notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 20/01/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    dicas de cinema

    Perdidos em Paris e Monsieur & Madame Adelman

    por Marcos Golembiewski | Publicada em 18/08/2017 às 13h46

    Paris é cenário dos dois filmes do título: Perdidos em Paris e Monsieur & Madame Adelman. A outra coisa em comum é o tema. Ambos contam histórias de amor. Mas em Perdidos em Paris o amor tem dupla face. Uma destas facetas é o amor pela cidade de Paris.

    Na comédia romântica o trio de personagens desajustados, Fiona, Dom e Martha vagam na cidade em encontros e desencontros. E Paris parece que não é apenas cenário, mas também personagem. E assim a cidade desfila na tela grande com sua beleza inigualável, sua arquitetura única, suas ruas estreitas, suas avenidas largas, seus cafés apinhados de gente em qualquer horário. E o rio Sena aparece em vários momentos, com suas pontes, seus barcos, restaurantes e seus passeios nas bordas com caminhantes de todo o mundo.

    E além da cidade, o filme conta com uma atuação extraordinária da atriz Fiona Gordon que interpreta Fiona. A cena em que dança com Dom no Restaurante que funciona num barco ancorado no Sena é impagável.

    Em Monsieur & Madame Adelman, a trama gira em torno do casamento de Sarah e Victor Adelman. O filme se passa no período entre 1971 a 2016, tempo da união dos protagonistas. No funeral de Victor, Sarah é abordada por um jornalista que deseja escrever uma biografia sobre o marido, escritor de sucesso na França.

    O ponto alto são os diálogos: inteligentes, refinados e com senso de humor. E também uma pergunta. Ao final de um casamento tão longo e da própria vida, valem mais os prêmios, o reconhecimento ou o que se viveu no relacionamento?

    No longo tempo da história de amor entre Sarah e Victor, os acontecimentos, a mentalidade e a cultura de cada época surgem como pano de fundo. Na minha opinião, as mudanças e a contracultura desde período deveriam ter sido mais exploradas, mas afinal isso não chega a comprometer o filme.

    Nos anos 70, a liberação sexual e as relações abertas, aceitas por Sarah, não por que concordasse, mas sim por que naqueles anos era inevitável. Anos da filosofia e do comportamento de Simone de Beauvoir e Sartre.

    Na década de 80, aparece o socialismo de Mitterrand e as contradições entre o discurso de esquerda de Victor e seus valores pequeno-burgueses. No fundo, o filme sempre nos leva para a reflexão de que as coisas e os seres humanos são sempre mais complexos do que possa parecer.

    • segurança
      Carros da 99 POP terão câmeras de segurança
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      GM diz que pode fechar fábrica de Gravataí
      por Silvestre Silva Santos
    • segurança
      Fotógrafo foi morto por dívida em Cachoeirinha
      por Eduardo Torres
    • em Brasília
      Marco Alba trata do Complexo de Educação Especial
      por Redação
    • coluna do silvestre
      Pedágio volta dia 15 mais caro do que o anunciado
      por Silvestre Silva Santos
    • meio ambiente
      O último ano dos canudos plásticos em Gravataí
      por Eduardo Torres
    • 2020
      ’Bolsonaro da Aldeia’ na briga pela Prefeitura
      por Rafael Martinelli
    • carnaval
      Corte de dinheiro para Carnaval é aprovado; exceto por petistas
      por Rafael Martinelli
    • governo bolsonaro
      Marco Alba em Brasília; sem embaixador
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Moro foi bem na GloboNews; já é um político
      por Rafael Martinelli
    • carnaval
      Gravataí não vai liberar dinheiro para escola de samba
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      Uma em cada quatro armas legais é roubada no RS
      por Eduardo Torres
    • rs
      Ninguém de Gravataí no governo Leite
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      O que será feito para salvar Ubers da violência
      por Eduardo Torres
    • segurança
      O debate fetichista sobre a redução da maioridade
      por Rafael Martinelli
    • educação
      Ulbra Gravataí demite um quinto dos professores
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      App leva profissionais da beleza até você
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • habitação
      Moradores querem financiar casas da Granja em 35 anos
      por Eduardo Torres
    • polêmica
      Gravataí e Cachoeirinha podem ter armas liberadas
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Farda não garante santidade; promoção, talvez
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      RETRÔ 2018 | Sem guerra das facções, na mira dos grandões
      por Eduardo Torres
    • economia
      RETRÔ 2018 | A volta dos investimentos na região
      por Eduardo Torres
    • meio ambiente
      RETRÔ 2018 | O preço do futuro preservado
      por Eduardo Torres
    • política
      RETRÔ 2018 | Do limão eleitoral à limonada política
      por Eduardo Torres
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.