notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 19/01/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    as balas e o sono

    As histórias de dona Dadaia

    por Sônia Zanchetta | Publicada em 15/09/2017 às 11h03

    Lembro bem do dia em que o pai chegou da rua e disse à mãe que lhe havia comprado um revólver, pra que usasse em caso de necessidade, quando ele estivesse viajando. Ela arregalou os olhos, deu um pulo pra trás, disse que não ia tocar naquilo e que não queria saber de armas lá em casa.

    Mas ele insistiu, explicou-lhe como usar o revólver, recomendou que o guardasse fora do nosso alcance, e ela acabou por aceitá-lo. Mas, assim que o pai saiu, no dia seguinte, tirou as balas do tambor, colocou-as em um saquinho e as deu de presente a um primo nosso.

    Anos depois, acordei no meio da noite com os gritos da mãe: ”Vou acabar contigo,  bandido! Aparece aí!”. Corri a seu quarto e a encontrei com o revólver em punho, apontando por uma fresta, entre as venezianas da janela.

    Espiei sobre seu ombro e avistei, lá fora, umas fotos grandes, secando no varal de roupa. Deduzi, de imediato, que quem ela tinha visto, na verdade, era um dos meus colegas de faculdade que haviam ficado trabalhando no laboratório de fotografia que eu mantinha, na lavanderia da casa, com um deles.   

    Lembrei-lhe que havia avisado que os guris estariam lá, revelando e ampliando fotos, mas ela insistia em que tinham ido embora há um tempão e que sim vira um ladrão no pátio.    

    Corri até a lavanderia e encontrei meus colegas assustadíssimos: “Sônia, saímos para jantar e, quando voltamos, tua mãe quase nos matou!”.

    Terminamos todos, na cozinha, tomando um chazinho, para acalmar os nervos, e rindo muito, mas, cá entre nós, ainda bem que ela teve aquele lampejo de dar as balas de presente, não é?

     

    :

     

    Minha mãe tinha um mau humor terrível ao acordar. Uma vez, fomos a Buenos Aires e, depois de um dia inteiro batendo pernas, compramos os ingressos para um show de tango a que ela queria assistir.  

    Como começava tarde, ela decidiu dormir um “cadinho”, depois do jantar, e pediu que eu a despertasse a tempo.

    Lá pela tantas, fui, com a maior delicadeza do mundo, acordá-la, sabendo que aquilo não ia ser fácil. Toquei em um de seus braços e no outro várias vezes, bem devagarinho, e nada.

    Então, eu a chamei em voz baixa: “Mãe, tá na hora!” Foi o suficiente para despertar o dragão: “O que é isto? Que desaforo interromper o sono de alguém desta maneira! Não me incomoda!”.

    Dei meia-volta, peguei o livro que estava lendo e fui pra cama. 

    Pela manhã, ela me acordou aos gritos: “Sônia! Eu não te pedi para me despertar para irmos ao show? Que barbaridade! Não posso acreditar que não me chamaste!”.

    • coluna do silvestre
      GM diz que pode fechar fábrica de Gravataí
      por Silvestre Silva Santos
    • segurança
      Fotógrafo foi morto por dívida em Cachoeirinha
      por Eduardo Torres
    • em Brasília
      Marco Alba trata do Complexo de Educação Especial
      por Redação
    • coluna do silvestre
      Pedágio volta dia 15 mais caro do que o anunciado
      por Silvestre Silva Santos
    • meio ambiente
      O último ano dos canudos plásticos em Gravataí
      por Eduardo Torres
    • 2020
      ’Bolsonaro da Aldeia’ na briga pela Prefeitura
      por Rafael Martinelli
    • carnaval
      Corte de dinheiro para Carnaval é aprovado; exceto por petistas
      por Rafael Martinelli
    • governo bolsonaro
      Marco Alba em Brasília; sem embaixador
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Moro foi bem na GloboNews; já é um político
      por Rafael Martinelli
    • carnaval
      Gravataí não vai liberar dinheiro para escola de samba
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      Uma em cada quatro armas legais é roubada no RS
      por Eduardo Torres
    • rs
      Ninguém de Gravataí no governo Leite
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      O que será feito para salvar Ubers da violência
      por Eduardo Torres
    • segurança
      O debate fetichista sobre a redução da maioridade
      por Rafael Martinelli
    • educação
      Ulbra Gravataí demite um quinto dos professores
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      App leva profissionais da beleza até você
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • habitação
      Moradores querem financiar casas da Granja em 35 anos
      por Eduardo Torres
    • polêmica
      Gravataí e Cachoeirinha podem ter armas liberadas
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Farda não garante santidade; promoção, talvez
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      RETRÔ 2018 | Sem guerra das facções, na mira dos grandões
      por Eduardo Torres
    • economia
      RETRÔ 2018 | A volta dos investimentos na região
      por Eduardo Torres
    • meio ambiente
      RETRÔ 2018 | O preço do futuro preservado
      por Eduardo Torres
    • política
      RETRÔ 2018 | Do limão eleitoral à limonada política
      por Eduardo Torres
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.