notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 15/10/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    o passarinho e o mosquitinho

    Sobre o verbo que voa

    por Teresa Azambuya | Publicada em 01/07/2017 às 14h29| Atualizada em 01/07/2017 às 21h23

    - Mamãe, o que os passarinhos tão fazendo?

    Era entardecer, os passarinhos voavam alucinados atrás dos insetos.

    - Estão caçando mosquitinhos.

    - Por quê?

    - Porque é a jantinha deles, filho.

     Nova pausa. Os olhinhos vidraram e, logo, veio a pergunta:

    - Mamãe, depois os passarinhos vão tomar guaraná de mosquitinho?

     

    Meu filho Augusto tinha dois anos quando esta história se deu. Projetou sua realidade no bebê passarinho. Costumamos achar isso lindo, sempre que presenciamos cenas parecidas. O olhar infantil nos comove, porque a forma como a criança vê o mundo tem profundidade na singeleza. Era apenas um passarinho? Não. Era um bichinho que também sentia sede, como meu filho sentia. 

    Já fomos capazes de olhar assim, mas nos esquecemos disso ao longo da vida.

    Menos os poetas. Eles não esquecem de olhar diferente.

    Com passarinhos e verbos delirantes, Manoel de Barros soube explicar bem esse olhar infantil, em sua poesia:

     

    No descomeço era o verbo.

    Só depois é que veio o delírio do verbo.

    O delírio do verbo estava no começo, lá

    onde a criança diz: Eu escuto a cor dos

    passarinhos.

    A criança não sabe que o verbo escutar não

    funciona para cor, mas para som.

    Então se a criança muda a função de um

    verbo, ele delira.

    E pois.

    Em poesia que é voz de poeta, que é a voz

    de fazer nascimentos —

    O verbo tem que pegar delírio.

    (Manoel de Barros, in: O livro das ignorãças)

     

    O verbo que delira e a criança que lhe muda a função são, para nós, ensinamentos. Precisamos sair do uso prosaico das palavras, para não sermos esmagados pelo excesso de realidade. De verbos alinhados e corretamente empregados já estamos cheios; rejeitemos a rotina das palavras que nos endurece.

    Hoje o dia tem sol.

    Vamos escutar a cor dos passarinhos enquanto eles tomam guaraná de mosquitinho?

     

    • tráfico
      OPiNIÃO | A Lava-Jato contra as facções
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      Estado promete RS-118 duplicada para este ano
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • eleições 2018
      OPINIÃO | Marco e o MDB apoiam Bolsonaro e filiam Áureo
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • habitação
      Audiência pública debate a regularização da Granja
      por Eduardo Torres
    • ensino superior
      Facensa tem curso com nota máxima no Enade
      por Silvestre Silva Santos
    • eleições 2018
      OPINIÃO | O oportunismo de Cláudio Ávila; e os outros
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.