notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 18/11/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    coluna do silvestre

    Mas roubaram o meu fusquinha!!!

    por Silvestre Silva Santos | Publicada em 05/11/2018 às 17h50| Atualizada em 05/11/2018 às 17h54

    Da série me cortem os tubos! Me aguentem ou...

    Mais uma das antigas!

    Foi lá pelos anos 80. Comprei um fusca do autor do livro do P, "seo" Jeremias Borsatti, que morava na rua Saldanha Marinho, em Cachoeira do Sul. Livro do P, porque ele escreveu todas as palavras iniciando com a letra...

    Voltando ao fusca!

    Era um "miledú"... Os entendidos sabem o que é. Seis volts. Ano 62. Na quarta marcha, esgaçadinho, dava 90 na descida.

    Lembro disso porque uma vez, viajando para Porto Alegre, em uma descida da BR-290 não muito forte, mas longa, no município de Butiá, aquele retão de onde saem caminhões carregados com carvão, o motorista de uma caçamba ficou com pena do meu sofrimento.

    Tirou o pé do acelerador e me deixou ultrapassar. Acho que até pisou no freio um pouquinho. Eu a 90 por hora e o "miledú" rabeando mais que pandorga com cola curta...

    E o tadinho era todo furado por baixo. 

    Num dia de enxurrada, em Porto Alegre, lembro que eu estava na Oswaldo Aranha. Mas entrava tanta água pelo assoalho, tanta água, que cheguei a cogitar a possibilidade de abrir o guarda-chuvas. Virado prá baixo, claro!

    Lá em Cachoeira, certa feita, me roubaram o "miledú".

    Me desesperei. Meu patrimônio, ora bolas!

    Mas como eu era muito conhecido, não demorou para aparecer um brigadiano que me conhecia, e sabia por onde eu andava na calada da madrugada, avisando que meu fusca estava abandonado na rua dos Loretos, atrás da rodoviária, com as portas abertas.

    Não levaram nada.

    De pena, ainda me encheram o tanque (claro que estou exagerando!). Também, o tadinho andava "só no cheiro". Gasolina só a conta-gotas...

    Lembrei do meu "miledú" dia desses, vindo para o trabalho. Passou por mim um fusca igualzinho, até os para-choques de goleira eram do mesmo tipo. Branco, também, mas um branco já desgastado. Parecia até que estava usando bengalas e eu jurei que era o meu "miledú". Quase saí correndo atrás.

    Depois desse, tive um outro carrinho de nome carinhoso. Foi uma “Teresa Louca”, como chamavam na época os Volkswagen modelo TL.

    Eu troquei em Porto Alegre em uma revenda de picaretas lá da Azenha, pelo meu “miledú”. E ainda dei mais um dinheiro para o cara. Acho que fui ludibriado, mas deixa assim que é melhor!

    A TL era mais nova. Ano 1974 e motor 1.600, daqueles de Kombi, em pé, na traseira. Entrava um fedor de gasolina que empesteava o interior da “Teresa Louca”.

    Fiz muitas viagens com ela.

    Certa feita, também em deslocamento para a capital pela BR-290, rebentou o cabo do acelerador. Era um cabo que ia desde o pedal, cá na frente, até o carburador, lá atrás. Sorte que se rompeu bem no “pé” do carburador. Não tive dúvida. Fui numa cerca da beira da estrada, arranquei um pedaço de arame e com uma pedra fiz uns ganchos.

    Um para engatar no carburador, e outro para amarrar a espia de aço do cabo que era acionado por mim, no pedal.

    Conserto feito, pé na estrada!

    Noutra ocasião, estava indo para Sant’Ana do Livramento. Viajando desde Farroupilha, na Serra Gaúcha. Com mulher, filhos, e bagagens até “por dentro dos olhos”.

    Já estávamos chegando na Rainha da Fronteira quando estourou um pneu. Tiramos todas as tralhas do bagageiro, que ficava na frente, para conseguir pegar o estepe, macaco e chave de rodas.

    Troca feita, tudo recolocado no lugar, vamos embora.

    Que nada!

    Menos de 500 metros adiante estourou o estepe que eu tinha colocado. "Sem pai nem mãe", como se diz, tiver que recorrer a uma carona – estrada quase deserta, à tardinha – para ir até um borracheiro na chegada da cidade.

    Consertos feitos nos dois pneus, carona de volta, troca realizada e, daí sim, conseguimos chegar ao nosso destino. Todo mundo com fome, necessitando demais de um bom banho porque era verão, calorão, fedorão...

    Essa, a “Teresa Louca”, ficou lá pela fronteira mesmo.

    Foi onde comprei meu terceiro carro. Este sim, bem mais chique. Era um Ford, modelo Del Rey série Ouro, ano 1984, com vidros e travas elétricas. Tinha até ar condicionado, já pensou?

     

    Então, por isso que eu digo: para o mundo que eu quero descer. E aproveita, por favor, e me corta os tubos!

     

     

     

     

     

    • mais médicos
      Saída de médicos cubanos preocupa prefeitura
      por Rafael Martinelli
    • pequenas empresas, grandes histórias
      COM VÍDEO | Lentes que retratam vidas
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • saúde
      Frente de prefeitos reage a saída de médicos cubanos
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Hoje até vereador comemora médicos indo embora
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Todo sábado é dia para adotar um pet na Sperk
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • meio ambiente
      COM VÍDEO | A nossa lista vermelha da extinção
      por Eduardo Torres
    • trânsito
      Fim da tranqueira no trânsito está mais próximo
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Saída de médicos cubanos é desastre para Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      OPINIÃO | Não façam Bordignon ’Miss Colômbia’ outra vez
      por Rafael Martinelli
    • meio ambiente
      Cobrança pela água do Gravataí pode gerar R$ 9 mi em um ano
      por Eduardo Torres
    • desejo azul
      Gremistas entregam alegria para crianças doentes
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • seu bolso
      OPINIÃO | Silvio Santos é um velho babão
      por Rafael Martinelli
    • cachoeirinha
      Asfalto em 33 ruas é símbolo para governo Miki
      por Rafael Martinelli com assessoria
    • educação
      OPINIÃO | O big brother da escola sem partido em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • história
      A história da Cachoeirinha do primeiro pedágio
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      ‘Jardins do pesadelo’ estão perto do fim?
      por Silvestre Silva Santos
    • política
      OPINIÃO | 25 nomes para prefeitura de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • polícia
      Jovem executado por engano em hospital era de Cachoeirinha
      por Silvestre Silva Santos
    • vereadores
      Quem leva a presidência da câmara de Gravataí?
      por Rafael Martinelli
    • efeito cascata
      OPINIÃO | Vereadores, não aumentem os salários
      por Rafael Martinelli
    • 2020
      OPINIÃO | A sucessão nas mãos de Marco Alba
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.