notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 16/07/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    fintech

    Bancos digitais, uma novidade que está arrebatando fãs

    por Andreo Fischer | Publicada em 19/06/2017 às 17h13| Atualizada em 19/06/2017 às 17h25

    Quem tem conta bancária sabe: paga tarifas que não remetem a nada, enfrenta fila em agências, precisa tirar até os rins para que a porta giratória libere o acesso.

    Falando nisso, nas últimas semanas tive um constrangimento com essa tal porta em uma agência do “banco azul e laranja” ali em Gramado. Apesar de ter colocado todos os meus pertences na caixa coletora da porta, ainda me restava uma sacola na mão que tinha algumas latas de refri vazias.

    O segurança de lá com toda a sua arrogância (alguns acham que são da equipe do Capitão Nascimento) fez questão de conferir a sacola, mas isso não evitou meu estresse e que discutíssemos. Ele disse que quando terminasse seu expediente na agência queria acertar umas contas comigo. Parecia aluno da sexta série com o “vou te pegar na saída”. A essa hora, o segurança acertou suas contas com o próprio chefe, pois eu denunciei a atitude dele para a empresa na qual trabalha, e a pessoa que me atendeu não gostou de nada do que ouviu… E você? Já passou raiva na agência do seu banco? Se sim eu trarei na coluna de hoje uma alternativa a isso. Vamos lá!

     

    Fintech

     

    Esse termo quer dizer finanças com tecnologia. Na tradução que eu mesmo fiz seria: aplicativo + serviços bancários. No ano passado o Banco Central do Brasil autorizou essa modalidade bancária, que já é comum nos Estados Unidos e Europa onde existem poucas agências de banco. Com isso nasceram algumas fintechs como Banco Original, NuBank, Intermedium, Banco Neon entre outros. Cada banco desses tem suas próprias regras comerciais, mas geralmente eles não cobram mensalidades e fornecem cartão de crédito sem anuidade. Também é oferecido transferências entre contas, empréstimos, pagamento de contas, ou seja, tudo o que os bancos tradicionais têm, as fintechs também disponibilizam pelo aplicativo.

    Cabe ressaltar que o Banco Central regula essas operações e com isso os bancos digitais também podem recusar cadastros e negar concessão de crédito para os clientes se valendo de critérios próprios, que são subjetivos.

    Não existe segredo para tanta vantagem assim. Desde os primórdios do e-commerce sempre se soube que vender pela internet é uma coisa lucrativa para as empresas, pois elas não precisam dispor de espaço físico (uma loja), não precisam contratar muitos funcionários e se pegar só esses dois itens, o resto das despesas já vai baixando. Aí o valor final do produto sai mais em conta do que comprar em uma loja física (que já precisa bancar o que eu comentei antes) e quem ganha é o consumidor final. A lógica das fintechs não deixa de ser a mesma, elas não precisam abrir várias agências e contratar vários funcionários porque o aplicativo já é uma agência. Uma agência que só custa uma estrutura de TI para os bancos digitais que é muito inferior aos custos que um banco tradicional tem com seus vários endereços físicos.

     

    Bradesco, Itaú e Banco do Brasil partem para o ataque

     

    Cientes de uma possível migração de clientes para as fintechs, os bancos tradicionais também resolveram entrar nessa e passaram a permitir que os clientes abrissem conta no app e movimentasse ela por lá, sem precisar ir nas agências. Itaú e Banco do Brasil tem um processo de abertura semelhante e o cartão chega em casa pelos Correios. Já o Bradesco criou o Next, que tem a proposta que mais se aproxima das fintechs. A marca Bradesco pouco aparece na Next e a ideia é mesmo de movimentar a conta pelo aplicativo, usando o Bradesco somente para depositar e sacar dinheiro.

    É interessante observar que os bancos parecem ignorar o NuBank (que oferece apenas cartão de crédito sem anuidade) e continuam a oferecer cartões com altas tarifas como já vem ocorrendo há muito tempo.

     

    Banco Original

     

    Como já explicamos, sua agência de um banco digital é o aplicativo. Você resolverá tudo por lá e por isso não listaremos aqui as funções de cada aplicativo.

    Como eu, colunista, abri uma conta no Banco Original e posso dizer que não fiquei animado em usar os serviços ainda. Para fazer um depósito é necessário fazer uma transferência TED de outra conta (paga-se tarifas por isso) ou fazer depósito por cheque. Tenho 24 anos e não sei como se preenche um cheque ainda. Não é do meu tempo. Mas o resto eu me adaptaria numa boa. O problema é que sem a mascada na conta não faria sentido abrir o aplicativo, pois não daria para fazer nada.

    A abertura é feita digitando dados pessoais, fazendo uma foto e um vídeo. Isso passa por uma análise do Original e pode ser liberada ou não. Depois eu recebi um cartão MasterCard Gold sem função crédito habilitada. É bom salientar que com frequência as fintechs negam crédito e segundo eles, não necessariamente isso quer dizer que é problema de restrição ao crédito, e sim os tais “critérios internos” que não são do conhecimento da maioria. A orientação é para movimentar a conta para que seja feita uma reavaliação depois.

     

    Minha opinião:

     

    O serviço está crescendo e ainda há o que melhorar. Por que você não escolhe um dos bancos para ver se gosta? O fechamento de uma conta é feito pelo aplicativo também caso não goste.

    Até a próxima!

    • coluna do silvestre
      Sogil polui menos e ganha prêmio estadual
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • meio ambiente
      Onça parda é flagrada na região 15 anos depois
      por Redação
    • seguinte: impresso
      O prefeito que trouxe a Santa Casa
      por Rafael Martinelli
    • na copa
      COM VÍDEO | Neymar caiu e levou a festa, o bolão...
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • funcionalismo
      20 usuários custaram 10 milhões ao Ipag Saúde
      por Rafael Martinelli
    • saúde
      COM VÍDEO | Vilões do recreio com os dias contados
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • especial
      Dana: De Gravataí para o mundo
      por Silvestre Silva Santos
    • cachoeirinha
      Erro é querer ’jeitinho’ no caso da viatura guinchada
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Se precisa lei para ceder o lugar no ônibus, algo está errado
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Não há nada de absurdo no argumento de soltura de Lula
      por Rafael Martinelli
    • justiça
      O prende-e-solta de Lula e o 7 a 1 na Constituição
      por Rafael Martinelli
    • funcionalismo
      OPINIÃO | Projeto aumenta contribuição no Ipag Saúde
      por Rafael Martinelli
    • lugares
      Um morro de natureza e atrações radicais
      por Katterina Zandonai | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • lugares
      O morro das lendas urbanas
      por Katterina Zandonai | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • lugares
      O homem que conquistou o Morro do Itacolomi
      por Katterina Zandonai | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • lugares
      O Morro Itacolomi como você nunca viu
      por Katterina Zandonai | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.