticos
      OPINIÃO | O conto do vigário dos pais de obras feitas
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Teve de tudo no desfile de modas do Sindilojas
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • cachoeirinha
      Tribunal suspende contratação de Área Azul
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • mpf:
      Posts no Face comprometem Bordignons e Peixe
      por Rafael Martinelli
    • festa do divino
      Uma festa do mundo açoriano em Gravataí
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • exclusivo
      Impeachment de Gravataí chega a Brasília
      por Rafael Martinelli
    • entrevista
      Gravataiense casa vizinho da guerra na Síria
      por Rafael Martinelli
    • emendas
      Vereadores podem abrir portas para corrupção
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.