notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 31/05/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    dica do sommelier

    Oktoberfest

    por Rafael dos Santos | Publicada em 24/10/2017 às 18h56

     

    Apesar da crença disseminada, a tradicional Oktoberfest, que se realiza em Munique, na Alemanha, não é uma festa da cerveja. É uma celebração que promove a cultura da região da Baviera, da qual a cerveja é parte integrante. Trata-se de um festival gastronômico, artístico e histórico, permeado pelo charme do velho Mundo, que oferece opções de passeios temáticos, de charrete, apresentações teatrais, musicais e, naturalmente, um roteiro gastronômico variado que inclui o grande orgulho alemão: sua excelente cerveja.

    Tudo começou em outubro de 1810, quando o rei da Baviera, Ludwick I, casou-se com Therèse von Sachsen-Hildburghausen. O povo da região celebrou essa união com uma festa que durou uma semana e teve tanto sucesso que resolveram repeti-la no ano seguinte.

    Aos poucos a duração das comemorações foi alongada e sua data antecipada em algumas semanas para aproveitar os dias mais quentes do final do verão e início do outono. Desde então, essa tem sido a festa mais famosa de Munique, imitada em mais de três mil outros locais ao redor do mundo. As mais importantes acontecem nas cidades de Blumenau (Brasil), sttutgart e Hannover (Alemanha), Kitchener-Waterloo (Canadá), Frankenmuth e Cincinnati (EUA) e Mônaco.

    Apesar de o nome referir-se ao mês de outubro, a festa acontece em setembro. Para saber quando será é preciso fazer alguns cálculos. Primeiro, deve-se considerar que a celebração dura 16 dias. Depois, sabendo que ela termina no primeiro domingo de outubro, faz-se a conta para trás, de modo a determinar o dia do início, que sempre será um sábado.

    A partir de 1990, porém, esse calendário foi modificado. Com a reunificação das duas Alemanhas é celebrada no dia 3 de outubro, a festa deve ser estendida até esse dia. Isso significa que, quando o primeiro domingo de outubro cair no dia 2, a festa terá dezessete dias. E no ano em que o primeiro domingo de outubro cair no dia 1º, a festa terá dezoito dias.

    Já em março de cada ano as seis maiores cervejarias de Munique começam a produzir suas cervejas especiais, as "Oktoberfest", muitas usando receitas centenárias. Todo cuidado é importante para que sua participação no festival seja um sucesso, considerando-se que não há melhor maneira de promover o nome da cervejaria para um público tão grande, selecionado e heterogêneo, composto de turistas de todas as partes do mundo, incluindo os próprios alemães.

    A festa é inaugurada com uma tradicional parada, que termina com prefeito da cidade abrindo o primeiro barril de chope, com as seguintes palavras: "Ozapts is!" ("O barril está aberto!").

     

     

    Uma segunda parada acontece no primeiro domingo do festival, quando mais de 7.500 pessoas desfilam com motivos da cultura local. No segundo domingo, mais de quatrocentos músicos de todas as bandas típicas participantes fazem um característico desfile carnavalesco, prestando seu tributo às comemorações.

    Espalhada em catorze tendas, cada uma com suas próprias atrações e patrocínio de uma cervejaria específica, a festa de munique é uma das maiores do mundo. Recebe anualmente mais de sete milhões de pessoas, que consomem seis milhões de litros de cerveja em dezesseis dias!

    Em ritmo de polca e com muita cerveja, a versão brasileira da Oktoberfest acontece na cidade catarinense de Blumenau desde 1984, quando uma enchente devastou a cidade e a comunidade se uniu para reconstruir parte dela. Como forma de arrecadar fundos, resolveu-se, então, realizar uma versão brasileira da famosa festa alemã. Em mais de vinte edições, a festa já atraiu dezesseis milhões de visitantes. Estima-se, aproximadamente, a presença de setecentas mil pessoas e o consumo de 380 mil litros de chope po evento.

     

     

    Tradicionalmente apoiada por grandes cervejarias, nos últimos anos a Oktoberfest brasileira vem contando com a participação de microcervejarias da região, além da patrocinadora oficial.

    Considerada a maior festa alemã das Américas, a Oktoberfest de Blumenau já se consolidou como referência turística na região, inspirando e liberando outros festivais temáticos e regionais no Estado.

    Apesar da sua aparência sisuda, os alemães são mestre na maneira de festejar suas tradições, sempre com muita alegria e responsabilidade. O apoio logístico, médico, turístico, e principalemnte a segurança são exemplares, tanto no evento da Alemanha quanto no do Brasil.

    Qualquer que seja o argumento - a festa, o folclore, a cerveja, a segurança - a Oktoberfest é imperdível, alegre e civilizada. PROSIT!

     

    DICA DE EVENTO

    28/10 Sabado - 1º Oktoberfest  Crowd Beer | Para saber mais clica aqui.

    • crise do coronavírus
      O ‘urubu da imprensa’ errou, para menos; contágio em Gravataí cresceu 245 por cento
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Ele grita a sua impotência. Ou: Vamos ver como seria o ’gorpe do Parmito’
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      As mortes sem rosto da COVID 19 em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • política
      ’Político alvo’ desafia abertura de ’CPI das fake news’ na Câmara de Gravataí; as bravatas e verdades múltiplas
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Gravataí receberá 36 milhões de socorro federal; funcionalismo com salários congelados até 2022
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Metade de Gravataí é ’grupo de risco’ para COVID 19; alerta aos ’covidiotas’
      por Rafael Martinelli
    • política
      Zaffa saiu da Havan como candidato a prefeito de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • negócios
      Luciano Hang e Marco Alba na ’inauguração surpresa’ da Havan Gravataí; assista
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      ’Gripezinha’, ’carreatas da morte’, Páscoa, reabertura e Dia das Mães; a progressão da COVID 19 em Gravataí e Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Por que hospital de campanha de Gravataí atrasou 30 dias; sem tirolesa ou ’Covidão’
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Cristiano Abreu | EDITOR | cristiano@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.