notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 25/05/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    o inverno

    O frio nas montanhas sem gelo

    por Teresa Azambuya | Publicada em 21/06/2017 às 18h46

    Chegamos, enfim, ao inverno. Com ele, nos dividimos: nas conversas de elevador, na mesa do bar, no ônibus, agrupamo-nos segundo o critério de gostar ou não gostar da estação. As variações de argumentos vão desde o andar elegante e bem vestido ao horror de ter crianças ranhentas em casa.

    Tudo é uma questão de sensibilidade e percepção.

    Sabemos, também, que o inverno brasileiro, além de ocorrer de maneiras muito diferentes em todo o território nacional, é bastante distinto do que se vê em outros continentes. O discurso cinematográfico da montanha com o pico coberto de neve não nos pertence. “Que pena”, diriam uns. “Ainda bem”, os outros.

    Machado de Assis, nosso grande escritor brasileiro, também falou sobre a estação. Não se posicionou a favor, nem contra,mas fez um belíssimo retrato do inverno brasileiro, período em que o “Gelo não cobre o dorso das montanhas”. Aqui, os meses de frio são ambíguos; coexistem a névoa, o sol, o vento frio e a orquestra dos pássaros no mato.

    (Na minha opinião, querido escritor, faltou dizer que coexistem altas e baixas temperaturas no mesmo dia e que isso acaba com a minha garganta.)

    Enfim, gostando ou não, teremos três meses de inverno pela frente, com casacos bonitos, caixas de lenços descartáveis, vinho, antigripais, lareira e espirros.

    De todo modo, os dias são sempre melhores quando há boas leituras para fazer.

    Fiquem com o poema de Machado de Assis.

     

     

    Manhã de Inverno

    Coroada de névoas, surge a aurora

    Por detrás das montanhas do oriente;

    Vê-se um resto de sono e de preguiça,

    Nos olhos da fantástica indolente.

     

    Névoas enchem de um lado e de outro os morros

    Tristes como sinceras sepulturas,

    Essas que têm por simples ornamento

    Puras capelas, lágrimas mais puras.

     

    A custo rompe o sol; a custo invade

    O espaço todo branco; e a luz brilhante

    Fulge através do espesso nevoeiro,

    Como através de um véu fulge o diamante.

     

    Vento frio, mas brando, agita as folhas

    Das laranjeiras úmidas da chuva;

    Erma de flores, curva a planta o colo,

    E o chão recebe o pranto da viúva.

     

    Gelo não cobre o dorso das montanhas,

    Nem enche as folhas trêmulas a neve;

    Galhardo moço, o inverno deste clima

    Na verde palma a sua história escreve.

     

    Pouco a pouco, dissipam-se no espaço

    As névoas da manhã; já pelos montes

    Vão subindo as que encheram todo o vale;

    Já se vão descobrindo os horizontes.

     

    Sobe de todo o pano; eis aparece

    Da natureza o esplêndido cenário;

    Tudo ali preparou co’os sábios olhos

    A suprema ciência do empresário.

     

    Canta a orquestra dos pássaros no mato

    A sinfonia alpestre, — a voz serena

    Acordo os ecos tímidos do vale;

    E a divina comédia invade a cena.

     

    Machado de Assis, in 'Falenas'.

    • dia de caos
      Greve deixa Gravataí e Cachoeirinha às moscas
      por Silvestre Silva Santos
    • dias de caos
      OPINIÃO | Sou contra a greve dos patrões dos caminhoneiros
      por Rafael Martinelli
    • dia de caos
      Tudo sobre a crise dos combustíveis
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • dias de caos
      OPINIÃO | Você, a vítima da greve dos caminhoneiros
      por Rafael Martinelli
    • esporte
      Vitória de mão cheia do futebol feminino
      por Eduardo Torres
    • transporte
      Linhas de ônibus mudam horários a partir desta quinta
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • mobilidade
      Seis meses para Prefeitura mudar as calçadas do centro
      por Silvestre Silva Santos
    • no tse
      PMDB recorre de absolvição de Bordignon
      por Rafael Martinelli
    • trânsito seguro
      Se beber... Balada Segura vai às vilas
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • câmara
      Vereadores precisam cuidar com projetos demagógicos
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Caminhoneiros fazem a GM parar a produção
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      E os 17 milhões não eram só para wi-fi nas praças
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      Em ação o Big Brother da segurança de Gravataí
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • rio limpo
      Navegando com pachamama ao futuro do Gravataí
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.